1 Crônicas 27

Almeida Antiga - IBC

As divisões de serviço para cada mês
1 Ora, os filhos de Israel segundo o seu número, os chefes das casas paternas, e os chefes dos milhares e das centenas, com os seus oficiais, que serviam ao rei em todos os negócios das turmas que entravam e saíam de mês em mês, em todos os meses do ano, eram em cada turma vinte e quatro mil.
2 Sobre a primeira turma, no primeiro mês, estava Jasobeão, filho de Zabdiel; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
3 Era ele descendente de Pérez, e chefe de todos os comandantes do exército para o primeiro mês.
4 Sobre a turma do segundo mês estava Dodai, o aoíta, com a sua turma, cujo chefe era Miclote; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
5 O terceiro comandante do exército, para o terceiro mês, era o chefe Benaías, filho do sacerdote Jeoiada; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
6 Este é aquele Benaías que era o varão valente entre os trinta e comandava os trinta; e da sua turma era seu filho Amizabade.
7 O quarto, do quarto mês, era Asael, irmão de Joabe, e depois dele Zebadia; seu filho; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
8 O quinto, do quinto mês, era Samute, o israíta; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
9 O sexto, do sexto mês, era Ira, filho de Iques, o tecoíta; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
10 O sétimo, do sétimo mês, era Helez, o pelonita, descendente de Efraim; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
11 O oitavo, do oitavo mês, era Sibecai, o husatita, dos zeraítas; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
12 O nono, do nono mês, era Abiezer, o anatotita, dos benjamitas; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
13 O décimo, do décimo mês, era Maarai, o netofatita, dos zeraítas; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
14 O undécimo, do undécimo mês, era Benaías, o piratonita, dos filhos de Efraim; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
15 O duodécimo, do duodécimo mês, era Heldai, o netofatita, de Otniel; e em sua turma havia vinte e quatro mil.
16 Sobre as tribos de Israel estavam estes: sobre os rubenitas era chefe Eliézer, filho de Zicri; sobre os simeonitas, Sefatias, filho de Maacá;
17 sobre os levitas, Hasabias, filho de Quemuel; sobre os aronitas, Zadoque;
18 sobre Judá, Eliu: um dos irmãos de Davi; sobre Issacar, Onri, filho de Micael;
19 sobre Zebulom, Ismaías, filho de Obadias; sobre Naftali, Jerimote, filho de Azriel;
20 sobre os filhos de Efraim, Oseias, filho de Azazias; sobre a meia tribo de Manassés, Joel, filho de Pedaías;
21 sobre a meia tribo de Manassés em Gileade, Ido, filho de Zacarias; sobre Benjamim, Jaasiel, filho de Abner;
22 sobre Dã, Azarel, filho de Jeroão. Esses eram os chefes das tribos de Israel.
23 Não tomou, porém, Davi o número dos de vinte anos para baixo, porquanto o Senhor tinha dito que havia de multiplicar Israel como as estrelas do céu.
24 Joabe, filho de Zeruia, tinha começado a numerá-los, porém não acabou, porquanto viera por isso ira sobre Israel; pelo que o número não foi posto no livro das crônicas do rei Davi.
25 Sobre os tesouros do rei estava Azmavete, filho de Adiel; sobre os tesouros dos campos, das cidades, das aldeias e das torres, Jônatas, filho de Uzias;
26 sobre os que faziam a obra do campo, na lavoura da terra, Ezri, filho de Quelube;
27 sobre as vinhas, Simei, o ramatita; sobre o produto das vides nas adegas do vinho, Zabdi, o sifmita;
28 sobre os olivais e sicômoros que havia nas campinas, Baal-Hanã, o gederita; sobre os armazéns do azeite, Joás;
29 sobre o gado que pastava em Sarom, Sitrai, o saronita; sobre o gado dos vales, Safate, filho de Adlai;
30 sobre os camelos, Obil, o ismaelita; sobre as jumentas, Jedeías, o meronotita;
31 e sobre o gado miúdo, Jaziz, o hagrita. Todos esses eram os intendentes dos bens do rei Davi.
32 Jônatas, tio de Davi, era conselheiro, homem entendido, e escriba; ele e Jeiel, filho de Hacmôni, assistiam os filhos do rei;
33 Aitofel era conselheiro do rei; Husai, o arquita, era amigo o rei;
34 depois de Aitotel, Jeoiada, filho de Benaías, e Abiatar foram conselheiros; e Joabe era chefe do exército do rei.

Referências Cruzadas

2 2Sm 23:8; 1Cr 11:11
3 2Sm 23:9
5 1Rs 4:5
6 2Sm 23:20; 2Sm 23:22; 2Sm 23:23; 1Cr 11:22
7 2Sm 23:24; 1Cr 11:26
9 1Cr 11:28
10 1Cr 11:27
11 2Sm 21:18; 1Cr 11:29
12 1Cr 11:28
13 2Sm 23:28; 1Cr 11:30
14 1Cr 11:31; 1Cr 11:30
17 1Cr 26:30
18 1Sm 16:6
23 Gn 15:5
24 2Sm 24:15; 1Cr 21:7
33 2Sm 15:12; 2Sm 15:37; 2Sm 16:16
34 1Rs 1:7; 1Cr 11:6

1, 32-34 A ampla distribuição de responsabilidades diminui a carga. Depois de Davi ter abdicado em favor de Salomão, planos foram feitos para a administração dos negócios do reino. O idoso rei, seus filhos e seus conselheiros consideraram essencial que tudo fosse feito com regularidade, decoro, fidelidade e rapidez. Tanto quanto possível, seguiram o sistema de organização dado a Israel logo após o livramento do Egito. Aos levitas foi designada a obra ligada ao serviço do templo, incluindo o ministério da música cantada e instrumental e a guarda dos tesouros. Os homens capazes de portar armas e de servirem o rei foram divididos em doze turnos de vinte e quatro mil pessoas cada um. A frente de cada turno estava um capitão. “Joabe era comandante do exército do rei” (1Cr 27:34). Os “turnos (…) entravam e saíam de mês em mês durante o ano” (1Cr 27:1). Assim, cada turno de vinte e quatro mil servia o rei durante um mês a cada ano.
Davi nomeou Jônatas, seu tio, como membro “do conselho, homem sábio e escriba” (1Cr 27:32); Aitofel também era conselho do rei. […] A Aitofel sucedeis Joiada […] e Abiatar” (v. 33, 34). Husai era “amigo do rei” (v. 33). Por seu prudente exemplo, o idoso rei ensinou a Salomão que na multidão de conselheiros há segurança” (Pv 11:14).
A minuciosidade e plenitude da organização efetuada no início do reinado de Salomão, a abrangência dos planos para colocar o maior número possível de pessoas no serviço ativo e a ampla distribuição de responsabilidades, de forma que o serviço prestado a Deus e ao rei não sobrecarregasse indevidamente qualquer indivíduo ou classe são lições que todos podem estudar com proveito, e que os líderes da igreja cristã devem entender e seguir.
Podemos extrair muitas sugestões úteis desse exemplo de uma grande e poderosa nação que vivia de maneira simples e confortável em lares rurais, onde cada pessoa prestava serviço voluntário e não remunerado a Deus e ao rei durante uma parte de cada ano (RH, 12/10/1905).