1 Pedro 3

Almeida Antiga - IBC

Os deveres das esposas e dos maridos
1 Semelhantemente vós, mulheres, sede submissas a vossos maridos; para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, sejam ganhos sem palavra pelo procedimento de suas mulheres,
2 considerando a vossa vida casta, em temor.
3 O vosso adorno não seja o enfeite exterior, como as tranças dos cabelos, o uso de joias de ouro, ou o luxo dos vestidos,
4 mas seja o homem interior do coração, no incorruptível traje de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus.
5 Porque assim se adornavam antigamente também as santas mulheres que esperavam em Deus, e estavam submissas a seus maridos;
6 como Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor; da qual vós sois filhas, se fazeis o bem e não temeis nenhum espanto.
7 Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.

O apoio recíproco e a paz

8 Finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, cheios de amor fraternal, misericordiosos, humildes,
9 não retribuindo mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; porque para isso fostes chamados, para herdardes uma bênção.
10 Pois, quem quer amar a vida, e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano;
11 aparte-se do mal, e faça o bem; busque a paz, e siga-a.
12 Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos à sua súplica; mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal.
13 Ora, quem é o que vos fará mal, se fordes zelosos do bem?
14 Mas também, se padecerdes por amor da justiça, bem-aventurados sereis; e não temais as suas ameaças, nem vos turbeis;
15 antes santificai o Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós;
16 tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, fiquem confundidos os que vituperam o vosso bom procedimento em Cristo.
17 Porque melhor é sofrerdes fazendo o bem, se a vontade de Deus assim o quer, do que fazendo o mal.

Exemplo de Jesus Cristo

18 ## Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado pelo espírito;
19 no qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão;
20 os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas, isto é, oito almas foram salvas através da água,
21 que, por uma figura correspondente, o batismo, agora também nos salva, o qual não é o despojamento da imundícia da carne, mas a resposta de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo,
22 que está à destra de Deus, tendo subido ao céu; havendo-se-lhe sujeitado os anjos, e as autoridades, e as potestades.

Referências Cruzadas

1 1Sm 2:21; Gn 17:19; Gn 18:10; Gn 18:14
2 Gl 4:23; Gl 4:28; At 7:8; Gl 4:22; Hb 11:11; Gn 17:21
3 Gn 17:19
4 At 7:8; Gn 17:10; Gn 17:12
5 Gn 17:1; Gn 17:17; Dn 7:9; Jo 3:16
6 Sl 126:2; Is 54:1; Gl 4:27; Lc 1:58
7 Gn 18:11; Gn 18:12
9 Gn 16:1; Gn 16:15; Gl 4:29
10 Gl 4:30; Gn 25:6; Gn 36:6; Gn 36:7
11 Gn 17:18
12 Rm 9:7; Rm 9:8; Hb 11:18
13 Gn 21:18; Gn 16:10; Gn 17:20
14 Jo 8:35
17 Ex 3:7
18 Gn 21:13
19 Nm 22:31; 2Rs 6:17; 2Rs 6:18; 2Rs 6:20; Lc 24:16; Lc 24:31
20 Gn 28:15; Gn 39:2; Gn 39:3; Gn 39:21; Gn 16:12
21 Gn 24:4; Gn 25:17-18
22 Gn 20:2; Gn 26:26; Gn 26:28
23 Js 2:12; 1Sm 24:21
25 Gn 26:15; Gn 26:18; Gn 26:20; Gn 26:21; Gn 26:22
27 Gn 26:31
29 Gn 33:8
30 Gn 31:48; Gn 31:52
31 Gn 26:33
33 Gn 4:26; Dt 33:27; Is 40:28; Rm 16:26; 1Tm 1:17

1-5 Ver Ellen G. White sobre Is 3:18-23.
3, 4 Os frutos do orgulho. Há ídolos acariciados em nossas famílias e em nossas igrejas hoje que têm sobre nós a mesma influência que o bezerro de ouro teve sobre os israelitas. Examinarão os crentes a si mesmos? Farão os pastores sua obra como fiéis sentinelas de Deus? Verão que ídolos estão acariciando? Será que todos os que estão em condição medíocre irão considerar que devem ser um povo distinto e separado do mundo em seu modo de vestir, em seu modo de falar e em seu comportamento? Verão sua idolatria tanto nos assuntos simples quanto complexos, e que isso os está separando de Deus? Quando vêm reprovações, ficam envergonhados, mas não arrependidos. Têm tido grande luz, grandes oportunidades, preceito sobre preceito, regra sobre regra; mas o orgulho brota e floresce em seu vestuário, revelando os pensamentos e propósitos do coração (Ms 52, 1898).
Que ídolos acariciamos? A idolatria por parte do antigo Israel foi uma ofensa a Deus. Mas, não haverá ídolos igualmente ofensivos acariciados em nossas famílias e em nossas igrejas hoje — ídolos que têm a mesma influência sobre nós que o bezerro de ouro teve sobre os israelitas? Por parte do professo povo de Deus há uma evidente desconsideração das advertências dadas por Pedro: “Não seja o adorno […] o que é exterior” [1Pe 3:3].
Já chegou o tempo em que nós, como um povo, devemos nos examinar para ver que ídolos estamos acariciando; quando os pastores do rebanho devem fazer uma obra fiel como sentinelas de Deus. No vestuário, na linguagem, no comportamento, devemos ser um povo distinto e separado do mundo. “Quero, portanto, que os varões orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem animosidade. Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas)” (RH, 07/03/1899).
Paixão pela ostentação. No alicerce da ruína de muitos lares reside a paixão pela ostentação. Homens e mulheres planejam e tramam para conseguir meios para dar aos outros a impressão de ser mais ricos do que os vizinhos. Mas, embora possam ter êxito em sua luta desesperada, não são na verdade felizes. A verdadeira felicidade provém de um coração em paz com Deus [citado 1Pe 3:3, 4] (Ms 99, 1902; MCP2, 644).
O encanto do valor moral. O valor moral tem um encanto que a riqueza e os atrativos exteriores não possuem. A mulher que possui o adorno de um espírito manso e tranquilo tem, aos olhos de Deus, um dote de grande valor, diante do qual a prata de Társis e o ouro de Ofir não são nada. A noiva de Salomão, em toda a sua glória, não pode se comparar com uma dessas joias do lar (HR, maio de 1878).
8 Reverência pela verdade. “Fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes”. Cultivem suprema reverência pela justiça e pela verdade, e ódio por toda crueldade e opressão. Façam aos outros como querem que eles lhes façam. Deus não permita que vocês favoreçam a si mesmos em detrimento de outrem (RH, 13/04/1905).
12 Sobre quem é colocado o selo. O dia da vingança de Deus está precisamente diante de nós. O selo de Deus será colocado somente na testa daqueles que suspiram e clamam por causa das abominações cometidas na Terra. Aqueles que se ligam ao mundo por laços de simpatia, estão comendo e bebendo com os ébrios, e certamente serão destruídos com os que obram a iniquidade (TS2 67.1).
13 Como ser mais zeloso. Que os membros da igreja tenham mais fé, adquirindo zelo de seus invisíveis aliados celestes, do conhecimento de seus inexauríveis recursos, da grandeza do empreendimento em que se acham empenhados, do poder de seu Guia (SC 59.1).
18-20 Ver Ellen G. White sobre Gn 6:3.