1 Reis 18

Almeida Antiga - IBC

Elias apresenta-se diante de Acabe
1 Depois de muitos dias veio a Elias a palavra do Senhor, no terceiro ano, dizendo: Vai, apresenta-te a Acabe; e eu mandarei chuva sobre a terra.
2 Então Elias foi apresentar-se a Acabe. E a fome era extrema em Samaria.
3 Acabe chamou a Obadias, o mordomo (ora, Obadias temia muito ao Senhor;
4 pois sucedeu que, destruindo Jezabel os profetas do Senhor, Obadias tomou cem profetas e os escondeu, cinquenta numa cova e cinquenta noutra, e os sustentou com pão e água);
5 e disse Acabe a Obadias: Vai pela terra a todas as fontes de água, e a todos os rios. Pode ser que achemos erva para salvar a vida dos cavalos e mulas, de maneira que não percamos todos os animais.
6 E repartiram entre si a terra, para a percorrerem; e foram a sós, Acabe por um caminho, e Obadias por outro.
7 Quando, pois, Obadias já estava em caminho, eis que Elias se encontrou com ele; e Obadias, reconhecendo-o, prostrou-se com o rosto em terra e disse: És tu, meu senhor Elias?
8 Respondeu-lhe ele: Sou eu. Vai, dize a teu senhor: Eis que Elias está aqui.
9 Ele, porém, disse: Em que pequei, para que entregues teu servo na mão de Acabe, para ele me matar?
10 Vive o Senhor teu Deus, que não há nação nem reino aonde o meu senhor não tenha mandado em busca de ti; e dizendo eles: Aqui não está; então fazia-os jurar que não te haviam achado.
11 Agora tu dizes: Vai, dize a teu senhor: Eis que Elias está aqui.
12 E será que, apartando-me eu de ti, o Espírito do Senhor te levará não sei para onde; e, vindo eu dar as novas a Acabe, e não te achando ele, matar-me-á. Todavia eu, teu servo, temo ao Senhor desde a minha mocidade.
13 Porventura não disseram a meu senhor o que fiz, quando Jezabel matava os profetas do Senhor, como escondi cem dos profetas do Senhor, cinquenta numa cova e cinquenta noutra, e os sustentei com pão e água:
14 E agora tu dizes: Vai, dize a teu senhor: Eis que Elias está aqui! Ele me matará.
15 E disse Elias: Vive o Senhor dos exércitos, em cuja presença estou, que deveras hoje hei de apresentar-me a ele.
16 Então foi Obadias encontrar-se com Acabe, e lho anunciou; e Acabe foi encontrar-se com Elias.

Elias e os profetas de Baal

17 E sucedeu que, vendo Acabe a Elias, disse-lhe: És tu, perturbador de Israel?
18 Respondeu Elias: Não sou eu que tenho perturbado a Israel, mas és tu e a casa de teu pai, por terdes deixado os mandamentos do Senhor, e por teres tu seguido os baalins.
19 Agora pois manda reunir-se a mim todo o Israel no monte Carmelo, como também os quatrocentos e cinquenta profetas de Baal, e os quatrocentos profetas de Asera, que comem da mesa de Jezabel.
20 Então Acabe convocou todos os filhos de Israel, e reuniu os profetas no monte Carmelo.
21 E Elias se chegou a todo o povo, e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; mas se Baal, segui-o. O povo, porém, não lhe respondeu nada.
22 Então disse Elias ao povo: Só eu fiquei dos profetas do Senhor; mas os profetas de Baal são quatrocentos e cinquenta homens.
23 Deem-se-nos, pois, dois novilhos; e eles escolham para si um dos novilhos, e o dividam em pedaços, e o ponham sobre a lenha, porém não lhe metam fogo; e eu prepararei o outro novilho, e o porei sobre a lenha, e não lhe meterei fogo.
24 Então invocai o nome do vosso deus, e eu invocarei o nome do Senhor; e há de ser que o deus que responder por meio de fogo, esse será Deus. E todo o povo respondeu, dizendo: É boa esta palavra.
25 Disse, pois, Elias aos profetas de Baal: Escolhei para vós: um dos novilhos, e preparai-o primeiro, porque sois muitos, e invocai o nome do Senhor, vosso deus, mas não metais fogo ao sacrifício.
26 E, tomando o novilho que se lhes dera, prepararam-no, e invocaram o nome de Baal, desde a manhã até o meio-dia, dizendo: Ah Baal, responde-nos! Porém não houve voz; ninguém respondeu. E saltavam em volta do altar que tinham feito.
27 Sucedeu que, ao meio-dia, Elias zombava deles, dizendo: Clamai em altas vozes, porque ele é um deus; pode ser que esteja falando, ou que tenha alguma coisa que fazer, ou que intente alguma viagem; talvez esteja dormindo, e necessite de que o acordem.
28 E eles clamavam em altas vozes e, conforme o seu costume, se retalhavam com facas e com lancetas, até correr o sangue sobre eles.
29 Também sucedeu que, passado o meio dia, profetizaram eles até a hora de se oferecer o sacrifício da tarde. Porém não houve voz; ninguém respondeu, nem atendeu.
30 Então Elias disse a todo o povo: chegai-vos a mim. E todo o povo se chegou a ele. E Elias reparou o altar do Senhor, que havia sido derrubado.
31 Tomou doze pedras, conforme o número das tribos dos filhos de Jacó, ao qual viera a palavra do Senhor, dizendo: Israel será o teu nome;
32 e com as pedras edificou o altar em nome do Senhor; depois fez em redor do altar um rego, em que podiam caber duas medidas de semente.
33 Então armou a lenha, e dividiu o novilho em pedaços, e o pôs sobre a lenha, e disse: Enchei de água quatro cântaros, e derramai-a sobre o holocausto e sobre a lenha.
34 Disse ainda: fazei-o segunda vez; e o fizeram segunda vez. De novo disse: Fazei-o terceira vez; e o fizeram terceira vez.
35 De maneira que a água corria ao redor do altar; e ele encheu de água também o rego.
36 Sucedeu pois que, sendo já hora de se oferecer o sacrifício da tarde, o profeta Elias se chegou, e disse: ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque, e de Israel, seja manifestado hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que conforme a tua palavra tenho feito todas estas coisas.
37 Responde-me, ó Yahweh, responde-me para que este povo conheça que tu, ó Yahweh, és Deus, e que tu fizeste voltar o seu coração.
38 Então caiu fogo do Yahweh, e consumiu o holocausto, a lenha, as pedras, e o pó, e ainda lambeu a água que estava no rego.
39 Quando o povo viu isto, prostraram-se todos com o rosto em terra e disseram: O Yahweh é Deus! O Yahweh é Deus!
40 Disse-lhes Elias: Agarrai os profetas de Baal! Que nenhum deles escape: Agarraram-nos; e Elias os fez descer ao ribeiro de Quisom, onde os matou.
41 Então disse Elias a Acabe: Sobe, come e bebe, porque há ruído de abundante chuva.
42 Acabe, pois, subiu para comer e beber; mas Elias subiu ao cume do Carmelo e, inclinando-se por terra, meteu o rosto entre os joelhos.
43 E disse ao seu moço: Sobe agora, e olha para a banda do mar. E ele subiu, olhou, e disse: Não há nada. Então disse Elias: Volta lá sete vezes.
44 Sucedeu que, à sétima vez, disse: Eis que se levanta do mar uma nuvem, do tamanho da mão dum homem: Então disse Elias: Sobe, e dize a Acabe: Aparelha o teu carro, e desce, para que a chuva não te impeça.
45 E sucedeu que em pouco tempo o céu se enegreceu de nuvens e vento, e caiu uma grande chuva. Acabe, subindo ao carro, foi para Jezreel:
46 E a mão do Senhor estava sobre Elias, o qual cingiu os lombos, e veio correndo perante Acabe, até a entrada de Jezreel.

Referências Cruzadas

1 Lc 4:25; Tg 5:17,18; Dt 28:12; Lc 13:32
2 Ap 11:3,6
4 2Rs 9:7, Ap 2:17
10 Jo 7:34
12 2Rs 2:16; Ez 3:12; Ez 3:14; Mt 4:1; At 8:39
17 1Rs 21:20; Js 7:25; At 16:20; Jr 26; Dn 3:14
18 2Cr 15:2; 1Rs 21:20
19 Js 19:26; 1Rs 16:33
20 1Rs 22:6
21 2Rs 17:41; Mt 6:24; Js 24:15
22 1Rs 19:10; 1Rs 19:14; 1Rs 18:19
24 1Rs 18:38; 1Cr 21:26
26 Sl 115:5; Jr 10:5; 1Co 8:4; 1Co 12:2
28 Lv 19:28; Dt 14:1
29 1Co 11:4; 1Co 11:5; 1Rs 18:26
30 1Rs 19:10
31 Gn 32:28; Gn 35:10; 2Rs 17:34
32 Cl 3:17
33 Lv 1:6; Lv 1:7; Lv 1:8; Jz 6:20
35 1Rs 18:32; 1Rs 18:38
36 Ex 3:6; 1Rs 8:43; 2Rs 19:19; Sl 83:18; Nm 16:28
38 Lv 9:24; Jz 6:21; 1Cr 21:26; 2Cr 7:1; At 2:3
39 1Rs 18:24
40 2Rs 10:25; Dt 13:5; Dt 18:20; Jz 5:19-21
41 Lc 5:5; Dn 2:16
42 Tg 5:17; Tg 5:18
45 At 2:2
46 2Rs 4:29; 2Rs 9:1

17 Os rebeldes culpam a outros. Os que se recusam a receber a reprovação e a ser corrigidos manifestarão inimizade, malícia e ódio contra o instrumento que Deus usar. Não deixarão de tentar nenhum recurso para lançar estigma sobre aquele que lhes transmitiu a mensagem. Acharão, como foi o caso de Acabe em relação a Elias, que o servo de Deus é que é o estorvo, a maldição. Disse Acabe: “Es tu, ó perturbador de Israel?” (1Rs 18:17) (RH, 08/01/1884).
A explicação de acadêmicos muitas vezes atrapalha. Teorias e especulações humanas jamais hão de conduzir à compreensão da palavra de Deus. Os que julgam entender de filosofia, consideram suas interpretações necessárias para descerrar o tesouro do conhecimento e impedir que penetrem heresias na igreja. Mas foram justamente essas explanações que introduziram as falsas teorias e heresias. Os homens têm feito esforços desesperados para explicar textos considerados obscuros; mas muitas vezes seus esforços têm obscurecido ainda mais o que tentavam esclarecer (PJ 52.2).
19. Israel convocado. A ordem fora dada por alguém que parecia estar na própria presença de Jeová, e Acabe obedeceu-a de pronto, como se o profeta fosse o monarca e o rei o súdito. Velozes mensageiros foram despachados por todo o reino, com a intimação de se reunirem com Elias e os profetas de Baal e Astarote. Em cada cidade e vila, o povo se preparou para se reunir no tempo indicado. Ao caminharem para o lugar, o coração de muitos se enchia de estranhos pressentimentos. Algo fora do comum estava para acontecer; senão, por que a ordem para se reunirem no Carmelo? Que nova calamidade estava para desabar sobre o povo e a terra? (PR 70.2).

22. Respondeu nada Se Deus aborrece um pecado mais do que outro, do qual Seu povo é culpado, é o de nada fazer no caso de uma emergência. Indiferença e neutralidade numa crise religiosa são consideradas por Deus como um crime grave e igual ao pior tipo de hostilidade contra Deus (T3 280.3).

26. Tentaram usar de fraude. Enquanto continuam com suas exaltadas devoções, os astutos sacerdotes estão continuamente procurando imaginar algum meio pelo qual possam acender o fogo sobre o altar e levar o povo a crer que o fogo viera diretamente de Baal. Mas Elias lhes vigia cada movimento; e os sacerdotes, esperando contra a esperança de alguma oportunidade para a fraude, prosseguem com suas insensatas cerimônias (PR 72.5).

36-40 Alguém que se colocou inteiramente ao lado de Deus. Deus deseja ter Sua honra exaltada diante dos homens como suprema e Seus conselhos confirmados aos olhos do povo. O testemunho do profeta Elias no monte Carmelo dá o exemplo de alguém que se colocou inteiramente ao lado de Deus e de Sua obra na Terra. O profeta invocou a Deus por Seu nome, o Senhor Yahweh, que Ele próprio havia dado para denotar Sua condescendência e compaixão. Elias O chama de o Deus de Abraão, de Isaque e de Israel. Faz isso para que possa suscitar no coração de Seu povo apóstata a humilde lembrança do Senhor, e assegurar-lhes Sua rica e irrestrita graça. Elias ora: “Fique, hoje, sabido que Tu és Deus em Israel.” A honra de Deus é ser exaltado como supremo, mas o profeta pede ainda que sua missão também seja confirmada: “Fique, hoje, sabido que Tu és Deus em Israel”, ele ora, “e que eu sou Teu servo e que, segundo a Tua palavra, fiz todas estas coisas. Responde-me, Senhor”, ele suplica, “responde-me” (1Rs 18:36, 37). Seu zelo pela glória de Deus e seu profundo amor pela casa de Israel apresentam lições para a instrução de todos os que se acham hoje como representantes da obra de Deus na Terra (Carta 22, 1911).
38. Brilhantes relâmpagos. Um silêncio opressivo em sua solenidade cai sobre todos. Os sacerdotes de Baal tremem de terror. Cônscios de sua culpa, temem imediata retribuição.
Mal havia a oração de Elias terminado, e chamas de fogo, como brilhantes relâmpagos, descem do céu sobre o altar erguido, consumindo o sacrifício, lambendo a água do rego e devorando as próprias pedras do altar. O brilho das chamas ilumina o monte e ofusca os olhos da multidão. Nos vales abaixo, onde muitos estão observando em ansiosa expectativa os movimentos dos que estão em cima, a descida do fogo é claramente vista, e todos ficam maravilhados com o espetáculo. Ele lembra a coluna de fogo que no Mar Vermelho separou das tropas egípcias os filhos de Israel (PR 74.4).

42-44 Importantes lições de Elias. Importantes lições nos são apresentadas na experiência de Elias. Quando estava no monte Carmelo e fez a oração pedindo chuva, sua fé foi testada, mas ele perseverou em tornar seu pedido conhecido a Deus. Orou fervorosamente seis vezes e ainda não havia nenhum sinal de que sua petição seria concedida, porém, com forte fé, apresentava sua súplica ao trono da graça. Se, em desânimo, tivesse desistido na sexta vez, sua oração não teria sido atendida; mas perseverou até que a resposta veio. Temos um Deus cujos ouvidos não estão fechados a nossas petições; e, se colocarmos à prova Sua palavra, Ele honrará nossa fé. Deus deseja que tenhamos todos os nossos interesses entrelaçados com os Seus, e, então, poderá nos abençoar com segurança, pois não tomaremos a glória para nós mesmos quando recebermos a bênção, mas renderemos todo louvor a Deus. O Senhor nem sempre responde nossas orações na primeira vez em que clamamos a Ele, pois, se o fizesse, poderíamos achar que temos direito a todas as bênçãos e favores que Ele concede. Então, em vez de examinarmos o coração para ver se estamos abrigando algum mal ou condescendendo com algum pecado, nós nos tornaríamos descuidados e deixaríamos de perceber a dependência de Deus e a necessidade de Sua ajuda.
Elias se humilhou até estar na condição em que não tomaria a glória para si. Essa é a condição mediante a qual o Senhor ouve a oração, pois então daremos o louvor a Ele. Atribuir louvor a seres humanos é um costume que resulta em grande mal. Um louva o outro, e assim as pessoas são levadas a sentir que a glória e a honra lhes pertencem. Quando alguém exalta um ser humano, prepara uma armadilha para sua alma e faz exatamente o que Satanás quer que seja feito. Devemos louvar a Deus de todo o coração, toda a alma, todas as forças e todo o entendimento; pois somente Deus é digno de ser glorificado (RH, 27/03/1913).
43, 44 Elias examina o coração. O servo observava enquanto Elias estava em oração. Seis vezes voltou ele de sua observação, dizendo: Não há nada – nenhuma nuvem, nenhum sinal de chuva. Mas o profeta não desistiu nem desanimou. Continuou a recapitular sua vida, a ver onde deixara de honrar a Deus, confessou seus pecados e, assim, continuou a afligir sua alma diante de Deus, enquanto vigiava para enxergar algum sinal de que sua oração fora atendida. À medida que esquadrinhava o coração, parecia diminuir cada vez mais, tanto em sua própria estimativa como aos olhos de Deus. Parecia-lhe que não era nada, e Deus era tudo; e quando ele chegou ao ponto de renunciar ao próprio eu, de se apegar ao Salvador como sua única força e justiça, veio a resposta. Apareceu o servo, dizendo: “Eis aqui se levanta do mar uma nuvem pequena como a palma da mão do homem” (1Rs 18:44) (CD [MM, 95], 117; RH, 26/05/1891).