1 Samuel 23

Almeida Antiga - IBC

Davi livra Queila
1 Ora, foi anunciado a Davi: Eis que os filisteus pelejam contra Queila e saqueiam as eiras.
2 Pelo que consultou Davi ao Senhor, dizendo: Irei eu, e ferirei a esses filisteus? Respondeu o Senhor a Davi: Vai, fere aos filisteus e salva a Queila.
3 Mas os homens de Davi lhe disseram: Eis que tememos aqui em Judá, quanto mais se formos a Queila, contra o exército dos filisteus!
4 Davi, pois, tornou a consultar ao Senhor, e o Senhor lhe respondeu: Levanta-te, desce a Queila, porque eu hei de entregar os filisteus na tua mão.
5 Então Davi partiu com os seus homens para Queila, pelejou contra os filisteus, levou-lhes o gado, e fez grande matança entre eles; assim Davi salvou os moradores de Queila.
6 Ora, quando Abiatar, filho de Aimeleque, fugiu para Davi, a Queila, desceu com um éfode na mão.
7 Então foi anunciado a Saul que Davi tinha ido a Queila; e disse Saul: Deus o entregou nas minhas mãos; pois está encerrado, porque entrou numa cidade que tem portas e ferrolhos.
8 E convocou todo o povo à peleja, para descerem a Queila, e cercar a Davi e os seus homens.
9 Sabendo, pois, Davi que Saul maquinava este mal contra ele, disse a Abiatar, sacerdote: Traze aqui o éfode.
10 E disse Davi: Ó Senhor, Deus de Israel, teu servo acaba de ouvir que Saul procura vir a Queila, para destruir a cidade por causa de mim.
11 Entregar-me-ão os cidadãos de Queila na mão dele? Descerá Saul, como o teu servo tem ouvido? Ah, Senhor Deus de Israel! Faze-o saber ao teu servo. Respondeu o Senhor: Descerá.
12 Disse mais Davi: Entregar-me-ão os cidadãos de Queila, a mim e aos meus homens, nas mãos de Saul? E respondeu o Senhor: Entregarão.
13 Levantou-se, então, Davi com os seus homens, cerca de seiscentos, e saíram de Queila, e foram-se aonde puderam. Saul, quando lhe foi anunciado que Davi escapara de Queila, deixou de sair contra ele.

Saul persegue Davi no deserto de Zife

14 E Davi ficou no deserto, em lugares fortes, permanecendo na região montanhosa no deserto de Zife. Saul o buscava todos os dias, porém Deus não o entregou na sua mão.
15 Vendo, pois, Davi que Saul saíra à busca da sua vida, esteve no deserto de Zife, em Hores.
16 Então se levantou Jônatas, filho de Saul, e foi ter com Davi em Hores, e o confortou em Deus;
17 e disse-lhe: Não temas; porque não te achará a mão de Saul, meu pai; porém tu reinarás sobre Israel, e eu serei contigo o segundo; o que também Saul, meu pai, bem sabe.
18 E ambos fizeram aliança perante o Senhor; Davi ficou em Hores, e Jônatas, voltou para sua casa.
19 Então subiram os zifeus a Saul, a Gibea, dizendo: Não se escondeu Davi entre nós, nos lugares fortes em Hores, no outeiro de Haquila, que está à mão direita de Jesimom?
20 Agora, pois, ó rei, desce apressadamente, conforme todo o desejo da tua alma; a nós nos cumpre entregá-lo nas mãos do rei.
21 Então disse Saul: Benditos sejais vós do Senhor, porque vos compadecestes de mim:
22 Ide, pois, informai-vos ainda melhor; sabei e notai o lugar que ele frequenta, e quem o tenha visto ali; porque me foi dito que é muito astuto.
23 Pelo que atentai bem, e informai-vos acerca de todos os esconderijos em que ele se oculta; e então voltai para mim com notícias exatas, e eu irei convosco. E há de ser que, se estiver naquela terra, eu o buscarei entre todos os milhares de Judá.
24 Eles, pois, se levantaram e foram a Zife adiante de Saul; Davi, porém, e os seus homens estavam no deserto de Maom, na campina ao sul de Jesimom.
25 E Saul e os seus homens foram em busca dele. Sendo isso anunciado a Davi, desceu ele à penha que está no deserto de Maom. Ouvindo-o Saul, foi ao deserto de Maom, a perseguir Davi.
26 Saul ia de uma banda do monte, e Davi e os seus homens da outra banda. E Davi se apressava para escapar, por medo de Saul, porquanto Saul e os seus homens iam cercando a Davi e aos seus homens, para os prender.
27 Nisso veio um mensageiro a Saul, dizendo: Apressa-te, e vem, porque os filisteus acabam de invadir a terra.
28 Pelo que Saul voltou de perseguir a Davi, e se foi ao encontro dos filisteus. Por esta razão aquele lugar se chamou Selá-Hamalecote.
29 Depois disto, Davi subiu e ficou nos lugares fortes de En-Gedi.

Referências Cruzadas

1 Js 15:44
2 1Sm 23:4; 1Sm 23:6; 1Sm 23:9; 1Sm 30:8; 2Sm 5:19; 2Sm 5:23
6 1Sm 22:20
9 Nm 27:21; 1Sm 30:7
10 1Sm 22:19
13 1Sm 22:2; 1Sm 25:13
14 Sl 11:1; Js 15:55; Sl 54:3; Sl 54:4
17 1Sm 24:20
18 1Sm 18:3; 1Sm 20:16; 1Sm 20:42; 2Sm 21:7
19 1Sm 26:1; Sl 54:1
20 Sl 54:3
24 Js 15:55; 1Sm 25:2
26 Sl 31:22; Sl 17:9
27 2Rs 19:9
29 2Cr 20:2

3, 4 Davi busca certeza. Ele [Davi] havia sido ungido rei e achava que certa medida de responsabilidade repousava sobre si com respeito à proteção de seu povo. Se tão somente tivesse a certeza de que estava fazendo o que devia, sairia com sua tropa limitada e se colocaria fielmente no posto do dever, quaisquer que fossem as consequências (ST, 05/10/1888).
9-12. A irracionalidade de Saul. Embora houvesse sido operado um grande livramento em favor de Queila, e os homens da cidade fossem muito gratos a Davi e a seus homens pela preservação de sua vida, tão diabólica havia se tornado a alma de Saul, depois de ter sido abandonado por Deus, que pôde exigir dos homens de Queila que entregasse seu libertador para uma morte certa e injusta. Saul havia decidido que, se oferecessem resistência, sofreriam as amargas consequências de se opor à ordem do rei. Parecia haver chegado a oportunidade que ele desejava havia tanto tempo, e decidiu fazer tudo o que pudesse para conseguir a prisão de seu rival (ibid.).
12. As pessoas não se conhecem a si mesmas. Os habitantes da cidade não pensaram nem por um momento que fossem capazes de tal ato de ingratidão e traição; mas Davi sabia, pela luz que Deus lhe havia dado, que não se podia confiar neles e que na hora da necessidade falhariam (ibid.).
19-26 A hipocrisia dos cidadãos de Zife. Os cidadãos de Queila, que deviam ter retribuído o interesse e o zelo de Davi ao livrá-los das mãos dos filisteus, prefeririam tê-lo entregado pelo medo que tinham de Saul, a serem sitiados por sua causa. No entanto, os homens de Zife fariam pior; trairiam Davi e o entregariam nas mãos de seu inimigo, não por causa de sua lealdade ao rei, mas por causa de seu ódio a Davi. Seu interesse pelo rei era só fingimento. Decidiram deliberadamente agir como hipócritas quando se ofereceram para ajudar na captura de Davi. Foi sobre esses traidores de coração falso que Saul invocou a bênção do Senhor. Elogiou o espírito satânico deles ao traírem um homem inocente como sendo um sentimento e um ato virtuoso ao demonstrarem compaixão por ele próprio. Aparentemente Davi estava em mais risco do que jamais havia estado antes. Ao saber dos perigos aos quais estava exposto, mudou sua localização, buscando refúgio nas montanhas que ficavam entre Maom e o Mar Morto (ST, 12/10/1888).
27-29 Saul, irado, mas temeroso. O desapontado rei estava terrivelmente irado pelo fato de sua presa ter escapado assim; mas temia a insatisfação da nação, pois, se os filisteus devastassem o país enquanto ele estava ocupado destruindo o defensor deste, provavelmente haveria uma reação e ele se tornaria objeto do ódio do povo. Portanto, desistiu da perseguição a Davi e saiu contra os filisteus, e isso deu a Davi oportunidade de fugir para os lugares seguros de En-Gedi (ibid.).