2 Crônicas 36

Almeida Antiga - IBC

Jeoacaz é levado cativo para o Egito
1 O povo da terra tomou Jeoacaz, filho de Josias, e o constituiu rei em lugar de seu pai, em Jerusalém.
2 Tinha Jeoacaz vinte e três anos quando começou a reinar, e reinou três meses em Jerusalém.
3 Porquanto o rei do Egito o depôs em Jerusalém, e condenou a terra a pagar um tributo de cem talentos de prata e um talento de ouro.
4 Então o rei do Egito constituiu Eliaquim, irmão de Jeoacaz, rei sobre Judá e Jerusalém, e mudou-lhe o nome em Jeoiaquim; mas a seu irmão, Jeoacaz, Neco o tomou e o levou para o Egito.

Jeoiaquim reina

5 Tinha Jeoiaquim vinte e cinco anos quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém; e fez o que era mau aos olhos do Senhor seu Deus.
6 Contra ele subiu Nabucodonosor, rei de Babilônia, e o amarrou com cadeias a fim de o levar para Babilônia.
7 Também alguns dos vasos da casa do Senhor levou Nabucodonosor para Babilônia, e pô-los no seu templo em Babilônia.
8 Ora, o restante dos atos de Jeoiaquim, e as abominações que praticou, e o que se achou contra ele, eis que estão escritos no livro dos reis de Israel e de Judá. E Joaquim, seu filho, reinou em seu lugar.
9 Tinha Joaquim oito anos quando começou a reinar, e reinou três meses e dez dias em Jerusalém; e fez o que era mau aos olhos do Senhor.
10 Na primavera seguinte o rei Nabucodonosor mandou que o levassem para Babilônia, juntamente com os vasos preciosos da casa do Senhor; e constituiu a Zedequias, irmão de Joaquim, rei sobre Judá e Jerusalém.

Zedequias reina

11 Tinha Zedequias vinte e um anos quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém.
12 E fez o que era mau aos olhos do Senhor seu Deus: e não se humilhou perante o profeta Jeremias, que lhe falava da parte do Senhor.
13 Também rebelou-se contra o rei Nabucodonosor, que o tinha ajuramentado por Deus. Mas endureceu a sua cerviz e se obstinou no seu coração, para não voltar ao Senhor, Deus de Israel.
14 Além disso todos os chefes dos sacerdotes e o povo aumentavam cada vez mais a sua infidelidade, seguindo todas as abominações dos gentios; e profanaram a casa do Senhor, que ele tinha santificado para si em Jerusalém.
15 E o Senhor, Deus de seus pais, falou-lhes persistentemente por intermédio de seus mensageiros, porque se compadeceu do seu povo e da sua habitação.
16 Eles, porém, zombavam dos mensageiros de Deus, desprezando as suas palavras e mofando dos seus profetas, até que o furor do Senhor subiu tanto contra o seu povo, que mais nenhum remédio houve.
17 Por isso fez vir sobre eles o rei dos caldeus, o qual matou os seus mancebos à espada, na casa do seu santuário, e não teve piedade nem dos mancebos, nem das donzelas, nem dos velhos nem dos decrépitos; entregou-lhos todos nas mãos.
18 E todos os vasos da casa de Deus, grandes e pequenos, os tesouros da casa do Senhor, e os tesouros do rei e dos seus príncipes, tudo levou para Babilônia.
19 Também queimaram a casa de Deus, derribaram os muros de Jerusalém, queimaram a fogo todos os seus palácios, e destruíram todos os seus vasos preciosos.
20 E aos que escaparam da espada, a esses levou para Babilônia; e se tornaram servos dele e de seus filhos, até o tempo do reino da Pérsia,
21 para se cumprir a palavra do Senhor proferida pela boca de Jeremias, até haver a terra gozado dos seus sábados; pois por todos os dias da desolação repousou, até que os setenta anos se cumpriram.
22 Ora, no primeiro ano de Ciro, rei da pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor proferida pela boca de Jeremias, despertou o Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia, de modo que ele fez proclamar por todo o seu reino, de viva voz e também por escrito, este decreto:
23 Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O Senhor Deus do céu me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá. Quem há entre vós de todo o seu povo suba, e o Senhor seu Deus seja com ele.

Referências Cruzadas

1 2Rs 23:30
5 2Rs 23:36; 2Rs 23:37
6 2Rs 24:1; Hb 1:6; 2Rs 24:6; Jr 22:18; Jr 22:19; Jr 36:30
7 2Rs 24:13; Dn 1:1; Dn 1:2; Dn 5:2
8 1Cr 3:16; Jr 22:24
9 2Rs 24:8
10 2Rs 24:10-17; Dn 1:1; Dn 1:2; Dn 5:2; 2Rs 24:17; Jr 37:1
11 2Rs 24:18; Jr 52:1
13 Jr 52:3; Ez 17:15; Ez 17:18; 2Rs 17:14
15 Jr 25:3; Jr 25:4; Jr 35:15; Jr 44:4
16 Jr 5:12; Jr 5:13; Pv 1:25; Jr 32:3; Mt 23:34; Sl 74:1; Mq 3:6
17 Dt 28:49; 2Rs 25:1; Ed 9:7; Sl 74:20; Sl 79:2; Sl 79:3
18 2Rs 25:13
19 2Rs 25:9; Sl 74:6; Sl 74:7; Sl 79:1; Sl 79:7
20 2Rs 25:11; Jr 27:7
21 Jr 25:9; Jr 25:11; Jr 25:12; Jr 26:6; Jr 26:7; Lv 26:34; Lv 26:35; Lv 26:43; Dn 9:2; Lv 25:4; Lv 25:5; Jr 17
22 Ed 1:1; Jr 25:12; Jr 25:13; Jr 29:10; Is 44:28
23 Ed 1:2; Ed 1:3

11-13 Ver Ellen G. White sobre 2Rs 24:17-20
14-21 Os judeus e o esgotamento da paciência de Deus. A nação judaica se encontra diante de nós como um exemplo do esgotamento da grande paciência de Deus. Na destruição de Jerusalém é tipificada a destruição do mundo. Os lábios dAquele que sempre pronunciou bênçãos sobre os arrependidos, deu encorajamento aos pobres e sofredores e proveu alegria aos humildes pronunciaram uma maldição sobre aqueles a quem havia apresentado a luz e que não quiseram apreciar ou aceitar essa luz. Ele declarou que os que preferiram se desviar da clara e distinta Palavra de Deus para acariciar tradições humanas seriam considerados culpados do sangue de todos os profetas mortos desde a fundação do mundo.
Vez após vez Deus refreou os judeus em sua ímpia conduta por meio de severo castigo. Eles, porém, O provocaram por suas más obras, rejeitando a lei do Senhor dos Exércitos e, finalmente, recusando-se a reverenciar Seu Filho unigênito. Cada século de transgressão entesourava ira para o dia da ira. Jesus suportou a obstinada e impenitente nação até encher a medida de sua iniquidade. Suas ímpias obras não foram esquecidas nem passadas por alto. Quando chegou plenamente o tempo do juízo retributivo, saiu, do sagrado lugar do Altíssimo, a ordem para que fosse vindicada a honra de Deus e para que Sua lei fosse magnificada (Ms 145, sem data).
19 Ver Ellen G. White sobre 2Rs 25:9
20 Ver Ellen G. White sobre 2Rs 24:10-16