2 Tessalonicenses 3

Almeida Antiga - IBC

 

Exortação a orar
1 Finalmente, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada, como também o é entre vós,
2 e para que sejamos livres de homens perversos e maus; porque a fé não é de todos.
3 Mas fiel é o Senhor, o qual vos confirmará e guardará do maligno.
4 E, quanto a vós, confiamos no Senhor que não só fazeis, mas fareis o que vos mandamos.
5 Ora, o Senhor encaminhe os vossos corações no amor de Deus e na constância de Cristo.

Evitando viver desordenadamente

6 Mandamo-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que anda desordenadamente, e não segundo a tradição que de nós recebestes.
7 Porque vós mesmos sabeis como deveis imitar-nos, pois que não nos portamos desordenadamente entre vós,
8 nem comemos de graça o pão de ninguém, antes com labor e fadiga trabalhávamos noite e dia para não sermos pesados a nenhum de vós.
9 Não porque não tivéssemos direito, mas para vos dar nós mesmos exemplo, para nos imitardes.
10 Porque, quando ainda estávamos convosco, isto vos mandamos: se alguém não quer trabalhar, também não coma.
11 Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes intrometendo-se na vida alheia;
12 a esses tais, porém, ordenamos e exortamos por nosso Senhor Jesus Cristo que, trabalhando sossegadamente, comam o seu próprio pão.
13 Vós, porém, irmãos, não vos canseis de fazer o bem.
14 Mas, se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai-o e não tenhais relações com ele, para que se envergonhe;
15 todavia não o considereis como inimigo, mas admoestai-o como irmão.
16 Ora, o próprio Senhor da paz vos dê paz sempre e de toda maneira. O Senhor seja com todos vós.

Saudação

17 Esta saudação é de próprio punho, de Paulo, o que é o sinal em cada epístola; assim escrevo.
18 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós.

Referências Cruzadas

1 Ef 6:19; Cl 4:3; 1Ts 5:25
2 Rm 15:31; At 28:24; Rm 10:16
3 1Co 1:9; 1Ts 5:24; Jo 17:15; 2Pe 2:9
4 2Co 7:16; Gl 5:10
5 1Cr 29:18; 1Ts 1:3
6 2Ts 3:14; 1Co 5:11; 2Ts 3:11; 2Ts 3:12; 2Ts 2:15
7 1Co 4:16; 1Ts 2:10
8 At 18:3
9 1Co 9:6; 2Ts 3:7
10 Gn 3:19
11 2Ts 3:6; 1Ts 4:11
12 1Ts 4:11; Ef 4:28
13 Gl 6:9
14 2Ts 3:6
15 Lv 19:17; Tt 3:10
16 Rm 15:33
17 1Co 16:21
18 Rm 16:24

8 Ver Ellen G. White sobre At 18:1-3; 20:17-35.
10 A dedicação de Paulo. A afirmação “se alguém não quer trabalhar, também não coma” é aplicável não só à vida espiritual e religiosa, mas também às coisas terrenas e temporais.
Paulo não só exercitava suas habilidades físicas no trabalho comum sem nenhum sentimento de que estivesse se rebaixando ou se degradando, e sem qualquer descontentamento, mas suportava o fardo enquanto, ao mesmo tempo, exercitava a mente para avançar e progredir no conhecimento espiritual. Ele ensinava e praticava as lições que defendia. Teve repetidas visões de Deus e, pela luz que lhe fora dada, sabia que todo ser humano precisa exercitar o cérebro, os músculos e os tendões. Este fiel discípulo e apóstolo de Cristo se dedicava sem reservas ao serviço de Deus (Carta 2, 1889).
10, 14, 15 Ociosidade é pecado. O apóstolo considerava a ociosidade um pecado, e aqueles que condescendem com este mal hoje envergonham sua profissão de fé. Criticam o trabalhador fiel e trazem desonra ao evangelho de Cristo. Desviam do caminho da verdade e da justiça aqueles que viriam a crer.
Devemos ter cuidado para não nos associarmos com aqueles que, por sua conduta, colocam uma pedra de tropeço no caminho de outros. “Caso alguém não preste obediência à nossa palavra dada por esta epístola, notai-o; nem vos associeis com ele, para que fique envergonhado. Todavia, não o considereis por inimigo, mas adverti-o como irmão” [2Ts 3:14, 15]. Se ele recusar a admoestação dos servos do Senhor, e seguir sua própria vontade e juízo sob a inspiração de seu líder, Satanás, trará ruína sobre si mesmo e terá de levar seu próprio pecado.
O costume de sustentar homens e mulheres em ociosidade por meio de dádivas particulares ou dinheiro de igreja incita essas pessoas a hábitos pecaminosos. E esse procedimento deve ser conscienciosamente evitado. Homens, mulheres e crianças devem ser instruídos a realizar trabalho prático e útil. Todos deveriam aprender algum ofício. Pode ser a fabricação de tendas ou a ocupação em outros ramos de atividade; mas todos devem ser ensinados a usar os membros de seu corpo para alguma finalidade. Deus está pronto e disposto a aumentar a adaptabilidade de todos os que queiram se adestrar em hábitos diligentes.
Se um homem com boa saúde física tem propriedades e não precisa se empregar para o sustento próprio, deveria trabalhar para adquirir recursos a fim de que possa promover a causa e a obra de Deus. Não deve ser remisso no zelo, mas, fervoroso de espírito, servindo ao Senhor (Rm 12:11). Deus abençoará a todos que forem cuidadosos com sua influência sobre os outros neste sentido (Ms 93, 1899; Este Dia com Deus [MM 1980], 201).
O Exemplo de Paulo reprovou a ociosidade. Em cada época, Satanás tem procurado prejudicar os esforços dos servos de Deus pela intromissão na igreja do espírito de fanatismo. Assim foi nos dias de Paulo e assim foi também durante o tempo da Reforma. Séculos mais tarde, Wycliffe, Lutero e muitos outros que abençoaram o mundo por sua influência e fé, encontraram as astúcias pelas quais o inimigo busca levar ao fanatismo extremado mentes desequilibradas e não santificadas. Criaturas desorientadas têm ensinado que a conquista da verdadeira santidade coloca a mente acima de todos os pensamentos terrestres, e leva os homens a se absterem inteiramente do trabalho. Outros, interpretando com extremismo determinados textos das Escrituras, têm ensinado que é pecado trabalhar — que os cristãos não devem se preocupar quanto aos seus interesses temporais e de sua família, mas dedicar a vida inteiramente às coisas espirituais. Os ensinos e exemplos do apóstolo Paulo são uma reprovação a tais extremismos (AA 194.2).