Atos 10

Almeida Antiga - IBC

O centurião Cornélio
1 Um homem em Cesareia, por nome Cornélio, centurião da coorte chamada italiana,
2 piedoso e temente a Deus com toda a sua casa, e que fazia muitas esmolas ao povo e de contínuo orava a Deus,
3 cerca da hora nona do dia, viu claramente em visão um anjo de Deus, que se dirigia para ele e lhe dizia: Cornélio!
4 Este, fitando nele os olhos e atemorizado, perguntou: Que é, Senhor? O anjo respondeu-lhe: As tuas orações e as tuas esmolas têm subido para memória diante de Deus;
5 agora, pois, envia homens a Jope e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro;
6 este se acha hospedado com um certo Simão, curtidor, cuja casa fica à beira-mar. Ele te dirá o que deves fazer.
7 Logo que se retirou o anjo que lhe falava, Cornélio chamou dois dos seus domésticos e um piedoso soldado dos que estavam a seu serviço;
8 e, havendo contado tudo, os enviou a Jope.
9 No dia seguinte, indo eles seu caminho e estando já perto da cidade, subiu Pedro ao eirado para orar, cerca de hora sexta.
10 E tendo fome, quis comer; mas enquanto lhe preparavam a comida, sobreveio-lhe um êxtase,
11 e via o céu aberto e um objeto descendo, como se fosse um grande lençol, sendo baixado pelas quatro pontas sobre a terra,
12 no qual havia de todos os quadrúpedes e répteis da terra e aves do céu.
13 E uma voz lhe disse: Levanta-te, Pedro, mata e come.
14 Mas Pedro respondeu: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda.
15 Pela segunda vez lhe falou a voz: Não chames tu comum ao que Deus purificou.
16 Sucedeu isto por três vezes; e logo foi o objeto recolhido ao céu.
17 Enquanto Pedro refletia, perplexo, sobre o que seria a visão que tivera, eis que os homens enviados por Cornélio, tendo perguntado pela casa de Simão, pararam à porta.
18 E, chamando, indagavam se ali estava hospedado Simão, que tinha por sobrenome Pedro.
19 Estando Pedro ainda a meditar sobre a visão, o Espírito lhe disse: Eis que dois homens te procuram.
20 Levanta-te, pois, desce e vai com eles, nada duvidando; porque eu os enviei a ti.
21 E descendo Pedro ao encontro desses homens, disse: Sou eu a quem procurais; qual é a causa por que viestes?
22 Eles responderam: O centurião Cornélio, homem justo e temente a Deus e que tem bom testemunho de toda a nação judaica, foi avisado por um santo anjo para te chamar à sua casa e ouvir as tuas palavras.
23 Pedro, pois, convidando-os a entrar, os hospedou. No dia seguinte levantou-se e partiu com eles, e alguns irmãos, dentre os de Jope, o acompanharam.
24 No outro dia entrou em Cesareia. E Cornélio os esperava, tendo reunido os seus parentes e amigos mais íntimos.
25 Quando Pedro ia entrar, veio-lhe Cornélio ao encontro e, prostrando-se a seus pés, o adorou.
26 Mas Pedro o ergueu, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.
27 E conversando com ele, entrou e achou muitos reunidos,
28 e disse-lhes: Vós bem sabeis que não é lícito a um judeu ajuntar-se ou chegar-se a estrangeiros; mas Deus mostrou-me que a nenhum homem devo chamar comum ou imundo;
29 pelo que, sendo chamado, vim sem objeção. Pergunto pois: Por que razão mandastes chamar-me?
30 Então disse Cornélio: Quatro dias atrás, eu estava jejuando até esta hora; e orando à hora nona em minha casa, eis que diante de mim se apresentou um homem com vestiduras resplandecentes,
31 e disse: Cornélio, a tua oração foi ouvida, e as tuas esmolas estão em memória diante de Deus.
32 Envia, pois, a Jope e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro; ele está hospedado em casa de Simão, curtidor, à beira-mar.
33 Portanto mandei logo chamar-te, e bem fizeste em vir. Agora pois estamos todos aqui presentes diante de Deus, para ouvir tudo quanto te foi ordenado pelo Senhor.
34 Então Pedro, tomando a palavra, disse: Na verdade reconheço que Deus não faz acepção de pessoas;
35 mas que lhe é aceitável aquele que, em qualquer nação, o teme e pratica o que é justo.
36 A palavra que ele enviou aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo (este é o Senhor de todos) –
37 esta palavra, vós bem sabeis, foi proclamada por toda a Judeia, começando pela Galileia, depois do batismo que João pregou,
38 concernente a Jesus de Nazaré, como Deus o ungiu com o Espírito Santo e com poder; o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do Diabo, porque Deus era com ele.
39 Nós somos testemunhas de tudo quanto fez, tanto na terra dos judeus como em Jerusalém; ao qual mataram, pendurando-o num madeiro.
40 A este ressuscitou Deus ao terceiro dia e lhe concedeu que se manifestasse,
41 não a todo o povo, mas às testemunhas que foram anteriormente escolhidas por Deus, a nós, que comemos e bebemos juntamente com ele depois que ressurgiu dentre os mortos;
42 este nos mandou pregar ao povo, e testificar que ele é o que por Deus foi constituído juiz dos vivos e dos mortos.
43 A ele todos os profetas dão testemunho de que todo o que nele crê receberá a remissão dos pecados pelo seu nome.

O Espírito Santo desce sobre os gentios

44 Enquanto Pedro ainda dizia estas coisas, desceu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra.
45 Os crentes que eram de circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que também sobre os gentios se derramasse o dom do Espírito Santo;
46 porque os ouviam falar línguas e magnificar a Deus.
47 Respondeu então Pedro: Pode alguém porventura recusar a água para que não sejam batizados estes que também, como nós, receberam o Espírito Santo?
48 Mandou, pois, que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Então lhe rogaram que ficasse com eles por alguns dias.

Referências Cruzadas

2 At 10:22; At 8:2; At 22:12; At 10:35
3 At 10:30; At 11:13
6 At 9:43; At 11:14
9 At 11:5
11 At 7:56; Ap 19:11
14 Lv 11:4; Lv 20:25; Dt 14:3; Dt 14:7; Ez 4:14
15 At 10:28; Mt 15:11; Rm 14:14; Rm 14:17; Rm 14:20; 1Co 10:25; 1Tm 4:4; Tt 1:15
19 At 11:12
20 At 15:7
22 At 11:1; At 11:2; At 22:12
23 At 10:45; At 11:12
26 At 14:14; At 14:15; Ap 19:10; Ap 22:9
28 Jo 4:9; Jo 18:28; At 11:3; Gl 2:12; Gl 2:14; At 15:8; At 15:9; Ef 3:6
30 At 1:10; Mt 28:3; Mc 16:5; Lc 24:4
31 At 10:4; Dn 10:12; Hb 6:10
34 Dt 10:17; 2Cr 19:7; Jó 34:19; Rm 2:11; Gl 2:6; Ef 6:9; Cl 3:25; 1Pe 1:17
35 At 15:9; Rm 2:13; Rm 2:27; Rm 3:22; Rm 3:29; Rm 10:12; Rm 10:13; 1Co 12:13; Gl 3:28; Ef 2:13; Ef 2:18; Ef 3:6
36 Is 57:19; Ef 2:14; Ef 2:16; Ef 2:17; Cl 1:20; Mt 28:18; Rm 10:12; 1Co 15:27; Ef 1:20; Ef 1:22; 1Pe 3:22; Ap 17:14; Ap 19:16
37 Lc 4:14
38 Lc 4:18; At 2:22; At 4:27; Hb 1:9; Jo 3:2; Lc 3:21-22; Is 61:1-3
39 At 2:32; At 5:30
40 At 2:24
41 Jo 14:17; Jo 14:22; At 13:31; Lc 24:30; Lc 24:43; Jo 21:13
42 Mt 28:19; Mt 28:20; At 1:8; Jo 5:22; Jo 5:27; At 17:31; Rm 14:9; Rm 14:10; 2Co 5:10; 2Tm 4:1; 1Pe 4:5
43 Is 53:11; Jr 31:34; Dn 9:24; Mq 7:18; Zc 13:1; Ml 4:2; At 26:22; At 15:9; At 26:18; Rm 10:11; Gl 3:22
44 At 4:31; At 8:15; At 8:16; At 8:17; At 11:15
45 At 10:23; At 11:18; Gl 3:14
47 At 11:17; At 15:8; At 15:9; Rm 10:12
48 1Co 1:17; At 2:38; At 8:16

Cap. 10. Fora do comum. Permiti-me dizer-vos que o Senhor trabalhará nesta última obra de um modo muito fora da comum ordem de coisas e de um modo que será contrário a qualquer planejamento humano. Haverá entre nós os que sempre desejarão dominar a obra de Deus, para ditar até que movimentos se farão quando a obra avançar sob a direção do anjo que se une ao terceiro anjo na mensagem a ser dada ao mundo. Deus usará maneiras e meios pelos quais se verá que Ele está tomando as rédeas em Suas próprias mãos. Surpreender-se-ão os obreiros com os meios simples que Ele usará para efetuar e aperfeiçoar sua obra de justiça (TM 299).
O Céu está próximo do que procura salvar pessoas. No décimo capítulo de Atos ainda temos outro exemplo da ministração dos anjos celestes, que resultou na conversão de Cornélio e de seu grupo. Esses capítulos [8-10] devem ser lidos e receber atenção especial. Neles vemos que o Céu está mais próximo do cristão que se empenha na obra da salvação de almas do que muitos supõem. Devemos também aprender através deles a lição do interesse de Deus por todo ser humano, e que cada um deve tratar seu próximo como um dos instrumentos de Deus para a realização de Sua obra na Terra (Ms 17, 1908).
1-4 Oração e esmolas como suave incenso. É um maravilhoso privilégio para qualquer homem nesta vida o fato de ser elogiado por Deus como o foi Cornélio. E em que aspecto ocorreu esta aprovação? “As tuas orações e as tuas esmolas subiram para memória diante de Deus” (At 10:4).
Nem as orações nem os donativos para os necessitados têm em si qualquer virtude para recomendar o pecador a Deus. Somente a graça de Cristo, por meio de Seu sacrifício expiatório, pode renovar o coração e tornar nosso serviço aceitável a Deus. Essa graça havia atuado no coração de Cornélio. O Espírito de Cristo havia-lhe falado ao coração; Jesus o atraíra a Si, e ele se rendera a essa atração. Suas orações e esmolas não lhe foram exigidas ou extorquidas; não eram um preço que ele estivesse procurando pagar a fim de garantir para si o Céu; mas eram o fruto do amor e gratidão a Deus.
Uma oração assim nascida de um coração sincero ascende como incenso diante do Senhor; e ofertas para a Sua causa e donativos para os necessitados e sofredores são-Lhe um sacrifício muito agradável. Assim, é dito que as dádivas dos irmãos filipenses que cuidaram das necessidades do apóstolo Paulo enquanto ele estava preso em Roma, foram “como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus” (Fp 4:18).
A oração e os donativos estão intimamente unidos; são a expressão do amor a Deus e aos homens. São a atuação de dois grandes princípios da lei divina: “Amarás, pois, ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças”; e: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mc 12:30, 31). Assim, conquanto nossas dádivas não nos possam recomendar a Deus ou ganhar Seu favor, são uma evidência de que temos recebido a graça de Cristo. São uma prova da sinceridade do amor que professamos (MG [MM 1974], 84; RH, 09/05/1893).
1-6 Os anjos ministradores notam cada pessoa. O mesmo Santo Vigia que diz, com respeito a Abraão: “Eu o conheço” (Gn 18:19), conhecia também a Cornélio, e enviou Seu anjo com uma mensagem ao homem que recebera e aproveitara toda a luz que Deus lhe dera. Disse o anjo: “As tuas orações e as tuas esmolas têm subido para memória diante de Deus. Agora, pois, envia homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro.” Então, foram dadas as instruções específicas: “Este se acha hospedado com um certo Simão curtidor, que tem a sua casa junto do mar. Ele te dirá o que deves fazer” (At 10:4-6). Assim o anjo do Senhor operou para estabelecer ligação entre Cornélio e o instrumento humano por meio do qual poderia ele receber maiores esclarecimentos. Estudem cuidadosamente o capítulo todo e vejam a simplicidade de toda a ação. Então considerem que o Senhor conhece a cada um de nós por nome, e exatamente onde vivemos, e o espírito que possuímos, e cada ato de nossa vida. Os anjos ministradores estão percorrendo as igrejas, notando nossa fidelidade em nosso ramo individual de dever (ME2, 217).
Os que buscam fervorosamente a luz não são deixados em trevas. Aqui nos são dadas fortes evidências de que o Senhor não deixa em trevas os que seguem toda a luz que lhes foi dada, mas envia Seus anjos para se comunicarem com eles. Cornélio vivia de acordo com a instrução dada nas Escrituras do Antigo Testamento, e o Senhor enviou um mensageiro para dizer-lhe o que devia fazer.
Deus podia ter dado a Cornélio toda a instrução de que ele necessitava por intermédio do anjo, mas este não era Seu plano. Seu propósito era colocar Cornélio em conexão com os que haviam estado a receber conhecimento do alto e cujo trabalho era comunicar esse conhecimento aos que buscavam luz. É assim que Deus sempre lida com Seu povo. […]
Cornélio obedeceu à instrução dada. Uniu-se a igreja e se tornou útil e influente cooperador de Deus (DCD [MM 1980], 340; Ms 67, 1900).
Deus usa Seus instrumentos escolhidos. O anjo não deu a ele a luz que poderia ter-lhe dado, mas o orientou a seguir um procedimento mediante o qual entraria em contato com alguém que lhe podia comunicar preciosa verdade. […]
Cornélio obedeceu implicitamente às instruções, e o mesmo anjo foi a Pedro e lhe deu orientações. Este capítulo [At 10] contém muitas informações preciosas para nós, e devemos estudá-lo com humilde atenção. Quando o Senhor tem Seus instrumentos escolhidos por meio dos quais Ele ajuda as pessoas, e os homens desrespeitam esses instrumentos, recusando-se a receber sua ajuda, e decidem que serão diretamente ensinados por Deus, o Senhor não lhes atende o desejo. A pessoa que toma tal posição está em perigo de aceitar a voz de estranhos e de ser guiada por caminhos falsos. Tanto Cornélio quanto Pedro foram instruídos sobre o que deviam fazer, e obedeceram à palavra do anjo. Cornélio reuniu sua casa para ouvir a mensagem de luz dada por Pedro. Se ele tivesse dito: “Não serei ensinado por homem nenhum”, o anjo de Deus o teria deixado à própria sorte; mas esta não foi sua atitude (RH, 10/10/1893).
4 Livro memorial. No livro memorial de Deus toda ação de justiça se acha imortalizada. Ali, toda tentação resistida, todo mal vencido, toda palavra de terna compaixão que se proferir, acham-se fielmente historiados. E todo ato de sacrifício, todo sofrimento e tristeza, suportado por amor de Cristo, encontra-se registrado (GC 431).