Efésios 1

Almeida Antiga - IBC

Prefácio e saudação
1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus:
2 Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

Bênçãos de Deus em Jesus Cristo

3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo;
4 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;
5 e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,
6 para o louvor da glória da sua graça, na qual nos aceitou no amado;
7 em quem temos a redenção pelo seu sangue, o perdão dos nossos pecados, segundo as riquezas da sua graça,
8 que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência,
9 fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs
10 para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra,
11 nele, digo, no qual também fomos feitos herança, havendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade,
12 com o fim de sermos para o louvor da sua glória, nós, os que antes havíamos esperado em Cristo;
13 no qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa,
14 o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para o louvor da sua glória.
15 Por isso também eu, tendo ouvido falar da fé que entre vós há no Senhor Jesus e do vosso amor para com todos os santos,
16 não cesso de dar graças por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações,
17 para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele;
18 sendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos,
19 e qual a suprema grandeza do seu poder para conosco, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder,
20 que operou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar-se à sua direita nos céus,
21 muito acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro;
22 e sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e para ser cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja,
23 que é o seu corpo, o complemento daquele que cumpre tudo em todas as coisas.

Referências Cruzadas

1 2Co 1:1; Rm 1:7; 1Co 4:17
2 Gl 1:3
3 2Co 1:3; Ef 6:12
4 Rm 8:28; 1Pe 1:2; Lc 1:75
5 Ef 1:11; Jo 1:12; Ef 1:9; Rm 8:15
6 Rm 3:24; Mt 3:17; 2Co 5:18-20
7 At 20:28; Rm 2:4; Ef 2:1
8 Rm 5:20
9 Rm 16:25; Ef 3:11
10 Gl 4:4; 1Co 3:22; Fp 2:9; Fp 2:10
11 At 20:32; Ef 1:5; Is 46:10; Is 46:11
12 Ef 1:6; Ef 1:14; Tg 1:18
13 Jo 1:17; 2Co 1:22; Ez 20:12; Ef 4:30
14 2Co 1:22; 2Co 5:5; Lc 21:28; At 20:28; Ef 1:6; Ef 1:12
15 Cl 1:4
16 Rm 1:9
17 Jo 20:17; Cl 1:9; Cl 2:2
18 At 26:18; Ef 2:12; Ef 1:11
19 Ef 3:7
20 At 2:24; At 2:33; Sl 110:1
21 Fp 2:9; Fp 2:10; Rm 8:38
22 Sl 8:6; Hb 2:8; Ef 4:15; Ef 4:16; Hb 2:7
23 Rm 12:5; 1Co 12:12; 1Co 12:27; Ef 4:12; Ef 5:23; Ef 5:30; Cl 1:18; Cl 1:24; Cl 2:9; 1Co 12:6

Instruções preciosas para todos. Todo este primeiro capítulo de Efésios contém preciosas instruções para toda pessoa (Ms 110, 1903).
1 Ver Ellen G. White sobre Ap 2:1-5.
3-6 O evangelho é a verdadeira ciência. O verdadeiro crente pode alcançar essas alturas divinas. Todos os que quiserem podem ver o mistério da piedade. Mas é apenas por meio de uma compreensão correta da missão e da obra de Cristo que podemos alcançar a possibilidade de estarmos aperfeiçoados nEle, de sermos aceitos no Amado. Seu longo braço humano abraça toda a família humana, e Seu braço divino alcança o trono do Infinito, para que o ser humano possa ter o benefício do infinito sacrifício feito em seu favor. “Mas a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no Seu nome” (Jo 1:12).
Há muitos que são demasiado exaltados em sua opinião para receberem este mistério. Há uma ciência que o Altíssimo deseja que esses grandes homens entendam; mas eles não conseguem ver a Verdade, a Vida, a Luz do mundo. A ciência humana não é sabedoria divina. A ciência divina é a demonstração do Espírito de Deus e inspira fé incondicional nEle. Os homens do mundo supõem que esta fé não mereça ser notada por sua mente grandiosa e inteligente, e que é algo demasiado baixo para que lhe devotem atenção; mas estão cometendo um grande erro. Ela é demasiado alta para que a inteligência humana a alcance.
A mensagem evangélica está longe de se opor ao verdadeiro conhecimento e às realizações intelectuais. Em si, é verdadeira ciência, real conhecimento intelectual. A verdadeira sabedoria está infinitamente acima da compreensão dos sábios segundo o mundo. A sabedoria oculta, que é Cristo formado em nós, a esperança da glória, é sabedoria tão alta como o Céu. Os profundos princípios da piedade são sublimes e eternos. A experiência cristã, unicamente, nos pode ajudar a compreender esse problema, e a obter os tesouros de conhecimento que foram ocultos nos conselhos de Deus, mas que são revelados a todos os que têm ligação vital com Cristo. Todos os que quiserem podem conhecer a respeito da doutrina (NAV [MM 1962], 362; RH, 18/07/1899).
4 Ver Ellen G. White sobre 2Pe 1:10.
4, 5, 11 A predestinação de Deus. O Pai dedica Seu amor ao povo eleito que vive entre os homens. Esses são o povo a quem Cristo redimiu com o preço do próprio sangue; e como eles correspondem à atração de Cristo, mediante a soberana misericórdia de Deus, são eleitos para ser salvos como Seus filhos obedientes. Manifesta-se neles a abundante graça de Deus, o amor com que os amou. Todo aquele que se humilhar como uma criancinha, que receber a Palavra de Deus e a ela obedecer com a simplicidade de uma criança, se achará entre os eleitos de Deus (NAV [MM 1962], 75).
Nos concílios do Céu, foi feita provisão para que os homens, embora transgressores, não perecessem em sua desobediência, mas, pela fé em Cristo como seu Substituto e Fiador, pudessem se tornar eleitos de Deus, predestinados para Ele, “para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de Sua vontade” (Ef 1:5). Deus deseja que todos se salvem; para isso foi feita ampla provisão ao dar Seu Filho unigênito para pagar o resgate do homem. Os que se perderem perecerão porque se recusaram a ser adotados como filhos de Deus mediante Cristo Jesus (FV [MM 1959], 157; ST, 02/01/1893).
A aliança eterna dada a Abraão. Antes de os fundamentos da Terra serem lançados, foi feita a aliança de que todos os que fossem obedientes, todos os que, por meio da graça abundante provida, se tornassem santos no caráter e sem culpa diante de Deus, apropriando-se dessa graça, seriam filhos de Deus. Essa aliança, feita, desde a eternidade, foi dada a Abraão centenas de anos antes da vinda de Cristo. Com que interesse e com que ardor Cristo, na humanidade, estudava os seres humanos para ver se eles se apoderariam da provisão oferecida! (FEC, 403)
Não há eleição incondicional. Aqui está a condição da única eleição salvífica que há na Palavra de Deus. Devemos nos tornar coparticipantes da natureza divina, livrando-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Devemos acrescentar graça a graça, e a promessa é: “Procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum. Pois é dessa maneira que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2Pe 1:10, 11; Ms 57, 1900).
Na Palavra de Deus não há tal coisa como eleição incondicional — uma vez na graça, sempre na graça. No segundo capítulo da segunda epístola de Pedro, o assunto é tor-nado claro e distinto. Depois da referência a alguns que seguiram um caminho mau, é dada a seguinte explicação: “abandonando o reto caminho, […] seguindo pelo caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça. […] Portanto, se, depois de terem escapado das contaminações do mundo mediante o conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, se deixam enredar de novo e são vencidos, tornou-se o seu último estado pior que o primeiro” (2Pe 2:15-20). Esta é uma classe de pessoas sobre a qual nos adverte o apóstolo: “Pois melhor lhes fora nunca tivessem conhecido o caminho da justiça do que, após conhecê-lo, volverem para trás, apartando-se do santo mandamento que lhes fora dado” (2Pe 2:21).
Há verdades que devem ser recebidas se as pessoas querem se salvar. A guarda dos mandamentos de Deus é a vida eterna para quem os aceita. As Escrituras, porém, tornam claro que os que já conheceram o caminho da vida e se regozijaram na verdade estão em perigo de cair na apostasia e se perderem. Há, portanto, necessidade de uma conversão decidida e diária a Deus.
Aqueles que mantêm a doutrina da eleição, uma vez salvo, salvo para sempre, estão contra o claro “Assim diz o Senhor” (FV [MM 1959], 157).
Os que se converteram verdadeiramente foram sepultados com Cristo na semelhança de Sua morte e ressuscitaram de sua sepultura aquática na semelhança de Sua ressurreição, para andarem em novidade de vida. Pela obediência fiel à verdade devem confirmar sua vocação e eleição (Ms 57, 1900).

“Não há eleição senão a própria, pela qual alguém possa perecer” (PP 143.1)
6 Exaltando o caráter de Cristo. Os homens mais talentosos da Terra poderiam todos encontrar abundante aplicação, de agora em diante até o juízo, para todas as suas faculdades dadas por Deus, exaltando o caráter de Cristo. Mas ainda seriam incapazes de apresentá-Lo assim como é. Os mistérios da redenção, que abrangem o caráter divino-humano de Cristo, Sua encarnação, Sua expiação pelo pecado, poderiam ocupar as penas e as mais elevadas faculdades mentais dos homens mais sábios, desde agora até que Cristo Se revele nas nuvens do céu com poder e grande glória. No entanto, se esses homens procurassem com todas as suas forças fazer uma representação de Cristo e de Sua obra, essa representação ficaria muito aquém da realidade […]
O assunto da redenção ocupará a mente e a língua dos remidos pelos séculos eternos. O reflexo da glória de Deus resplandecerá para todo o sempre da face do Salvador (Ex [MM 1992], 77).
7 Ver Ellen G. White sobre Ef 4:7; Rm 7:12.
13 Ver Ellen G. White sobre Ez 9:2-4.
15, 16 Ver Ellen G. White sobre Ap 2:1-5.
17, 18 Ver Ellen G. White sobre 1Co 2:9.
18 Ver Ellen G. White sobre Zc 9:16.
20, 21 Aceitos no Amado. O Pai concedeu toda a honra a Seu Filho, sentando-O à Sua destra, muito acima de todos os principados e potestades. Expressou Seu grande júbilo e deleite ao receber o Crucificado e coroá-Lo com glória e honra. E todos os favores que concedeu a Seu Filho ao aceitar a grande expiação, são concedidos a Seu povo. Aqueles que uniram seus interesses em amor com Cristo são aceitos no Amado. Sofreram com Cristo em Sua mais profunda humilhação, e Sua glorificação lhes é de grande interesse, porque são aceitos nEle. Deus os ama assim como ama a Seu Filho. Cristo, Emanuel, coloca-Se entre Deus e o crente, revelando a glória de Deus a Seus escolhidos, e cobrindo seus defeitos e transgressões com as vestes de Sua própria imaculada justiça (CT [MM 2002], 293).