Ezequiel 33

Almeida Antiga - IBC

O dever do atalaia
1 Ainda veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
2 Filho do homem, fala aos filhos do teu povo, e dize-lhes: Quando eu fizer vir a espada sobre a terra, e o povo da terra tomar um dos seus, e o constituir por seu atalaia;
3 se, quando ele vir que a espada vem sobre a terra, tocar a trombeta e avisar o povo;
4 então todo aquele que ouvir o som da trombeta, e não se der por avisado, e vier a espada, e o levar, o seu sangue será sobre a sua cabeça.
5 Ele ouviu o som da trombeta, e não se deu por avisado; o seu sangue será sobre ele. Se, porém, se desse por avisado, salvaria a sua vida.
6 Mas se, quando o atalaia vir que vem a espada, não tocar a trombeta, e não for avisado o povo, e vier a espada e levar alguma pessoa dentre eles, este tal foi levado na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o requererei da mão do atalaia.
7 Quanto a ti, pois, ó filho do homem, eu te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; portanto ouvirás da minha boca a palavra, e da minha parte lhes advertirás.
8 Quando eu disser ao ímpio: O ímpio, certamente morrerás; se tu não falares para advertir o ímpio do seu caminho, morrerá esse ímpio na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o requererei da tua mão.
9 Todavia se advertires o ímpio do seu caminho, para que ele se converta dele, se ele não se converter do seu caminho, morrerá ele na sua iniquidade; tu, porém, livraste a tua alma.
10 Tu, pois, filho do homem, dize à casa de Israel: Assim falais vós, dizendo: Visto que as nossas transgressões e os nossos pecados estão sobre nós, e nós definhamos neles, como viveremos então?
11 Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel?
12 Portanto tu, filho do homem, dize aos filhos do teu povo: A justiça do justo não o livrará no dia da sua transgressão; e, quanto à impiedade do ímpio, por ela não cairá ele no dia em que se converter da sua impiedade; nem o justo pela justiça poderá viver no dia em que pecar.
13 Quando eu disser ao justo que certamente viverá, e ele, confiando na sua justiça, praticar iniquidade, nenhuma das suas obras de justiça será lembrada; mas na sua iniquidade, que praticou, nessa morrerá.
14 Demais, quando eu também disser ao ímpio: Certamente morrerás; se ele se converter do seu pecado, e praticar a retidão
15 se esse ímpio, restituir o penhor, devolver o que ele tinha furtado, e andar nos estatutos da vida, não praticando a iniquidade, certamente viverá, não morrerá.
16 Nenhum de todos os seus pecados que cometeu será lembrado contra ele; praticou a retidão e a justiça, certamente viverá.
17 Todavia, os filhos do teu povo dizem: Não é reto o caminho do Senhor; mas o próprio caminho deles é que não é reto.
18 Quando o justo se apartar da sua justiça, praticando a iniquidade, morrerá nela;
19 e, quando o ímpio se converter da sua impiedade, e praticar a retidão e a justiça, por estas viverá.
20 Todavia, vós dizeis: Não é reto o caminho do Senhor. Julgar-vos-ei a cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel.

O castigo de Israel por causa da sua presunção

21 No ano duodécimo do nosso cativeiro, no décimo mês, aos cinco dias do mês, veio a mim um que tinha escapado de Jerusalém, dizendo: Caída está a cidade.
22 Ora a mão do Senhor estivera sobre mim pela tarde, antes que viesse o que tinha escapado; e ele abrira a minha boca antes que esse homem viesse ter comigo pela manhã; assim se abriu a minha boca, e não fiquei mais em silêncio.
23 Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
24 Filho do homem, os moradores destes lugares desertos da terra de Israel costumam dizer: Abraão era um só, contudo possuiu a terra; mas nós somos muitos; certamente nos é dada a terra por herança.
25 Dize-lhes portanto: Assim diz o Senhor Deus: Comeis a carne com o seu sangue, e levantais vossos olhos para os vossos ídolos, e derramais sangue! Porventura haveis de possuir a terra?
26 Vós vos estribais sobre a vossa espada; cometeis abominações, e cada um contamina a mulher do seu próximo! E haveis de possuir a terra?
27 Assim lhes dirás: Assim disse o Senhor Deus: Vivo eu, que os que estiverem em lugares desertos cairão à espada, e o que estiver no campo aberto eu o entregarei às feras para ser devorado, e os que estiverem em lugares fortes e em cavernas morrerão de peste.
28 E tornarei a terra em desolação e espanto, e cessará a soberba do seu poder; e os montes de Israel ficarão tão desolados que ninguém passará por eles.
29 Então saberão que eu sou o Senhor, quando eu tornar a terra em desolação e espanto, por causa de todas as abominações que cometeram.
30 Quanto a ti, ó filho do homem, os filhos do teu povo falam de ti junto às paredes e nas portas das casas; e fala um com o outro, cada qual a seu irmão, dizendo: Vinde, peço-vos, e ouvi qual seja a palavra que procede do Senhor.
31 E eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois com a sua boca professam muito amor, mas o seu coração vai após o lucro.
32 E eis que tu és para eles como uma canção de amores, canção de quem tem voz suave, e que bem tange; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra.
33 Quando suceder isso (e há de suceder), saberão que houve no meio deles um profeta.

Referências Cruzadas

2 Ez 3:11; Ez 14:17; Ez 33:7; 2Sm 18:24; 2Sm 18:25; 2Rs 9:17; Os 9:8; Jr 6:17
4 Ez 18:13
6 Ez 33:8
7 Ez 3:17
10 Ez 24:23; Is 49:14; Ez 37:11
11 2Sm 14:14; Ez 18:23; Ez 18:32; 2Pe 3:9; Ez 18:31
12 Ez 3:20; Ez 18:24; Ez 18:26; Ez 18:27; 2Cr 7:14
13 Ez 3:20; Ez 18:24
14 Ez 3:18; Ez 3:19; Ez 18:27
15 Ez 18:7; Ex 22:1; Ex 22:4; Lv 6:2; Lv 6:4; Lv 6:5; Nm 5:6; Nm 5:7; Lc 19:8; Lv 18:5; Ez 20:11; Ez 20:13; Ez 20:21
16 Ez 18:22
17 Ez 33:20; Ez 18:25; Ez 18:29
18 Ez 18:26; Ez 18:27
20 Ez 33:17; Ez 18:25; Ez 18:29
21 Ez 1:2; Ez 24:26; 2Rs 25:4
22 Ez 1:3; Ez 24:27
24 Ez 34:2; Ez 33:27; Ez 36:4; Is 51:2; At 7:5; Mq 3:11; Mt 3:9; Jo 8:39
25 Gn 9:4; Lv 3:17; Lv 7:26; Lv 17:10; Lv 19:26; Dt 12:16; Ez 18:6; Ez 22:6; Ez 22:9
26 Ez 18:6; Ez 22:1
27 Ez 33:24; Ez 39:4; Jz 6:2; 1Sm 13:6
28 Jr 44:2; Jr 44:6; Jr 44:22; Ez 36:34; Ez 36:35; Ez 7:24; Ez 24:21; Ez 30:6; Ez 30:7; Ez 6:2; Ez 6:3; Ez 6:6
30 Is 29:13
31 Ez 14:1; Ez 20:1; Ez 8:1; Sl 78:36; Sl 78:37; Is 29:13; Mt 13:22
33 1Sm 3:20; Ez 2:5

Responsabilidade pessoal. O cap. 33 de Ezequiel mostra que o governo de Deus é um governo de responsabilidade pessoal. Cada um precisa responder por si mesmo. Ninguém pode obedecer por outro. Ninguém é desculpado por negligenciar seu dever devido ao fato de que outro fez o mesmo (Carta 162, 1900).
Voz de advertência necessária. O cap. 33 de Ezequiel é um esboço da obra que Deus aprova. Aqueles que estão em posições de sagrada confiança, os que foram honrados por Deus por terem sido nomeados para servir de atalaias sobre os muros de Sião, devem, em todos os aspectos, ser tudo o que é abrangido pela palavra “atalaias”. Devem estar sempre em guarda contra os perigos que ameaçam a vida, a saúde e a prosperidade espiritual da herança de Deus.
Sobre nós, como ministros, Deus colocou um fardo de solene responsabilidade. […] Deus nos declarou: “Vós sois o sal da Terra” [Mt 5:13]. A influência preservadora que podemos exercer no mundo nos é conferida pelo Senhor. As mercês que constantemente recebemos dEle devem fluir através de nossas mãos e de nosso coração para aqueles que estão ao nosso redor e que ainda não se acham ligados à Fonte suprema.
Quando vemos Deus ser desonrado, não devemos permanecer em silêncio, mas devemos fazer e dizer tudo o que pudermos para levar outros a verem que não se deve pensar no Deus do Céu como um ser comum, mas como aquele que é infinito, aquele que é digno da mais alta reverência do ser humano. Apresentemos a Palavra de Deus em sua pureza e elevemos a voz em advertência contra tudo o que desonraria nosso Pai celestial (Ms 165, 1902).
1-7 Hesitação e incerteza da sentinela. Quando o vigia, vendo vir a espada, dá à trombeta um sonido certo, o povo engajado ecoa a advertência, e todos terão oportunidade de preparar-se para o conflito. Mas demasiadas vezes o líder fica hesitando, como que dizendo: “Não nos apressemos demais. Pode haver engano. Devemos ter cuidado para não levantar alarme falso.” A própria hesitação e incerteza de sua parte como que estão a dizer: “‘Paz e segurança!’ Sem muita exaltação! Nada de alarme! Tem-se falado mais dessa questão da emenda religiosa do que ela merece. Essa agitação toda passará.” Assim ele virtualmente nega a mensagem enviada de Deus, e a advertência que se destinava a despertar as igrejas deixa de realizar sua obra. A trombeta do vigia não dá sonido certo, e o povo não se prepara para a batalha. Que os vigias não deixem acontecer que, por sua hesitação e demora, pessoas sejam deixadas a perecer, e seu sangue seja requerido de sua mão (T5 715).
Cada cristão um atalaia. Tanto quanto as oportunidades o permitam, cada um que haja recebido a luz da verdade se encontra sob a mesma responsabilidade solene e terrível em que esteve o profeta de Israel, a quem viera a palavra do Senhor, dizendo: [v. 7-9] (GC 459.3).