Ezequiel 9

Almeida Antiga - IBC

O selamento dos justos
1 Ele também gritou aos ouvidos com grande voz, dizendo: Fazei os intendentes da cidade chegar perto, cada homem com as sua arma destruidora em sua mão.
2 E eis que vinham seis homens do caminho da porta superior, que dá para o norte, e cada homem com a sua arma de matança na mão; e entre eles um homem vestido de linho, com um tinteiro-chifre de escrivão à sua cintura. E entraram, e ficaram de pé ao lado do altar de bronze.
3 E a glória do Deus de Israel se levantou do querubim sobre o qual ele estava, à entrada da casa. E clamou ao homem vestido de linho, que trazia o tinteiro-chifre de escrivão no seu lado.
4 E disse-lhe o Senhor: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e coloque uma marca sobre as testas dos homens que suspiram e que gemem por todas as abominações que se cometem no meio dela.
5 E aos outros disse ele, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele, e feri; não poupe o vosso olho, nem vos compadeçais.
6 Matai cabalmente velhos e jovens, tanto e virgens como criancinhas e mulheres; mas não vos chegueis a qualquer homem sobre quem estiver o sinal; e começai pelo meu santuário. Então começaram pelos homens anciãos que estavam diante da casa.
7 E disse-lhes: Profanai a casa, e enchei os átrios de mortos; saí. E saíram, e feriram na cidade.
8 Sucedeu pois que, enquanto eles os estavam ferindo, e ficando eu sozinho, caí sobre meu rosto, e clamei, e disse: Ah Senhor Deus! Destruirás todo o restante de Israel, derramando a tua fúria sobre Jerusalém?
9 Então me disse: A culpa da casa de Israel e de Judá é excessivamente grande, e a terra está cheia de sangue, e a cidade cheia de perversidade; pois eles dizem: O Senhor abandonou a terra; o Senhor não vê.
10 Também, quanto a mim, meu olho não poupará, nem terei compaixão; mas eu farei recair o seu caminho sobre suas cabeças.
11 E eis que o homem que estava vestido de linho, a cujo lado estava o tinteiro-chifre, relatou o assunto, dizendo: Fiz como me ordenaste.

Referências Cruzadas

2 Lv 16:4; Ez 10:2; Ez 10:6; Ez 10:7; Ap 15:6
3 Ez 3:23; Ez 8:4; Ez 10:4; Ez 10:18; Ez 11:22; Ez 11:23
4 Ex 12:7; Ap 7:3; Ap 9:4; Ap 13:17; Sl 119:53; Sl 119:136; Jr 13:17; 2Co 12:21; 2Pe 2:8; Ez 20:12,20; Dt 9
5 Ez 9:10; Ez 5:11
6 2Cr 36:17; Ap 9:4; Jr 25:29; 1Pe 4:17; Ez 8:11; Ez 8:12; Ez 8:16; Ez 7:2; Sf 2:3; Ex 12:13
8 Nm 14:5; Nm 16:4; Nm 16:22; Nm 16:45; Js 7:6; Ez 11:13
9 2Rs 21:16; Ez 8:17; Ez 8:12; Sl 10:11; Is 29:15
10 Ez 5:11; Ez 7:4; Ez 8:18; Ez 11:21

A crise da igreja. Na ocasião em que maiores são o perigo e a crise da igreja, a pequena hoste que permanece na luz estará suspirando e clamando por causa das abominações cometidas na Terra. Mais especialmente, porém, suas orações subirão em favor da igreja, porque seus membros estão agindo segundo a maneira do mundo.
As fervorosas orações destes poucos fiéis, não serão debalde. Quando vier o Senhor para exercer vingança, virá também como protetor de todos os que conservaram pureza de fé, e se guardaram incontaminados do mundo. É nesta ocasião que Deus prometeu vingar Seus escolhidos, que a Ele clamam de dia e de noite.
A ordem é: “Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal as testas dos homens que suspiram e que gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela.” Ezequiel 9:4. Esses que suspiram e gemem haviam estado a pregar as palavras da vida; haviam reprovado, aconselhado e suplicado. Alguns dos que estavam desonrando a Deus, arrependeram-se e humilharam o coração diante dEle. Mas a glória do Senhor apartara-se de Israel; se bem que muitos ainda continuassem as formas da religião, faltava Seu poder e Sua presença.
Ao tempo em que Sua ira se manifestar em juízos, esses humildes e devotados seguidores de Cristo se distinguirão do resto do mundo pela angústia de sua alma, a qual se exprime em lamentos e pranto, reprovações e advertências. Ao passo que outros procuram lançar uma capa sobre o mal existente, e desculpam a grande impiedade reinante em toda parte, os que têm zelo pela honra de Deus e amor pelas almas, não se calarão a fim de granjear o favor de ninguém. Sua alma justa aflige-se dia a dia pelas obras e costumes profanos dos ímpios. São impotentes para deter a impetuosa torrente da iniquidade, e assim se enchem de dor e sobressalto. Lamentam diante de Deus o verem a religião desprezada nos próprios lares daqueles que receberam grande luz. Lamentam-se e afligem sua alma porque se encontram na igreja orgulho, avareza, egoísmo e engano quase de toda espécie. O Espírito de Deus, que impulsiona a aceitar a reprovação, é espezinhado, ao passo que os servos de Satanás triunfam. Deus é desonrado, a verdade tornada de nenhum efeito.
A classe que não se entristece por seu próprio declínio espiritual, nem chora sobre os pecados dos outros, será deixada sem o selo de Deus. O Senhor comissiona Seus mensageiros, os homens que têm armas destruidoras nas mãos: “Passai pela cidade após ele, e feri: não poupe o vosso olho, nem vos compadeçais. Matai velhos, mancebos, e virgens, e meninos e mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo Meu santuário. E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa.”
Vemos aí que a igreja — o santuário do Senhor — foi a primeira a sentir o golpe da ira de Deus. Os anciãos, aqueles a quem Deus dera grande luz, e que haviam ocupado o lugar de depositários dos interesses espirituais do povo, haviam traído o seu depósito. Colocaram-se no ponto de vista de que não precisamos esperar milagres e as assinaladas manifestações do poder de Deus, como nos dias da antiguidade. Os tempos mudaram. Estas palavras fortaleceram-lhes a incredulidade, e dizem: O Senhor não fará bem nem mal. É demasiado misericordioso para visitar Seu povo em juízos. Assim, paz e segurança é o grito de homens que nunca mais erguerão a voz como trombeta para mostrar ao povo de Deus suas transgressões, e à casa de Jacó os seus pecados. Esses cães mudos, que não querem ladrar, são aqueles que sentirão a justa vingança de um Deus ofendido. Homens, virgens e crianças, todos perecerão juntos (TS2 64-65).

2-4 Um sinal que os anjos veem. O que é o selo do Deus vivo, que é colocado na fronte de Seu povo? É um sinal que os anjos, mas não os olhos humanos, podem ler; pois o anjo destruidor precisa ver este sinal de redenção (Mar [MM 1977], 241).
O anjo com estojo de escrever deve colocar um sinal sobre a testa de todos os que estão separados do pecado e dos pecadores, e o anjo destruidor vem após esse anjo (Carta 12, 1886).
O selo é a consolidação na verdade. Tão logo o povo de Deus seja selado na fronte – não é algum selo ou sinal que possa ser visto, mas a consolidação na verdade, tanto intelectual como espiritualmente, de modo que não possa ser abalado – tão logo o povo de Deus esteja selado e preparado para a sacudidura, ela virá. Na verdade, ela já começou; os juízos de Deus estão agora sobre a Terra, para advertir-nos, a fim de que saibamos o que virá (Mar [MM 1977], 198).
6 Homens armados vêm assim que último santo estiver selado. Não vês aqueles homens? – 1, 2, 3, 4, 5 (apontando para anjos que estavam esperando para escrever em seus rolos os nomes daqueles estabelecidos, e daqueles separados de nós). Não vês aqueles homens sanguinários com suas armas vindo assim que o último nome estiver inscrito? Não vês a peste que assola ao meio-dia? (Ms 5, 1849).