Escolha uma Página

Filemom 1

Almeida Antiga - IBC

Prefácio e saudação
1 Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, nosso companheiro de trabalho,
2 e à nossa irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa:
3 Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.
4 Sempre dou graças ao meu Deus, lembrando-me de ti nas minhas orações,
5 ao ouvir falar do amor e da fé que tens para com o Senhor Jesus e para com todos os santos;
6 para que a comunicação da tua fé se torne eficaz, no pleno conhecimento de todo o bem que em nós há para com Cristo.
7 Pois tive grande gozo e consolação no teu amor, porque por ti, irmão, os corações dos santos têm sido reanimados.
8 Pelo que, embora tenha em Cristo plena liberdade para te mandar o que convém,
9 todavia prefiro rogar-te por esse teu amor, sendo eu como sou, Paulo o velho, e agora até prisioneiro de Cristo Jesus,

Intercessão de Paulo em favor de Onésimo

10 sim, rogo-te por meu filho Onésimo, que gerei nas minhas prisões;
11 o qual outrora te foi inútil, mas agora a ti e a mim é muito útil;
12 eu to torno a enviar, a ele que é o meu próprio coração.
13 Eu bem quisera retê-lo comigo, para que em teu lugar me servisse nas prisões do evangelho;
14 mas sem o teu consentimento nada quis fazer, para que o teu benefício não fosse como por força, mas, sim, espontâneo.
15 Porque bem pode ser que ele se tenha separado de ti por algum tempo, para que o recobrasses para sempre,
16 não já como escravo, antes mais do que escravo, como irmão amado, particularmente de mim, e quanto mais de ti, tanto na carne como também no Senhor.
17 Assim pois, se me tens por companheiro, recebe-o como a mim mesmo.
18 E, se te fez algum dano, ou te deve alguma coisa, lança-o em minha conta.
19 Eu, Paulo, de meu próprio punho o escrevo: Eu o pagarei; pois, não te digo como também tu me deves até a ti mesmo.
20 Sim, irmão, eu quisera regozijar-me de ti no Senhor; reanima o meu coração em Cristo.
21 Escrevo-te confiado na tua obediência, sabendo que farás ainda mais do que peço.

Comunicação pessoal

22 E ao mesmo tempo, prepara-me também pousada, pois espero que pelas vossas orações hei de ser concedido.
23 Saúda-te Epafras, meu companheiro de prisão em Cristo Jesus,
24 assim como Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores.
25 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito.

Referências Cruzadas

1 Fm 1:9; Fp 2:25
2 Cl 4:17; Fp 2:25; Rm 16:5; 1Co 16:19
3 Ef 1:2
4 Ef 1:16; 1Ts 1:2; 2Ts 1:3
5 Ef 1:15; Cl 1:4
6 Fp 1:9; Fp 1:11
7 Fm 1:20; 2Co 7:13; 2Tm 1:16
8 1Ts 2:6
9 Fm 1:1
10 Cl 4:9; 1Co 4:15; Gl 4:19
13 1Co 16:17; Fp 2:30
14 2Co 9:7
15 Gn 45:5; Gn 45:8
16 Mt 23:8; Cl 3:22
17 2Co 8:23
18 1Co 11:1; Is 53:5
20 Fm 1:7
21 2Co 7:16
22 Fp 1:25; Fp 2:24; 2Co 1:11
23 Cl 1:7; Cl 4:12
24 At 12:12; At 12:25; At 19:29; At 27:2; Cl 4:10; Cl 4:14; 2Tm 4:11
25 2Tm 4:22

Aspirante a missionário. Onésimo tornou-se caro a Paulo por sua piedade e sinceridade, não menos que por seu terno cuidado com o conforto do apóstolo, e seu zelo em promover a obra do evangelho. Paulo viu nele traços de caráter que poderiam torná-lo um útil auxiliar no trabalho missionário, e aconselhou-o a retornar sem demora a Filemom, suplicar-lhe perdão, e fazer planos para o futuro. O apóstolo prometeu responsabilizar-se pela soma que de Filemom havia sido roubada. Estando pronto para enviar Tito com cartas para várias igrejas na Ásia menor, enviou com ele Onésimo. Era uma severa prova essa para o servo, apresentar-se ao senhor a quem havia lesado, mas havia sido convertido de verdade, e não se furtou a esse dever (AA 256.1).
18 Assumir responsabilidade pessoal. Há, em nossa obra para Deus, risco de confiar demasiado no que pode fazer o homem, com seus talentos e capacidade. Perdemos assim de vista o Obreiro-Mestre. Muito frequentemente o obreiro de Cristo deixa de compreender sua responsabilidade pessoal. Acha-se em perigo de eximir-se a seus encargos, fazendo-os recair sobre organizações, em lugar de apoiar-se nAquele que é a fonte de toda a força. Grande erro é confiar em sabedoria humana, ou em números, na obra de Deus. O trabalho bem-sucedido para Cristo, não depende tanto de números ou de talentos, como da pureza de desígnio, da genuína simplicidade, da fervorosa e confiante fé. Devem-se assumir as responsabilidades pessoais, empreender os deveres pessoais e fazer esforços pessoais em favor dos que não conhecem a Cristo. Em lugar de transferir vossa responsabilidade para alguém que julgais mais bem-dotado que vós, trabalhai segundo vossas aptidões (DTN 258.5).