Gênesis

Almeida Antiga - IBC

José na casa de Potifar
1 José foi levado ao Egito; e Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda, egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o haviam levado para lá.
2 Mas o Senhor era com José, e ele tornou-se próspero; e estava na casa do seu senhor, o egípcio.
3 E viu o seu senhor que Deus era com ele, e que fazia prosperar em sua mão tudo quanto ele empreendia.
4 Assim José achou graça aos olhos dele, e o servia; de modo que o fez mordomo da sua casa, e entregou na sua mão tudo o que tinha.
5 Desde que o pôs como mordomo sobre a sua casa e sobre todos os seus bens, o Senhor abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do Senhor estava sobre tudo o que tinha, tanto na casa como no campo.
6 Potifar deixou tudo na mão de José, de maneira que nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. Ora, José era formoso de porte e de semblante.
7 E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os olhos em José, e lhe disse: Deita-te comigo.
8 Mas ele recusou, e disse à mulher do seu senhor: Tem-me por mordomo o meu senhor e não sabe do que há em casa, pois tudo o que tem me passou ele às minhas mãos;
9 ele não é maior do que eu nesta casa; e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher. Como, pois, posso eu cometer este grande mal, e pecar contra Deus?
10 Entretanto, ela instava com José dia após dia; ele, porém, não lhe dava ouvidos, para se deitar com ela, ou estar com ela.
11 Mas sucedeu, certo dia, que entrou na casa para fazer o seu serviço; e nenhum dos homens da casa estava lá dentro.
12 Então ela, pegando-o pela capa, lhe disse: Deita-te comigo! Mas ele, deixando a capa na mão dela, fugiu, escapando para fora.
13 Quando ela viu que ele deixara a capa na mão dela e fugira para fora,
14 chamou pelos homens de sua casa, e disse-lhes: Vede! Meu marido trouxe-nos um hebreu para nos insultar; veio a mim para se deitar comigo, e eu gritei em alta voz;
15 e ouvindo ele que eu levantava a voz e gritava, deixou aqui a sua capa e fugiu, escapando para fora.
16 Ela guardou a capa consigo, até que o senhor dele voltou a casa.
17 Então falou-lhe conforme as mesmas palavras, dizendo: O servo hebreu, que nos trouxeste, veio a mim para me insultar;
18 mas, levantando eu a voz e gritando, ele deixou comigo a capa e fugiu para fora.
19 Tendo o seu senhor ouvido as palavras de sua mulher, que lhe falava, dizendo: Desta maneira me fez teu servo, a sua ira se acendeu.
20 Então o senhor de José o tomou, e o lançou no cárcere, no lugar em que os presos do rei estavam encarcerados; e ele ficou ali no cárcere.
21 O Senhor, porém, era com José, estendendo sobre ele a sua benignidade e dando-lhe graça aos olhos do carcereiro,
22 o qual entregou na mão de José todos os presos que estavam no cárcere; e era José quem ordenava tudo o que se fazia ali.
23 E o carcereiro não tinha cuidado de coisa alguma que estava na mão de José, porquanto o Senhor era com ele, fazendo prosperar tudo quanto ele empreendia.

Referências Cruzadas

1 Gn 37:36; Sl 105:17; Gn 37:28; Mt 2:15
2 Gn 39:21; Gn 21:22; Gn 26:24; Gn 26:28; Gn 28:15; 1Sm 16:18; 1Sm 18:14; 1Sm 18:28; At 7:9
3 Sl 1:3
4 Gn 39:21; Gn 18:3; Gn 19:19; Gn 24:2; Lc 22:26
5 Gn 30:27; At 7:9
6 1Sm 16:12
7 2Sm 13:11
9 Pv 6:29; Pv 6:32; Gn 20:6; Lv 6:2; 2Sm 12:13; Sl 51:4
10 Jz 16:16-17
12 Pv 7:13; Jó 1:8
17 Ex 23:1; Sl 120:3; Lc 23:2
19 Pv 6:34; Pv 6:35
20 Sl 105:18; 1Pe 2:19; Gn 40:3; Gn 40:15; Gn 41:14
21 Ex 3:21; Ex 11:3; Ex 12:36; Sl 106:46; Pv 16:7; Dn 1:9; At 7:9; At 7:10
22 Gn 40:3; Gn 40:4
23 Gn 39:2; Gn 39:3

1 Dez anos. Chegando ao Egito, José foi vendido a Potifar, capitão da guarda do rei, a cujo serviço ficou durante dez anos (PP 148.1).
9 Primeiras impressões protegeram o coração. As primeiras impressões feitas sobre sua [de José] mente protegeram-lhe o coração na hora da feroz tentação, e o levaram a exclamar: ” Como, pois, posso eu cometer este grande mal, e pecar contra Deus?” [Gn 39:9] A infância é a época em que as impressões mais duradouras podem ser feitas. […]
As sementes semeadas na infância pela mãe cuidadosa e temente a Deus se tornarão árvores de justiça, que florescerão e darão frutos; e as lições dadas, por preceito e exemplo, por um pai temente a Deus, irão, como no caso de José, produzir no futuro uma abundante colheita (RH, jan. 1880).
Todo o futuro dependia da decisão de um momento. Poucas tentações são tão perigosas e fatais para os jovens como a que apela à sensualidade, e nenhuma em que se caia se demonstrará tão claramente destrutiva para a alma e para o corpo, no presente e na eternidade. O bem-estar de todo o futuro de José dependia da decisão de um momento. Calmamente José dirige seus olhos ao Céu e clama por ajuda, livra-se de sua capa exterior, deixando-a nas mãos de sua tentadora. E, enquanto seus olhos brilhavam com determinação resoluta, em lugar de uma paixão não santificada, ele exclamou: “Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” A vitória está ganha, ele escapa da sedutora; está salvo (CJN, 69).
9-19 A Providência reverterá os artifícios do inimigo. Em meio às armadilhas a que estão expostos, todos necessitam de defesas fortes e dignas de confiança em que descansar. Muitos neste século corrupto têm tão pouco suprimento da graça de Deus que, em muitos casos, sua defesa é derrubada ao primeiro assalto, e ferozes tentações nos tornam cativos. O escudo da graça pode preservar a todos de serem vencidos pelas tentações do inimigo, embora estejam rodeados das mais corruptoras influências. Mediante firme princípio e inamovível confiança em Deus, sua virtude e sua nobreza de caráter podem brilhar, e, embora rodeados pelo mal, não é preciso que nenhuma mácula seja deixada sobre sua virtude e integridade. E se, como José, sofrerem calúnias e falsas acusações, a Providência reverterá todos os artifícios do inimigo para o bem, e Deus, a Seu próprio tempo, os exaltará tanto mais alto quanto eles foram rebaixados pela vingança dos ímpios (SG3, 145, 146).
20 A aparente prosperidade do vício é uma severa prova.
A fiel integridade de José levou à perda da reputação e da liberdade. Esta é a prova mais severa à qual estão sujeitos os virtuosos e tementes a Deus: o fato de que o vício parece prosperar enquanto que a virtude é lançada ao chão e pisoteada. A mulher sedutora ficou vivendo em prosperidade, como modelo de conduta virtuosa, enquanto que José, que fora fiel ao princípio, estava sob a degradante acusação de haver cometido um dos crimes mais revoltantes. A religião de José fez com que sua atitude continuasse amável e sua compaixão para com as pessoas continuasse calorosa e forte, apesar de todas as provações (Carta 3, 1897).
Dificuldades prepararam José para posição exaltada. A parte desempenhada por José em relação às cenas da sombria prisão foi afinal a que o ergueu à prosperidade e honra. Deus pretendia que ele obtivesse experiência por meio de tentações, adversidades, vicissitudes, a fim de prepará-lo para ocupar posição exaltada (FF [MM 2005/56], 320).