Hebreus 3

Almeida Antiga - IBC

Jesus é superior a Moisés
1 Pelo que, santos irmãos, participantes da vocação celestial, considerai o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus,
2 como ele foi fiel ao que o constituiu, assim como também o foi Moisés em toda a casa de Deus.
3 Pois ele é tido por digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a edificou.
4 Porque toda casa é edificada por alguém, mas quem edificou todas as coisas é Deus.
5 Moisés, na verdade, foi fiel em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar;
6 mas Cristo, como Filho sobre sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança.
7 Pelo que, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz,
8 não endureçais os vossos corações, como na provocação, no dia da tentação no deserto,
9 onde vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, e viram por quarenta anos as minhas obras.
10 Por isto me indignei contra essa geração, e disse: Estes sempre erram em seu coração, e não chegaram a conhecer os meus caminhos.
11 Assim jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.
12 Vede, irmãos, que nunca se ache em qualquer de vós um perverso coração de incredulidade, para se apartar do Deus vivo;
13 antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;
14 porque nos temos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial;
15 enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como na provocação;
16 pois alguns, tendo-a ouvido, o provocaram; porém, nem todos os que saíram do Egito por meio de Moisés.
17 Mas contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura contra os que pecaram, cujos cadáveres caíram no deserto?
18 E a quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão aos que foram incrédulos?
19 Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade.

Referências Cruzadas

1 Rm 1:7; Rm 15:8
2 1Sm 12:6; Hb 3:5; Nm 12:7
3 Zc 6:12; Mt 16:18
4 Ef 2:10; Ef 3:9; Hb 1:2
5 Hb 3:2; Ex 14:31; Nm 12:7; Dt 3:24; Js 1:2; Js 8:31; Dt 18:15; Dt 18:18; Dt 18:19; Hb 9:19
6 Hb 1:2; 1Co 3:16; 1Co 6:19; 2Co 6:16; Ef 2:21; Ef 2:22; 1Tm 3:15; 1Pe 2:5; Hb 3:14; Mt 10:22; Mt 24:13; Rm 5:2; Cl 1:23; Hb 6:11; Hb 10:35
7 2Sm 23:2; At 1:16; Hb 3:15; Sl 95:7
14 Hb 3:6
15 Hb 3:7
16 Nm 14:2; Nm 14:4; Nm 14:11; Nm 14:24; Nm 14:30; Dt 1:34; Dt 1:36; Dt 1:38
17 Nm 14:22; Nm 14:29; Nm 26:65; Sl 106:26; 1Co 10:5; Jd 5
18 Nm 14:30; Dt 1:34; Dt 1:35
19 Hb 4:6

1-3 Pesada retribuição. Devido à incredulidade manifestada com relação a Cristo, o originador e fundamento de todo o sistema judaico, virá sobre os seres humanos uma retribuição mais pesada do que a que recaiu sobre o incrédulo Israel no deserto. Moisés foi o profeta por meio de quem Deus Se comunicou com a igreja no deserto. Mas, embora Moisés tenha sido grande, maior do que ele é o Filho de Deus, que construiu a casa.
A presença de Jesus Cristo, oculto na coluna de nuvem de dia e na coluna de fogo à noite, seguiu esse povo em suas vagueações pelo deserto. O Anjo da aliança veio em nome de Deus, como o líder invisível e Israel. O Filho de Deus, sobre Sua casa, é maior do que Moisés, maior do que o anjo mais elevado. Ele traz o nome de Yahweh em Sua mitra, enquanto que em Seu peitoral está escrito o nome de Israel. Cristo tomou a humanidade para que esta pudesse tocar humanidade. Em forma humana, Ele Se humilhou, e Se tornou um servo, mas, como o Filho de Deus, era mais elevado que os anjos. Por meio da vida que Ele viveu na humanidade, o homem pode se tornar coparticipante da natureza divina. Como a Majestade do Céu, Ele era exaltado acima dos anjos, e em Sua obra de redenção, leva consigo todos os que O receberam e creram em Seu nome (Carta 97, 1898).
3 Ver Ellen G. White sobre Jo 1:14.
6 Ver Ellen G. White sobre Hb 4:14; Ap 3:3.
12 O cultivo da fé. Não há animação oferecida à incredulidade. O Senhor manifesta Sua graça e Seu poder muitas e muitas vezes. Isso deve nos ensinar que sempre é proveitoso, sob quaisquer circunstâncias, cultivar a fé, falar de fé, agir em fé. Não devemos deixar que nosso coração e nossas mãos se enfraqueçam, permitindo que sugestões de mentes suspeitosas nos plantem no coração as sementes da dúvida e da desconfiança (MCP2, 673).
Entender para crer e obedecer. O Senhor trabalha em cooperação com a vontade e os atos do agente humano. É privilégio e dever de todo indivíduo crer no que Deus diz, crer em Jesus como Salvador pessoal e responder ansiosa e imediatamente às misericordiosas propostas que Deus faz. Ele deve estudar para crer nas instruções divinas contidas nas Escrituras e obedecer a elas. Deve basear sua fé, não em sentimentos, mas nas evidências da Palavra de Deus (Ms 3, 1895).
14 Ver Ellen G. White sobre Hb 4:15.
19 Incredulidade de traje cristão. A incredulidade prevalece em muitas das igrejas de nosso país; não a incredulidade em seu sentido mais amplo, como franca negação da Bíblia, mas uma incredulidade vestida com o traje do cristianismo, ao mesmo tempo em que se acha a solapar a fé na Bíblia como revelação de Deus (SC 41.5).