Isaías 25

Almeida Antiga - IBC

1 Ó Senhor, tu és o meu Deus; exaltarei a ti, e louvarei o teu nome; porque fizeste maravilhas, os teus conselhos antigos são fidelidade e verdade.
2 Porque da cidade fizeste um montão, e da cidade fortificada uma ruína, um palácio dos estranhos para não ser cidade; e ela jamais se tornará a edificar.
3 Pelo que te glorificará o povo poderoso; e a cidade das nações terríveis te temerá:
4 Porque tens sido a fortaleza do pobre, a fortaleza do necessitado na sua angústia, refúgio contra a tempestade, e sombra contra o calor, quando o assopro dos violentos é como a tempestade contra o muro.
5 Tu abaterás o tumulto dos estranhos como o calor em lugar seco, como se abranda o calor pela sombra da espessa nuvem, assim o ramo dos terríveis será abatido.
6 E o Senhor dos exércitos dará neste monte a todos os povos um banquete de coisas gordurosas, banquete de vinhos puros, de coisas gordurosas feitas de tutanos, e de vinhos puros, bem purificados.
7 E destruirá neste monte a face da coberta lançada sobre todos os povos, e o véu que está posto sobre todas as nações.
8 Tragará a morte na vitória, e o Senhor Deus enxugará as lágrimas de todos os rostos, e tirará de toda a terra o opróbrio do seu povo; porque o Senhor o disse.
9 E naquele dia se dirá: Eis que este é o nosso Deus; por ele temos esperado, e ele nos salvará. Este é o Senhor; por ele temos esperado; na sua salvação gozaremos e nos alegraremos.
10 Porque a mão do Senhor repousará neste monte; e Moabe será trilhado no seu lugar, assim como se trilha a palha no monturo.
11 E estenderá as suas mãos no meio deles, assim como as estende o nadador para nadar; mas o Senhor abaterá a sua altivez juntamente com o despojo das suas mãos.
12 E abaixará as altas fortalezas dos teus muros; abatê-las-á e derrubá-las-á por terra até o pó.

Referências Cruzadas

1 Ex 15:2; Sl 118:28; Sl 98:1; Nm 23:19
2 Is 21:9; Is 23:13; Jr 51:37
3 Ap 11:13
4 Is 4:6
6 Is 2:2; Is 2:3; Pv 9:2; Mt 22:4; Dn 7:14; Mt 8:11
7 2Co 3:15; Ef 4:18
8 Ap 1:18; Os 13:14; 1Co 15:54; Ap 20:14; Ap 21:4; Ap 7:17; Ap 21:4
9 Gn 49:18; Tt 2:13; Sl 20:5
12 Is 26:5

1-4 A misericórdia divina na galeria da memória. De que forma mostramos nossa gratidão a Deus? Os benefícios que nos concede são inexprimivelmente grandes. Colocamos uma moldura em Suas misericórdias e bênçãos e as penduramos na galeria da memória, onde podemos contemplá-las e ser levados a oferecer a Deus ações de graças por Sua bondade e amor? Há milhares de milhares que não têm olhos para ver, não têm ouvidos para ouvir, não têm coração para apreciar a atuação de Deus em favor deles. Deixam de notar a bondade do Senhor como se lhes pertencesse por direito (Ms 145, 1899).

8, 9. Cenas finais. A Bíblia, e a Bíblia só, dá-nos uma perspectiva correta destas coisas. Ali estão reveladas as grandes cenas finais da história de nosso mundo, acontecimentos que já estão projetando suas sombras diante de si, fazendo o ruído de sua aproximação com que a Terra trema e o coração dos homens desmaie de temor. [Isaías 24:1, 5, 8; Joel 1:15, 17, 18, 12; Jeremias 4:19, 20, 23-26; 30:7; Isaías 26:20; Salmos 91:9, 10; 50:1-3, 4, 6; Miqueias 4:10-12; Jeremias 30:17, 18; Isaías 25:9, 8; 33:20, 22; 11:4].
Então se cumprirá o propósito de Deus; os princípios do Seu reino serão honrados por todos debaixo do Sol. [Isaías 60:18; 54:14].
Os profetas a quem foram reveladas estas grandes cenas, anelavam compreender sua significação. Eles “inquiriram e trataram diligentemente,… indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava. … Aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas;… para as quais coisas os anjos desejam bem atentar”. 1 Pedro 1:10-12.
A nós, que nos achamos nas vésperas do seu cumprimento, de quão profunda importância, de quão vívido interesse, são estes delineamentos de coisas vindouras — fatos pelos quais, desde que nossos primeiros pais se retiraram do Éden, têm os filhos de Deus vigiado e esperado, ansiado e orado! (Ed 180-183).

O dia da ira. O dia da ira para os inimigos de Deus é o dia de final livramento para a Sua igreja. O profeta declara: [Isaías 35:3, 4; v. 8]. E ao contemplar o profeta o Senhor da glória descendo do Céu, com todos os santos anjos, para congregar a igreja remanescente dentre todas as nações da Terra, ele ouve o povo expectante unir-se no exultante clamor: [Isaías 25:9; 26:19; 35:5,6] (PR 374-375).

Segunda vinda: palavras incendiadas. A vinda de Cristo, para inaugurar o reino de justiça, tem inspirado as mais sublimes e exaltadas declarações dos escritores sagrados. Os poetas e videntes da Bíblia dela trataram com palavras incendidas de fogo celestial. O salmista cantou do poder e majestade do Rei de Israel: [Salmo 50:2-4; 96:11-13].
Disse o profeta Isaías: [Isaías 26:19; v. 8, 9]. E Habacuque, transportado em santa visão, contemplou Seu aparecimento. [Habacuque 3:3-13] (GC 300).

9 O dia da ira: O dia da ira para os inimigos de Deus é o dia de final livramento para a Sua igreja. O profeta declara: [Isaías 35:3, 4; 25:8]. E ao contemplar o profeta o Senhor da glória descendo do Céu, com todos os santos anjos, para congregar a igreja remanescente dentre todas as nações da Terra, ele ouve o povo expectante unir-se no exultante clamor: [v. 9; 26:19; 35:5,6]. (PR 374-375).