Isaías 53

Almeida Antiga - IBC

1 Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do Senhor?
2 Porque crescerá como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.
3 Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não o estimamos.
4 Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
5 Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e com as suas pisaduras somos sarados.
6 Todos nós andamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.
7 Ele foi oprimido e ele foi afligido, mas não abriu a boca; como um cordeiro que é levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abre a boca.
8 Da opressão e pelo juízo foi tirado; e quem declarará a sua geração? Porquanto foi cortado da terra dos viventes, e pela transgressão do meu povo foi ele atingido.
9 E fez sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte, porquanto nunca fez violência, nem houve engano na sua boca.
10 Todavia, ao Senhor agradou o moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, e prolongará os seus dias, e o bom prazer do Senhor prosperará nas suas mãos.
11 O trabalho da sua alma ele verá, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo justo justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si.
12 Pelo que lhe darei a parte com os grandes, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; e ele levou sobre si o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu.

Referências Cruzadas

1 Jo 12:38; Is 51:9
2 Jo 1:46; Fp 2:7-9; Is 11:1; Is 52:14
3 Mt 27:21-23; Mc 14:50-52; Lc 19:41-42; Jo 1:10; Sl 22:6; Hb 4:15;
4 Mt 8:17; Lc 6:17-19; 2Co 5:21; 1Pe 2:24; Mt 27:41-43
5 Rm 4:25; 1Pe 2:24; Rm 5:1; Lc 23:33; Cl 1:20; Mt 27:26
6 Gl 1:4; Sl 119:176
7 Mt 27:12-14, 27-31; Mt 26:63; Jo 1:29; At 8:32
8 Mt 26; Dn 9:26
9 Mt 27:57; Mt 27:58; Mt 27:60; Jo 18:38; 1Pe 2:22
10 Jo 18:11; 2Co 5:21; Rm 6:9; Ef 1:5; Ef 1:9; Mt 20:28; Mc 16:16; Jo 17:1-5
11 Jo 12:27; Jo 17:3; 1Jo 2:1; Is 42:1; Rm 5:8-9,18; Is 53:4; Is 53:5; 2Co 5:21; Hb 9:28; 1Pd 2:24
12 Mt 28:18; Sl 2:8; Cl 2:15; Mc 15:28; Lc 22:37; Lc 23:32,34,46; Rm 8:34; Hb 7:25; Hb 9:24; 1Jo 2:1; 2Co 5:21

1-3 A graça e a virtude de Cristo não atraíam os judeus. Essas palavras não significam que Cristo fosse uma pessoa sem atrativos. Aos olhos dos judeus, Cristo não tinha beleza para que O desejassem. Esperavam um Messias que viria com exibição exterior e glória mundana, que faria grandes coisas pela nação judaica, exaltando-a sobre todas as outras nações da Terra. Mas Cristo veio com Sua divindade oculta pela roupagem humana, modesto, humilde, pobre. Eles compararam esse homem com os orgulhosos alardes que haviam feito e não conseguiram ver nenhuma beleza nEle. Não discerniram a santidade e pureza de Seu caráter. A graça e a virtude reveladas em Sua vida não os atraíam (Ms 33, 1911).
2, 3 Um quadro que irá subjugar e humilhar. A profecia predisse que Cristo devia aparecer como raiz de uma terra seca. “Não tinha aparência nem formosura”, escreveu Isaías. “Olhamo-Lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse. Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dEle não fizemos caso” [Is 53:2, 3]. Este capítulo deve ser estudado. Ele apresenta Cristo como o Cordeiro de Deus. Aqueles que estão imbuídos de orgulho, cuja alma está cheia de vaidade, devem olhar para este retrato de seu Redentor e se humilhar no pó. Todo o capítulo deve ser confiado à memória. Sua influência subjugará e humilhará a alma contaminada pelo pecado e imbuída de exaltação própria.
Pensem na humilhação de Cristo. Ele tomou sobre Si a natureza humana caída e sofredora, degradada e contaminada pelo pecado. Tomou nossas dores, suportando nosso sofrimento e vergonha. Enfrentou todas as tentações com as quais o ser humano é assediado. Ele uniu a humanidade com a divindade: um espírito divino habitou num templo de carne. Ele Se uniu com o templo. “O Verbo Se fez carne e habitou entre nós” [Jo 1:14], porque, ao fazê-lo, Ele podia Se associar com os pecaminosos e sofredores filhos e filhas de Adão (YI, 20/12/1900).
4 Satanás preparou os judeus para rejeitarem a Jesus. [Falando sobre o tempo de Jesus]. Satanás, o autor do pecado e de todas as suas consequências, levara os homens a considerarem a doença e a morte como procedentes de Deus — como castigos arbitrariamente infligidos por causa do pecado. Daí, aquele sobre quem caíra grande aflição ou calamidade, sofria além disso o ser olhado como grande pecador. Assim estava preparado o caminho para os judeus rejeitarem a Jesus (DTN 332).
5 Cristo pode resgatar toda alma. Não foi somente ao morrer na cruz que Cristo realizou Sua obra de salvar os seres humanos. A ignomínia, o sofrimento e a humilhação eram parte de Sua missão. “Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados” [Is 53:5].
Cristo suportou essa penalidade pelos pecados do transgressor; Ele levou a punição por todo ser humano, e por esta razão pode resgatar toda pessoa, por mais decaída que seja sua condição, se ela aceitar a lei de Deus como sua norma de justiça (Ms 77, 1899).
7, 9 Satanás assaltou a Cristo, que não revidou. Satanás O assaltou em todos os pontos, mas Ele não pecou em pensamento, palavras ou atos. Ele não cometeu violência, nem dolo algum se achou em Sua boca. Andando em meio ao pecado, foi santo, inculpável, sem mácula. Foi injustamente acusado, mas não abriu a boca para Se justificar. Quantos hoje em dia, quando acusados do que não são culpados, acham que há momentos em que a paciência deixa de ser uma virtude e, perdendo o controle, falam palavras que ofendem o Espírito Santo? (Ms 42, 1901).
11 Ver Ellen G. White sobre Zc 9:16.