Judas 1

Almeida Antiga - IBC

Prefácio e saudação
1 Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai, e guardados em Jesus Cristo:
2 Misericórdia, paz e amor vos sejam multiplicados.

Contra os falsos mestres

3 Amados, enquanto eu empregava toda a diligência para escrever-vos acerca da salvação que nos é comum, senti a necessidade de vos escrever, exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos.
4 Porque se introduziram furtivamente certos homens, que já desde há muito estavam destinados para este juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de nosso Deus, e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo.
5 Ora, quero lembrar-vos, se bem que já de uma vez para sempre soubestes tudo isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;
6 aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas na escuridão para o juízo do grande dia,
7 assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se prostituído como aqueles anjos, e ido após outra carne, foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
8 Semelhantemente também, estes sonhadores alucinados contaminam a sua carne, rejeitam toda autoridade e difamam as dignidades.
9 Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendendo com o Diabo, disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar contra ele juízo de maldição, mas disse: O Senhor te repreenda.
10 Estes, porém, blasfemam de tudo o que não entendem; e, naquilo que compreendem de modo natural, como os seres irracionais, mesmo nisso se corrompem.
11 Ai deles! Porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré.
12 Estes são manchas em vossas festas de fraternidade, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
13 ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias vergonhas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservada para sempre a escuridão das trevas.
14 Quanto a estes também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que vem o Senhor com miríades de seus santos,
15 para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram.
16 Estes são murmuradores, queixosos, andando segundo as suas concupiscências; e a sua boca diz coisas muito arrogantes, adulando pessoas por causa do interesse.
17 Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
18 os quais vos diziam: Nos últimos tempos haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.
19 Estes são os que causam divisões; são sensuais, e não têm o Espírito.

Exortação e doxologia final

20 Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
21 conservai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
22 E apiedai-vos de alguns que estão na dúvida,
23 e salvai-os, arrebatando-os do fogo; e de outros tende misericórdia com temor, detestando até a roupa manchada pela carne.
24 Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e vos apresentar, irrepreensíveis, perante a sua glória com grande alegria,
25 # a Deus, único sábio, nosso Salvador, seja a glória, majestade, domínio e poder, tanto agora, como para todo o sempre. Amém.

Prefácio e saudação
1 Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos que são santificados por Deus Pai, guardados em Jesus Cristo, e chamados:
2 a misericórdia para convosco, a paz e o amor sejam multiplicados.

Contra os falsos mestres

3 Amados, quando eu empregava toda a diligência em vos escrever acerca da comum salvação, tive necessidade de vos escrever, exortando-vos a batalhar pela fé que uma vez foi entregue aos santos.
4 Porque certos homens se introduziram furtivamente, que já antes estavam destinados para esta condenação, homens ímpios, que transformam a graça de nosso Deus em lascívia, e negam o único Soberano Deus e Senhor nosso, Jesus Cristo.
5 Quero, portanto, lembrar-vos, embora uma vez já o soubestes, que, tendo o Senhor salvo o povo da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;
6 e aos anjos que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas, sob trevas, para o juízo do grande dia,
7 assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas de modo semelhante, havendo-se entregado à prostituição e ido após outra carne, foram postas para exemplo, sofrendo a punição do fogo eterno.
8 Semelhantemente, também, estes sonhadores contaminam a carne, desprezam domínio e difamam dignidades.
9 Contudo, o Arcanjo Miguel, quando contendia com o Diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar contra ele juízo acusatório, mas disse: O Senhor te repreenda.
10 Estes, porém, falam mal do que não sabem; e, naquilo que sabem de modo natural, como animais irracionais, nisso se corrompem.
11 Ai deles! Porque foram pelo caminho de Caim, e correram após o engano de Balaão por recompensa, e pereceram na rebelião de Coré.
12 Estes são manchas em vossas festas de fraternidade, quando se banqueteiam convosco, apascentando-se a si mesmos sem temor: nuvens são, sem água, levadas ao léu por ventos; são árvores cujo fruto murcha, sem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
13 ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias vergonhas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservada para sempre a escuridão das trevas.
14 Quanto a estes também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que vem o Senhor com miríades de seus santos,
15 para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram.
16 Estes são murmuradores, queixosos, andando segundo as suas concupiscências; e a sua boca fala coisas muito arrogantes, admirando pessoas por interesse.
17 Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
18 os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.
19 Estes são os que a si mesmo se separam, sensuais, não tendo o Espírito.

Exortação e doxologia final

20 Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
21 conservai-vos no amor de Deus, aguardando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
22 E compadecei-vos de alguns, usando de discernimento;
23 a outros salvai com temor, arrebatando do fogo; detestando até a roupa manchada pela carne.
24 Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e vos apresentar irrepreensíveis, perante a sua glória com grande alegria,
25 # a Deus, único sábio, nosso Salvador, seja a glória, majestade, domínio e poder, tanto agora, como para todo o sempre. Amém.

1 Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos que são santificados por Deus Pai, guardados em Jesus Cristo, e chamados:
2 a misericórdia para convosco, a paz e o amor sejam multiplicados.
Amados, quando eu empregava toda a diligência em vos escrever acerca da comum salvação, tive necessidade de vos escrever, exortando-vos a batalhar pela fé que uma vez foi entregue aos santos.
Porque certos homens se introduziram furtivamente, que já antes estavam destinados para esta condenação, homens ímpios, que transformam a graça de nosso Deus em lascívia, e negam o único Soberano Deus e Senhor nosso, Jesus Cristo.
Quero, portanto, lembrar-vos, embora uma vez já o soubestes, que, tendo o Senhor salvo o povo da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;
e aos anjos que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas, sob trevas, para o juízo do grande dia,
assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas de modo semelhante, havendo-se entregado à prostituição e ido após outra carne, foram postas para exemplo, sofrendo a punição do fogo eterno.
Semelhantemente, também, estes sonhadores contaminam a carne, desprezam domínio e difamam dignidades.
Contudo, o Arcanjo Miguel, quando contendia com o Diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar contra ele juízo acusatório, mas disse: O Senhor te repreenda.
Estes, porém, falam mal do que não sabem; e, naquilo que sabem de modo natural, como animais irracionais, nisso se corrompem.
Ai deles! Porque foram pelo caminho de Caim, e correram após o engano de Balaão por recompensa, e pereceram na rebelião de Coré.
Estes são manchas em vossas festas de fraternidade, quando se banqueteiam convosco, apascentando-se a si mesmos sem temor: nuvens são, sem água, levadas ao léu por ventos; são árvores cujo fruto murcha, sem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias vergonhas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservada para sempre a escuridão das trevas.
Quanto a estes também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que vem o Senhor com miríades de seus santos,
para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram.
Estes são murmuradores, queixosos, andando segundo as suas concupiscências; e a sua boca fala coisas muito arrogantes, admirando pessoas por interesse.
Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.
Estes são os que a si mesmo se separam, sensuais, não tendo o Espírito.
Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
conservai-vos no amor de Deus, aguardando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
E compadecei-vos de alguns, usando de discernimento;
a outros salvai com temor, arrebatando do fogo; detestando até a roupa manchada pela carne.
Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e vos apresentar irrepreensíveis, perante a sua glória com grande alegria,
a Deus, único sábio, nosso Salvador, seja a glória, majestade, domínio e poder, tanto agora, como para todo o sempre. Amém.

Prefácio e saudação
1 Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai, e guardados em Jesus Cristo:
2 Misericórdia, paz e amor vos sejam multiplicados.

Contra os falsos mestres

3 Amados, enquanto eu empregava toda a diligência para escrever-vos acerca da salvação que nos é comum, senti a necessidade de vos escrever, exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos.
4 Porque se introduziram furtivamente certos homens, que já desde há muito estavam destinados para este juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de nosso Deus, e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo.
5 Ora, quero lembrar-vos, se bem que já de uma vez para sempre soubestes tudo isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;
6 aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas na escuridão para o juízo do grande dia,
7 assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se prostituído como aqueles anjos, e ido após outra carne, foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
8 Semelhantemente também, estes sonhadores alucinados contaminam a sua carne, rejeitam toda autoridade e difamam as dignidades.
9 Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendendo com o Diabo, disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar contra ele juízo de maldição, mas disse: O Senhor te repreenda.
10 Estes, porém, blasfemam de tudo o que não entendem; e, naquilo que compreendem de modo natural, como os seres irracionais, mesmo nisso se corrompem.
11 Ai deles! Porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré.
12 Estes são manchas em vossas festas de fraternidade, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
13 ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias vergonhas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservada para sempre a escuridão das trevas.
14 Quanto a estes também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que vem o Senhor com miríades de seus santos,
15 para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram.
16 Estes são murmuradores, queixosos, andando segundo as suas concupiscências; e a sua boca diz coisas muito arrogantes, adulando pessoas por causa do interesse.
17 Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
18 os quais vos diziam: Nos últimos tempos haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.
19 Estes são os que causam divisões; são sensuais, e não têm o Espírito.

Exortação e doxologia final

20 Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
21 conservai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
22 E apiedai-vos de alguns que estão na dúvida,
23 e salvai-os, arrebatando-os do fogo; e de outros tende misericórdia com temor, detestando até a roupa manchada pela carne.
24 Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e vos apresentar, irrepreensíveis, perante a sua glória com grande alegria,
25 # a Deus, único sábio, nosso Salvador, seja a glória, majestade, domínio e poder, tanto agora, como para todo o sempre. Amém.

Referências Cruzadas

1 Lc 6:16; At 1:13; Jo 17:11; Jo 17:12; Jo 17:15; Rm 1:7
2 1Pe 1:2
3 Tt 1:4; Fp 1:27; 1Tm 1:18; 1Tm 6:12; 2Tm 4:7
4 Gl 2:4; 2Pe 2:1; Rm 9:21; 2Pe 2:10; Tt 2:11; Hb 12:15; Tt 1:16; 2Pe 2:1; 1Jo 2:22
5 1Co 10:9; Nm 14:29; Nm 14:37; Nm 26:64; Hb 3:17; Hb 3:19
6 Jo 8:44; 2Pe 2:4; Ap 20:10
7 Gn 19:24; 2Pe 2:6
8 2Pe 2:10; Ex 22:28
9 Dn 10:13; Ap 12:7; 2Pe 2:11; Zc 3:2; At 23:35; 1Co 15:4
10 2Pe 2:12
11 Gn 4:5; 1Jo 3:12; Nm 22:7; 2Pe 2:15; Nm 16:1
12 2Pe 2:13; 1Co 11:21; Pv 25:14; 2Pe 2:17; Ef 4:14; Mt 15:13
13 Is 57:20; Fp 3:19; 2Pe 2:17
14 Gn 5:18; Dt 33:2; Dn 7:10; Mt 25:31; 2Ts 1:7; Ap 1:7; Gn 5:24
15 1Sm 2:3; Sl 31:18; Ml 3:13
16 2Pe 2:18; Pv 28:21; Tg 2:1; Tg 2:9
17 2Pe 3:2
18 1Tm 4:1; 2Tm 3:1; 2Tm 4:3; 2Pe 2:1
19 Pv 18:1; Ez 14:7; Os 4:14; Hb 10:25; 1Co 2:14; Tg 3:15
20 Cl 2:7; 1Tm 1:4; Rm 8:26; Ef 6:18
21 Tt 2:13; 2Pe 3:12
23 Rm 11:14; 1Tm 4:16; Am 4:11; Zc 3:2; 1Co 3:15; Zc 3:4; Zc 3:5; Ap 3:4
24 Rm 16:25; Ef 3:20; Cl 1:22
25 Rm 16:27; 1Tm 1:17; 1Tm 2:3

4 Ver Ellen G. White sobre Ap 2:6.
9 Direito de libertar os cativos. Que direito tinha Cristo de arrebatar das mãos do inimigo os cativos? O direito de ter feito um sacrifício que satisfez aos princípios da justiça pelos quais é governado o reino dos Céus. Veio Ele à Terra como redentor do gênero humano, para vencer o astuto inimigo e, por Sua firme fidelidade ao que é reto, salvar todos os que O aceitem como seu salvador. Na cruz do Calvário, Ele pagou o preço da redenção da raça humana. Assim, adquiriu o direito de arrebatar os cativos das garras do grande enganador, que, por uma mentira, formulada contra o governo de Deus, causou a queda do ser humano, perdendo assim todo o direito de ser chamado súdito leal do glorioso e eterno reino de Deus (ME1, 309).
As reivindicações de Satanás. O inimigo rebelde e apóstata trabalha com toda artimanha possível para derrotar os propósitos de Deus. Pelo fato de os seres humanos haverem pecado, ele afirma que eles passaram para o seu domínio, e que os agentes celestiais, os anjos valorosos em poder, não deviam arrebatar seus súditos de sob seu controle. Se os seres humanos receberem poder divino, ele sabe que não pode prevalecer contra eles, realizando sua vontade, de maneira cruel, em seu corpo e em sua mente; portanto, ele os acusa diante de Deus, e afirma que o poder de Deus não lhes será comunicado (RH, 20/06/1893).
9 A ressurreição de Moisés em detalhes. Quando Cristo e os anjos se aproximaram da sepultura, Satanás e seus anjos surgiram junto dela e ficaram a guardar o corpo de Moisés, para que não fosse removido. Quando Cristo e Seus anjos chegaram perto, Satanás resistiu à aproximação, mas foi compelido, pela glória e poder de Cristo e Seus anjos, a recuar. Reclamou o corpo de Moisés por causa de sua única transgressão; Cristo, porém, mansamente o remeteu ao Pai, dizendo: “O Senhor te repreenda.” Judas 9. Cristo disse a Satanás que sabia ter Moisés humildemente se arrependido de seu único erro, e que mancha nenhuma repousava sobre seu caráter, e que seu nome permanecia no livro celestial sem contaminação. Então Cristo ressuscitou o corpo de Moisés (VA 105.3).
15 Toda ação sobre a balança [Citado Ec 12:13, 14]. Deus colocará todo ato na balança. Que cena será essa! Que impressões serão causadas com respeito ao santo caráter de Deus e a terrível enormidade do pecado quando o julgamento, baseado na lei, for realizado na presença de todos os mundos! Então, diante da mente do pecador impenitente, se abrirão todos os pecados que ele cometeu, e ele verá e compreenderá a totalidade do pecado, e sua própria culpa.
Quando os vencedores leais forem coroados, Deus quer que estejam presentes todos os que transgrediram Sua lei e quebraram a aliança com Ele. Nenhum dos justos estará ausente. Eles veem no juiz, Cristo Jesus, Aquele que todo pecador crucificou. O Filho do Homem virá em Sua glória, e todas as nações serão reunidas em Sua presença. O Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento (Ms 77, 1906).
20-25 Trabalho fervoroso a ser feito. As instruções dadas por Judas, no v. 20, até o final do capítulo tornarão nossa obra completa, ensinando-nos como conduzir a batalha no serviço de Cristo. Não se deve revelar nenhuma extravagância unilateral, não se deve condescender com nenhuma indolência ou preguiça. Não devemos ignorar a individualidade de ninguém, ou justificar, de alguma forma, as críticas desapiedadas ou as práticas egoístas.
Este texto revela que há um trabalho fervoroso a ser feito, e que precisamos de intuição divina para saber como trabalhar pelas pessoas prestes a perecer. Há pessoas a serem arrebatadas do fogo, as quais devem ser tratadas com a mais terna compaixão. Necessita-se de obreiros que aprenderam, na escola de Cristo, Seu método de salvar pecadores (Carta 7, 1895).
24 Ver Ellen G. White sobre Ap 2:1-5.