Lucas 1

Almeida Antiga - IBC

Introdução
1 Visto que muitos têm empreendido fazer uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram,
2 segundo nos transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares e ministros da palavra,
3 pareceu bem também a mim, após haver-me informado de tudo desde o começo, escrever-te uma narração em ordem, ó excelentíssimo Teófilo,
4 para que conheças plenamente a verdade das coisas em que foste instruído.

Predição dos nascimentos de João Batista e de Jesus Cristo

5 Houve, nos dias de Herodes, rei da Judeia, um sacerdote chamado Zacarias, do turno de Abias; e sua mulher era descendente de Arão, e chamava-se Elizabete.
6 Ambos eram justos diante de Deus, andando irrepreensíveis em todos os mandamentos e preceitos do Senhor.
7 Mas não tinham filhos, porque Elizabete era estéril, e ambos avançados em idade.
8 Ora, estando ele a exercer as funções sacerdotais perante Deus, na ordem de seu turno,
9 segundo o costume do sacerdócio, coube-lhe por sorte entrar no templo do Senhor, para oferecer o incenso;
10 e toda a multidão do povo orava da parte de fora, à hora do incenso.
11 Apareceu-lhe, então, um anjo do Senhor, em pé à direita do altar do incenso.
12 E Zacarias, vendo-o, ficou turbado, e apoderou-se dele o temor.
13 Mas o anjo lhe disse: Não temas, Zacarias; porque a tua oração foi ouvida, e Elizabete, tua mulher, te dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de João;
14 e terás alegria e regozijo, e muitos se alegrarão com o seu nascimento;
15 porque ele será grande diante do Senhor; não beberá vinho, nem bebida forte; e será cheio do Espírito Santo já desde o ventre de sua mãe;
16 converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus;
17 e irá adiante dele no espírito e poder de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos, a fim de habilitar um povo preparado para o Senhor.
18 Disse então Zacarias ao anjo: Como saberei isto? Pois eu sou velho, e minha mulher também está avançada em idade.
19 Ao que lhe respondeu o anjo: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado para te falar e te dar estas boas novas;
20 e eis que ficarás mudo, e não poderás falar até o dia em que estas coisas aconteçam; porquanto não creste nas minhas palavras, que a seu tempo hão de cumprir-se.
21 O povo estava esperando Zacarias, e se admirava da sua demora no santuário.
22 Quando saiu, porém, não lhes podia falar, e perceberam que tivera uma visão no santuário. E falava-lhes por acenos, mas permanecia mudo.
23 E, terminados os dias do seu ministério, voltou para casa.
24 Depois desses dias, Elizabete, sua mulher, concebeu, e por cinco meses se ocultou, dizendo:
25 Assim me fez o Senhor nos dias em que atentou para mim, a fim de acabar com o meu opróbrio diante dos homens.
26 Ora, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré,
27 a uma virgem desposada com um varão cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.
28 E, entrando o anjo onde ela estava disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo: bendita és tu entre as mulheres.
29 Ela, porém, ao ouvir estas palavras, turbou-se muito e pôs-se a pensar que saudação seria essa.
30 Disse-lhe então o anjo: Não temas, Maria; pois achaste graça diante de Deus.
31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de JESUS.
32 Este será grande e será chamado filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi seu pai;
33 e reinará eternamente sobre a casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.
34 Então Maria perguntou ao anjo: Como será isto, uma vez que não conheço homem algum?
35 Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o ente santo que de ti há de nascer será chamado o Filho de Deus.
36 Eis que também Elizabete, tua parenta concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril;
37 porque para Deus nada será impossível.
38 Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela.

Visita de Maria a Isabel

39 Naqueles dias, levantou-se Maria, e foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá.
40 E, entrando em casa de Zacarias, saudou a Elizabete.
41 Ao ouvir Elizabete a saudação de Maria, saltou a criancinha no seu ventre, e Elizabete ficou cheia do Espírito Santo,
42 e exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre!
43 E donde me provém isto, que me venha visitar a mãe do meu Senhor?
44 Pois logo que me soou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria dentro de mim.
45 Bem-aventurada aquela que creu que se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas.
46 Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,
47 e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador;
48 porque atentou na condição humilde de sua serva. Desde agora, pois, todas as gerações me chamarão bem-aventurada,
49 porque o Poderoso me fez grandes coisas; e santo é o seu nome.
50 E a sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o temem.
51 Com o seu braço manifestou poder; dissipou os que eram soberbos nos pensamentos de seus corações;
52 depôs dos tronos os poderosos, e elevou os humildes.
53 Aos famintos encheu de bens, e vazios despediu os ricos.
54 Auxiliou a Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia
55 (como falou a nossos pais) para com Abraão e a sua descendência para sempre.
56 E Maria ficou com ela cerca de três meses; e depois voltou para sua casa.

Nascimento de João Batista. Cântico de Zacarias

57 Ora, completou-se para Elizabete o tempo de dar à luz, e teve um filho.
58 Ouviram os seus vizinhos e parentes que o Senhor usou de grande misericórdia para com ela, e se alegraram com ela.
59 Sucedeu, pois, no oitavo dia, que vieram circuncidar o menino; e lhe chamaram de Zacarias, segundo o nome de seu pai.
60 E sua mãe respondeu, dizendo: De modo nenhum, mas será chamado João.
61 Ao que lhe disseram: Ninguém há na tua parentela que se chame por este nome.
62 E perguntaram por acenos ao pai como queria que se chamasse.
63 E pedindo ele uma tabuinha, escreveu: Seu nome é João. E todos se admiraram.
64 Imediatamente a boca se lhe abriu, e a língua se lhe soltou; e ele falava, louvando a Deus.
65 Então veio temor sobre todos os seus vizinhos; e em toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas todas estas coisas.
66 E todos os que delas souberam as guardavam no coração, dizendo: Que virá a ser, então, este menino? Pois a mão do Senhor estava com ele.
67 Zacarias, seu pai, ficou cheio do Espírito Santo e profetizou, dizendo:
68 Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e remiu o seu povo,
69 e para nós fez surgir uma salvação poderosa na casa de Davi, seu servo;
70 assim como desde os tempos antigos tem anunciado pela boca dos seus santos profetas;
71 para nos livrar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam;
72 # para usar de misericórdia prometida a nossos pais, e lembrar-se da sua santa aliança
73 e do juramento que fez a Abraão, nosso pai,
74 de conceder-nos que, libertados da mão de nossos inimigos, o servíssemos sem temor,
75 em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida.
76 E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque irás adiante da face do Senhor, a fim de preparar-lhe os caminhos;
77 para dar ao seu povo conhecimento da salvação, na remissão dos seus pecados,
78 graças à entranhável misericórdia do nosso Deus, pela qual nos visitou a aurora lá do alto,
79 para iluminar aos que se assentam nas trevas e na sombra da morte, a fim de dirigir os nossos pés no caminho da paz.
80 Ora, o menino crescia, e se fortalecia em espírito; e habitava nos desertos até o dia da sua manifestação a Israel.

Referências Cruzadas

2 Hb 2:3; 1Pe 5:1; 2Pe 1:16; 1Jo 1:1; Mc 1:1; Jo 15:27
3 At 15:19; At 15:25; At 15:28; 1Co 7:40; At 11:4; At 1:1
4 Jo 20:31
5 Mt 2:1; 1Cr 24:10; 1Cr 24:19; Ne 12:4; Ne 12:17
6 Gn 7:1; Gn 17:1; 1Rs 9:4; 2Rs 20:3; Jó 1:1; At 23:1; At 24:16; Fp 3:6
8 1Cr 24:19; 2Cr 8:14; 2Cr 31:2
9 Ex 30:7; Ex 30:8; 1Sm 2:28; 1Cr 23:13; 2Cr 29:11
10 Lv 16:17; Ap 8:3; Ap 8:4
11 Ex 30:1
12 Lc 1:29; Jz 6:22; Jz 13:22; Dn 10:8; Lc 2:9; At 10:4; Ap 1:17
13 Lc 1:60; Lc 1:63
14 Lc 1:58
15 Nm 6:3; Jz 13:4; Lc 7:33; Jr 1:5; Gl 1:15
16 Ml 4:5; Ml 4:6
17 Ml 4:5; Mt 11:14; Mc 9:12
18 Gn 17:17
19 Dn 8:16; Dn 9:21; Dn 9:22; Dn 9:23; Mt 18:10; Hb 1:14
20 Ez 3:26; Ez 24:27
23 2Rs 11:5; 1Cr 9:25
25 Gn 30:23; Is 4:1; Is 54:1; Is 54:4
27 Mt 1:18; Lc 2:4; Lc 2:5
28 Dn 9:23; Dn 10:19; Lc 1:30; Jz 6:12
29 Lc 1:12
31 Is 7:14; Mt 1:21; Lc 2:21
32 Mc 5:7; 2Sm 7:11; 2Sm 7:12; Sl 132:11; Is 9:6; Is 9:7; Is 16:5; Jr 23:5; Ap 3:7
33 Dn 2:44; Dn 7:14; Dn 7:27; Ob 1:21; Mq 4:7; Jo 12:34; Hb 1:8
35 Mt 1:20; Mt 14:33; Mt 26:63; Mt 26:64; Mc 1:1; Jo 1:34; Jo 20:31; At 8:37; Rm 1:4
37 Gn 18:14; Jr 32:17; Zc 8:6; Mt 19:26; Mc 10:27; Lc 18:27; Rm 4:21
39 Js 21:9; Js 21:10; Js 21:11
42 Lc 1:28; Jz 5:24
46 1Sm 2:1; Sl 34:2; Sl 34:3; Sl 35:9; Hb 3:18
48 1Sm 1:11; Sl 138:6; Ml 3:12; Lc 11:27
49 Sl 71:19; Sl 126:2; Sl 126:3; Sl 111:9
50 Gn 17:7; Ex 20:6; Sl 103:17; Sl 103:18
51 Sl 98:1; Sl 118:15; Is 40:10; Is 51:9; Is 52:10; Sl 33:10; 1Pe 5:5
52 1Sm 2:6; Jó 5:11; Sl 113:6
53 1Sm 2:5; Sl 34:10
54 Sl 98:3; Jr 31:3; Jr 31:20
55 Gn 17:19; Sl 132:11; Rm 11:28; Gl 3:16
58 Lc 1:14
59 Gn 17:12; Lv 12:3
60 Lc 1:13
63 Lc 1:13
64 Lc 1:20
65 Lc 1:39
66 Lc 2:19; Lc 2:51; Gn 39:2; Sl 80:17; Sl 89:21; At 11:21
67 Jl 2:28
68 1Rs 1:48; Sl 41:13; Sl 72:18; Sl 106:48; Ex 3:16; Ex 4:31; Sl 111:9; Lc 7:16
69 Sl 132:17
70 Jr 23:5; Jr 23:6; Jr 30:10; Dn 9:24; At 3:21; Rm 1:2
72 Lc 1:54; Lv 26:42; Sl 98:3; Sl 8:9; Sl 106:45; Ez 16:60
73 Gn 12:3; Gn 17:4; Gn 22:16; Hb 6:13
74 Rm 6:18; Rm 6:22; Hb 9:14
75 Jr 32:39; Ef 4:24; 2Ts 2:13; 2Tm 1:9; Tt 2:12; 1Pe 1:15; 2Pe 1:4
76 Lc 1:17; Is 40:3; Ml 3:1; Ml 4:5; Mt 11:10
77 Mc 1:4; Lc 3:3
78 Nm 24:17; Is 11:1; Zc 3:8; Zc 6:12; Ml 4:2
79 Is 9:2; Is 42:7; Is 49:9; Mt 4:16; At 26:18
80 Lc 2:40; Mt 3:1; Mt 11:7

1-4 O autor Ver Ellen G. White sobre At 1:1-5.
5-17 Uma oração atendida. Durante toda a sua vida matrimonial, Zacarias havia orado por um filho. Ele e sua esposa eram então idosos, e sua oração ainda permanecia sem resposta; mas ele não murmurava. Deus não havia esquecido. Ele tinha Seu tempo designado para atender a esta oração, e quando o caso parecia sem esperança, Zacarias recebeu a resposta. […]
Quando Zacarias entrou no lugar santo e começou a realizar o ritual exigido com solene reverência, apareceu outra figura em pé entre o altar e a mesa dos pães da proposição. Era Gabriel, o poderoso mensageiro de Deus. […] A resposta havia chegado. Deus não Se esquecera da oração de Seus servos. Ele a havia escrito em Seu livro de registros, para ser atendida no momento que Ele julgasse melhor. Olhando para as aparências exteriores, Zacarias e Isabel haviam sepultado suas esperanças; mas o Senhor não havia Se esquecido. Ele sabia dos longos anos de desapontamento e, quando foi para a maior glória de Seu nome, o filho deles nasceu. Quão terno, quão bondoso e quão cheio de amor e compaixão é o grande coração de infinito Pai de amor! Deus deu como filho para Zacarias, não uma pessoa comum, mas alguém que ocuparia um elevado lugar em Sua obra, por meio de quem a luz do Céu deveria brilhar em raios claros e distintos (Ms 27, 1898).
15 Hábitos na infância. Acima de quaisquer dotes naturais, os hábitos estabelecidos nos primeiros anos decidem se a pessoa será vitoriosa ou vencida na batalha da vida (DTN 59.6).
João pressentia a aproximação de Satanás. Sua [João] percepção espiritual, porém, era clara; desenvolvera resistência de caráter e decisão e, mediante o auxílio do Espírito Santo, era habilitado a pressentir a aproximação de Satanás, e resistir-lhe ao poder (DTN 60.5).
17 Ver Ellen G. White sobre Mt 11:14.
18 Flagrante contraste com Maria. Que contraste entre essa incredulidade, e a fé simples e infantil de Maria, a donzela de Nazaré, cuja resposta ao maravilhoso anúncio do anjo, foi: “Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra”. Lucas 1:38 (DTN, 57.5)
22 Brilhando com luz refletida. Quando Zacarias saiu do templo, seu semblante estava brilhando com a luz que o anjo celestial refletira sobre ele, mas não conseguia falar ao povo. Por sinais, disse-lhes que um anjo lhe havia aparecido no templo, e por causa de sua incredulidade foi privado do dom da fala até que a predição do anjo se cumprisse (SP2, 45).
31-35 Ver Ellen G. White sobre Jo 1:1-3, 14.
35.O Filho de Deus num novo sentido. Cristo trouxe aos homens e mulheres o poder para vencer. Veio ao mundo em forma humana, a fim de viver como homem entre os seres humanos. Assumiu as contingências da natureza humana, para ser provado e tentado. Em Sua humanidade, era participante da natureza divina. Em Sua encarnação, obteve, num novo sentido, o título de Filho de Deus. Disse o anjo a Maria: “O poder do Altíssimo te envolverá com a Sua sombra; por isso, também o Ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus” (Lc 1:35). Enquanto estava como o Filho de um ser humano, tornou-Se o Filho de Deus num novo sentido. Assim Se achava Ele em nosso mundo — o Filho de Deus, mas ligado, pelo nascimento, à raça humana. […]
Desde a eternidade esteve Cristo unido ao Pai, e quando assumiu a natureza humana, era ainda um com Deus. Ele é o elo entre Deus e a humanidade [citado Hb 2:14] (ME1, 226-228).
36 Primos, mas separados estrategicamente. Jesus e João Batista eram primos, e intimamente relacionados pelas circunstâncias de Seu nascimento; todavia, não haviam tido nenhuma comunicação direta um com o outro. A vida de Jesus fora passada em Nazaré, na Galileia; a de João, no deserto da Judeia. Em ambiente grandemente diverso, tinham vivido separados, e não se haviam comunicado entre si. A Providência assim o determinara. Não se devia dar lugar à acusação de haverem conspirado para apoiarem mutuamente suas pretensões (DTN 66.2).
76, 77 João nasceu para uma obra especial. Em todos os estágios da história. Deus teve Seus agentes para levar avante Sua obra, que deve ser feita da maneira designada por Ele. João Batista tinha uma obra especial, para a qual nasceu e para a qual foi designado: a obra de preparar o caminho do Senhor. […] Seu ministério no deserto foi um cumprimento muitíssimo notável e literal da profecia (Ms 112, 1901).
80. Não havia escola apropriada. Havia uma grande obra designada para o profeta João, mas não havia escola na Terra com a qual ele pudesse estar ligado. Seu aprendizado deveria ser obtido fora das cidades, no deserto. As Escrituras do Antigo Testamento, bem como Deus e a natureza por Ele criada, deviam constituir seus livros de estudo. Deus estava capacitando João para sua obra de preparar o caminho do Senhor. Seu alimento consistia simplesmente de gafanhotos e mel silvestre. Os costumes e práticas humanas não deviam constituir a educação deste homem. A preocupação com o mundano não devia tomar parte na formação de seu caráter (Ms 131, 1901).
Vegetariano. Seu regime, puramente vegetariano, composto de gafanhotos e mel silvestre, era uma censura à condescendência com o apetite e glutonaria que prevalecia por toda parte (CSa 72.3).
Satanás tinha acesso, apesar das avenidas fechadas. João não se sentia forte o suficiente para resistir à grande pressão da tentação que encontraria entre seu povo. Temia que seu caráter fosse moldado segundo os costumes prevalecentes entre os judeus e, assim, escolheu o deserto como sua escola, na qual sua mente podia ser adequadamente educada e disciplinada a partir do grande livro divino da natureza. No deserto, João podia mais facilmente negar a si mesmo, pôr o apetite sob domínio e vestir-se de acordo com a simplicidade natural. E não existia no deserto coisa alguma que lhe distraísse o espírito da meditação e da oração. Satanás tinha acesso a João, mesmo depois de haver ele fechado todas as vias pelas quais o inimigo pudesse entrar. Mas seus hábitos de vida eram tão puros e naturais que discernia a estratégia do inimigo e tinha força de espírito e decisão de caráter para lhe resistir.
Perante João estava aberto o livro da natureza, com seu inexaurível depósito da mais variada instrução. Buscava o favor de Deus, e o Espírito Santo sobre ele repousava, acendendo-lhe no coração um inflamado zelo por fazer a grandiosa obra de chamar o povo ao arrependimento e a uma vida mais nobre e santa. Pelas privações e dificuldades de sua vida segregada, João se preparava para dominar todas as suas faculdades físicas e mentais de tal forma que pudesse permanecer entre o povo tão inamovível pelas circunstâncias que o envolviam como as rochas e montanhas do deserto que o haviam rodeado por trinta anos (VF [MM 1971], 270; SP2, 47).
Satanás não pôde demover João. A infância, juventude e vida adulta de João, que veio no espírito e poder de Elias para fazer uma obra de preparo do caminho para o Redentor do mundo, foi marcada por firmeza e poder moral. Satanás não pôde demovê-lo de sua integridade (DT, 34, 35).