Marcos 10

Almeida Antiga - IBC

O divórcio
1 Levantando-se Jesus, partiu dali para os termos da Judeia, e para além do Jordão; e de novo as multidões se reuniram em torno dele; e tornou a ensiná-las, como tinha por costume.
2 Então se aproximaram dele alguns fariseus, tentando-o, e lhe perguntaram: É lícito ao homem repudiar sua mulher?
3 E ele, respondendo, disse-lhes: Que vos ordenou Moisés?
4 Replicaram eles: Moisés permitiu escrever carta de divórcio, e repudiar a mulher.
5 Disse-lhes Jesus: Pela dureza dos vossos corações ele vos escreveu esse mandamento.
6 Mas desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher.
7 Por isso, deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher,
8 e serão os dois uma só carne; assim já não são mais dois, mas uma só carne.
9 Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem.
10 Em casa, os discípulos interrogaram-no de novo sobre isso.
11 Ao que lhes respondeu: Qualquer que repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério contra ela;
12 e se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério.

As criancinhas

13 Então lhe trouxeram algumas criancinhas para que as tocasse; mas os discípulos repreenderam os que as trouxeram.
14 Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais, porque das tais é o reino de Deus.
15 Em verdade vos digo que, qualquer que não receber o reino de Deus como uma criancinha, de maneira nenhuma entrará nele.
16 E, tomando-as nos braços e impondo as mãos sobre elas, as abençoou.

O jovem rico

17 Ora, ao sair para se pôr a caminho, correu para ele um homem, o qual se ajoelhou diante dele e lhe perguntou: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna?
18 Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um que é Deus.
19 Sabes os mandamentos: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; a ninguém defraudarás; honra a teu pai e a tua mãe.
20 Ele, porém, lhe replicou: Mestre, tudo isso tenho guardado desde a minha juventude.
21 ## E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Uma coisa te falta; vai vende tudo quanto tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz e segue-me.
22 Mas ele, pesaroso desta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitos bens.
23 Então Jesus, olhando em redor, disse aos seus discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!
24 # E os discípulos se surpreenderam com estas suas palavras; mas Jesus, tornando a falar, disse-lhes: Filhos, quão difícil é para os que confiam nas riquezas entrar no reino de Deus!
25 É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus.
26 Com isso eles ficaram sobremaneira maravilhados, dizendo entre si: Quem, então, pode ser salvo?
27 Jesus, fixando os olhos neles, respondeu: Para os homens é impossível, mas não para Deus; porque para Deus tudo é possível.
28 Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos.
29 Respondeu Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho,
30 que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no mundo vindouro a vida eterna.
31 Mas muitos primeiros serão últimos; e os últimos, primeiros.

Jesus prediz sua morte e sua ressurreição

32 Ora, estavam a caminho, subindo para Jerusalém; e Jesus ia adiante deles, e eles se maravilhavam e o seguiam atemorizados. De novo tomou consigo os doze e começou a contar-lhes as coisas que lhe haviam de sobrevir,
33 dizendo: Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos principais sacerdotes e aos escribas; e eles o condenarão à morte, e o entregarão aos gentios;
34 e hão de escarnecê-lo e cuspir nele, e açoitá-lo, e matá-lo; mas, depois de três dias, ressuscitará.

Pedido dos filhos de Zebedeu

35 Nisso aproximaram-se dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo-lhe: Mestre, queremos que nos faças o que te pedirmos.
36 Ele, pois, lhes perguntou: Que quereis que eu vos faça?
37 Responderam-lhe: Concede-nos que, na tua glória, nos assentemos, um à tua direita, e outro à tua esquerda.
38 Mas Jesus lhes disse: Não sabeis o que pedis; podeis beber o cálice que eu bebo, e ser batizados no batismo em que eu sou batizado?
39 E lhe responderam: Podemos. Mas Jesus lhes disse: O cálice que eu bebo, haveis de bebê-lo, e no batismo em que eu sou batizado, haveis de ser batizados;
40 mas o sentar-se à minha direita, ou à minha esquerda, não me pertence concedê-lo; mas isso é para aqueles a quem está reservado.
41 E ouvindo isso os dez, começaram a indignar-se muito contra Tiago e João.
42 Então Jesus os chamou para junto de si e disse-lhes: Sabeis que os que são reconhecidos como governadores dos gentios, deles se assenhoreiam, e que sobre eles os seus grandes exercem autoridade.
43 Mas entre vós não será assim; antes, quem quiser tornar-se grande entre vós, será o que vos sirva;
44 e quem quiser ser o primeiro entre vós, será servo de todos.
45 Pois o próprio Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.

O cego Bartimeu curado

46 E vieram a Jericó. E, saindo ele de Jericó, juntamente com seus discípulos e uma grande multidão, estava assentado à beira do caminho um mendigo cego, Bartimeu filho de Timeu.
47 Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno, começou a clamar, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!
48 E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim!
49 Parou, pois, Jesus e disse: Chamai-o. E chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama.
50 Nisto, lançando de si a sua capa, levantou-se e foi ter com Jesus.
51 Perguntou-lhe Jesus: Que queres que te faça? Respondeu-lhe o cego: Mestre, que eu torne a ver.
52 Disse-lhe Jesus: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora.

Referências Cruzadas

1 Mt 19:1; Jo 10:40; Jo 11:7
2 Mt 19:3
4 Dt 24:1; Mt 5:31; Mt 19:7
6 Gn 1:27; Gn 5:2
7 Gn 2:24; 1Co 6:16; Ef 5:31
11 Mt 5:32; Mt 19:9; Lc 16:18; Rm 7:3; 1Co 7:10; 1Co 7:11
13 Mt 19:13; Lc 18:15
14 1Co 14:20; 1Pe 2:2
15 Mt 18:3
17 Mt 19:16; Lc 18:18
19 Ex 20:1; Rm 13:9
21 Mt 6:19; Mt 6:20; Mt 19:21; Lc 12:33; Lc 16:9
23 Mt 19:23; Lc 18:24
24 Jó 31:24; Sl 52:7; Sl 62:10; 1Tm 6:17
26 Mt 6:31-33
27 Jr 32:17; Mt 19:26; Lc 1:37
28 Mt 19:27; Lc 18:28
30 2Cr 25:9; Lc 18:30
31 Mt 19:30; Mt 20:16; Lc 13:30
32 Mt 20:17; Lc 18:31; Mc 8:31; Mc 9:31; Lc 9:22; Lc 18:31
35 Mt 20:20
41 Mt 20:24
42 Lc 22:25
43 Mt 20:26; Mt 20:28; Mc 9:35; Lc 9:48
45 Jo 13:14; Fp 2:7; Mt 20:28; 1Tm 2:6; Tt 2:14
46 Mt 20:29; Lc 18:35
52 Mt 9:22; Mc 5:34

13-16 Ver Ellen G. White sobre Mt 19:13-15.
20 Não cumpria a lei. O jovem rico pensara que amava a Deus até que Jesus lhe revelou seu ídolo e demonstrou-lhe que estava fazendo de suas posses um deus (OA 18.5). Não amava ao próximo como a si mesmo. Seu amor egoísta às riquezas era um defeito, que, se não fosse reparado, o excluiria do Céu.
38 Não repreendeu o egoísmo. Jesus Se mostra bondoso para com eles, não repreendendo seu egoísmo em procurar preferências sobre os outros irmãos. Ele lhes lê o coração, sabe a profundeza de sua afeição por Ele. Seu amor não é um afeto meramente humano; conquanto manchado pela influência do humano instrumento, é o transbordar da fonte de Seu próprio amor redentor. Ele não repreenderá, mas aprofundará e purificará (DTN 383).
45 Ver Ellen G. White sobre Mt 9:12, 13.
46-52 Alguns não veem nada. Unicamente quando o pecador sente a necessidade de um Salvador, é que seu coração se dilata em busca dAquele que o pode ajudar. Quando Jesus andou entre os seres humanos, eram os doentes que queriam um médico. Os pobres, os afligidos e opressos seguiam após Ele, para receberem auxílio e conforto que não podiam encontrar em parte alguma. O cego Bartimeu esperava à beira da estrada; por muito tempo ele tinha aguardado o momento de encontrar-se com Cristo.
Multidões com o dom da vista passam para lá e para cá, mas não sentem o desejo de ver a Jesus. Um olhar de fé Lhe tocaria o amorável coração, trazendo-lhes o benefício de Sua graça; mas ignoram a enfermidade e pobreza de sua vida e não sentem necessidade de Cristo. O mesmo não acontecia com o pobre cego. Sua única esperança se concentrava em Cristo. Enquanto esperava e vigiava, ouviu o som de muitos passos e indagou ansiosamente: Que ruído é esse que ouço de gente que passa? E os circunstantes respondem: É Jesus de Nazaré que passa. Com a veemência de intenso desejo, ele exclamou: “Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim!” (Mc 10:47). Eles procuraram fazê-lo calar-se, porém ele clamava ainda com mais veemência: “Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” (Mc 10:48). Este apelo foi ouvido. Foi recompensada a sua fé perseverante. Não somente foi restaurada a vista física, mas foram-lhe abertos os olhos do entendimento. Viu em Cristo o redentor, e o Sol da justiça brilhou em sua vida. Todos quantos sentem a própria necessidade de Cristo como o cego Bartimeu, e são tão sinceros e decididos como ele o foi, hão de, como ele, receber a bênção de que anseiam.
Os sofredores e aflitos que buscavam a Cristo como seu ajudador, ficavam encantados com a divina perfeição, a beleza da santidade que Lhe irradiavam do caráter. Mas os fariseus não podiam ver nEIe nenhuma beleza que lhes agradasse [Is 53:2]. Seus trajes simples e Sua vida humilde, destituída de exibição exterior, tornou-O para eles como raiz de uma terra seca (FF [MM 2005/1956], 126; RH, 15/03/1887).