Marcos 2

Almeida Antiga - IBC

Cura de um paralítico
1 Depois de alguns dias, ele entrou novamente em Cafarnaum; e ouviu-se que ele estava em casa.
2 E logo muitos se ajuntaram, de modo que não encontravam espaço nem mesmo junto à porta; e ele pregava-lhes a palavra.
3 E vieram a ele trazendo um paralítico, carregado por quatro pessoas.
4 E, não podendo aproximar-se dele por causa da multidão, descobriram o telhado aonde ele estava e, fazendo uma abertura, baixaram o leito em que jazia o paralítico.
5 E, vendo-lhes a fé, disse ele ao paralítico: Filho, teus pecados te são perdoados.
6 E alguns dos escribas estavam ali assentados, arrazoando em seus corações:
7 Por que fala este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão unicamente Deus?
8 E Jesus, percebendo logo em seu espírito que eles assim arrazoavam entre si, disse-lhes: Por que arrazoais estas coisas em vossos corações?
9 Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Os pecados te são perdoados; ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito, e anda?
10 Mas, para que saibais que o Filho do homem tem autoridade sobre a terra para perdoar pecados (disse ao paralítico),
11 a ti te digo: Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa.
12 E ele imediatamente se levantou e, tomando o leito, saiu à vista de todos; de modo que todos ficaram atônitos e glorificavam a Deus, dizendo: Nunca vimos algo assim.

Vocação de Levi

13 E ele tornou a sair para junto do mar; e toda a multidão vinha a ele, e ele os ensinava.
14 E passando ele, viu a Levi, filho de Alfeu, assentado na coletoria, e disse-lhe: Segue-me. E ele se levantou e o seguiu.
15 E aconteceu que, estando ele assentado à mesa em casa deste, muitos publicanos e pecadores estavam também assentados com Jesus e seus discípulos; pois eram muitos, e o seguiam.
16 E os escribas e os fariseus, vendo-o comer com publicanos e pecadores, disseram aos discípulos dele: Por que ele come e bebe com publicanos e pecadores?
17 ## Tendo Jesus ouvido isto, disse-lhes: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento.

Consulta dos discípulos de João sobre o jejum

18 E os discípulos de João e os dos fariseus estavam jejuando; e vieram e disseram-lhe: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, mas os teus discípulos não jejuam?
19 Respondeu-lhes Jesus: Porventura podem jejuar os filhos das bodas, enquanto o noivo está com eles? Durante o tempo em que o noivo estiver com eles, não podem jejuar.
20 Mas dias virão em que lhes será tirado o noivo; e, então, jejuarão naqueles dias.
21 E ninguém costura remendo de pano novo em veste velha; caso contrário, o remendo novo rompe a veste velha, e fica pior a rotura.
22 E ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo rompe os odres, entorna-se o vinho e os odres se estragam. Mas o vinho novo deve ser posto em odres novos.

As espigas de trigo e o sábado

23 E aconteceu que ele atravessou as searas no dia de sábado; e os seus discípulos, ao passarem, começaram a colher as espigas.
24 E os fariseus lhe disseram: Olha, por que fazem no sábado o que não é lícito?
25 E ele lhes disse: Acaso nunca lestes o que fez Davi quando esteve em necessidade e teve fome, ele e os que com ele estavam?
26 Como entrou na casa de Deus, no tempo do sumo sacerdote Abiatar, e comeu dos pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, e deu também aos que com ele estavam?
27 E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.
28 De modo que o Filho do homem é Senhor também do sábado.

Referências Cruzadas

1 Mt 9:1; Lc 5:18
7 Jó 14:4; Is 43:25; Lc 5:21
8 Mt 9:4
9 Mt 9:5
13 Mt 9:9
14 Mt 9:9; Lc 5:27
15 Mt 9:10
17 Mt 9:12; Mt 9:13; Mt 18:11; Lc 5:31; Lc 5:32; Lc 19:10; 1Tm 1:15
18 Mt 9:14; Lc 5:33
23 Mt 12:1; Lc 6:1; Dt 23:25
25 1Sm 21:6
26 Ex 29:32; Ex 29:33; Lv 24:9
28 Mt 12:8

14, 15 Ver Ellen G. White sobre Lc 5:29.
15 Politicamente incorreto. A festa foi oferecida em honra de Jesus, e Este não hesitou em aceitar a gentileza. Bem sabia que isso daria motivo de escândalo ao partido dos fariseus, comprometendo-O também aos olhos do povo. Nenhuma questão de política, entretanto, podia influenciar-Lhe os movimentos. Para Ele, as distinções exteriores não tinham valor. O que Lhe falava ao coração era a sede pela água da vida (DTN 186.4).
17 Ver Ellen G. White sobre Mt 9:12, 13.
18-19 Síntese da resposta. Muito ternamente lhes respondeu Jesus. Não procurou corrigir-lhes a errônea concepção acerca do jejum, mas apenas fazê-los ver com justeza Sua missão (DTN 188.2).
22 Ver Ellen G. White sobre Mt 9:17.