Mateus 8

Almeida Antiga - IBC

A cura de um leproso
1 Quando ele desceu do monte, grandes multidões o seguiam.
2 E eis que veio um leproso e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo.
3 E Jesus estendeu a mão e tocou-o, dizendo: Eu quero. Fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo de sua lepra.
4 Disse-lhe então Jesus: Olha, não contes isto a ninguém; mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés ordenou, para servir de testemunho a eles.

O servo de um centurião

5 Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, chegou-se a ele um centurião, rogando-lhe,
6 e dizendo: Senhor, meu servo jaz em casa paralítico, horrivelmente atormentado.
7 Disse-lhe Jesus: Eu irei, e o curarei.
8 O centurião respondeu: Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado; mas somente fala a palavra, e meu servo será curado.
9 Pois também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz.
10 Quando Jesus ouviu isso, maravilhou-se, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que não encontrei tamanha fé; não, nem mesmo em Israel.
11 Também vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e tomarão assento com Abraão, Isaque e Jacó, no reino dos céus.
12 Mas os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.
13 Então disse Jesus ao centurião: Vai-te; e, assim como creste, te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado foi curado.

A cura da sogra de Pedro

14 Ora, tendo Jesus entrado na casa de Pedro, viu a sogra deste acamada e ardendo em febre.
15 E ele tocou na mão dela, e a febre a deixou; e ela se levantou e passou a servi-los.
16 Chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados; e ele com a palavra expulsou os espíritos, e curou todos os que estavam doentes;
17 para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías: Ele tomou as nossas enfermidades, e carregou as nossas doenças.

Como seguir a Jesus

18 Vendo Jesus grandes multidões ao seu redor, deu ordem de partir para a outra margem.
19 E, um certo escriba se aproximou dele e disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores.
20 Respondeu-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.
21 E outro de seus discípulos lhe disse: Senhor, permite-me primeiro ir e sepultar a meu pai.
22 Jesus, porém, lhe respondeu: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar seus próprios mortos.

Tempestade apaziguada

23 E, entrando ele num barco, seus discípulos o seguiram.
24 E eis que se levantou no mar uma grande tempestade, de sorte que o barco era coberto com as ondas. Ele, porém, dormia.
25 Os discípulos, pois, aproximaram-se e o despertaram, dizendo: Senhor, salva-nos! Estamos perecendo!
26 E ele lhes disse: Por que temeis, homens de pequena fé? Então, ele se levantou e repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se grande calmaria.
27 E aqueles homens se maravilharam, dizendo: Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?

A cura de dois endemoninhados

28 Tendo ele chegado ao outro lado, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, tão ferozes, de forma que ninguém podia passar por aquele caminho.
29 E eis que gritaram, dizendo: Que temos nós contigo, ó Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?
30 Ora, a uma boa distância deles, andava pastando uma grande manada de porcos.
31 Então, os demônios lhe rogaram, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos entrar naquela manada de porcos.
32 E ele lhes disse: Ide. E havendo eles saído, entraram na manada de porcos; e eis que toda a manada de porcos se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e pereceram nas águas.
33 E os porqueiros fugiram, e, chegando à cidade, divulgaram todas estas coisas, e o que acontecera aos endemoninhados.
34 E eis que toda a cidade saiu ao encontro de Jesus; e vendo-o, rogaram-lhe que se retirasse de suas terras.

Referências Cruzadas

2 Mc 1:40; Lc 5:12
4 Mt 9:30; Mc 5:43; Lv 14:3; Lv 14:4; Lv 14:10; Lc 5:14
5 Lc 7:1
8 Lc 15:19; Lc 15:21; Sl 107:20
10 Mt 9:2; Lc 5:1-5; Mt 14:29
11 Gn 12:3; Is 2:2; Is 2:3; Is 11:10; Ml 1:11; Lc 13:29; At 10:45; At 11:18; At 14:27; Rm 15:9; Ef 3:6
12 Mt 21:43; Mt 13:42; Mt 13:50; Mt 22:13; Mt 24:51; Mt 25:30; Lc 13:28; 2Pe 2:17; Jd 13
14 Mc 1:29; Mc 1:30; Mc 1:31; Lc 4:38; Lc 4:39; 1Co 9:5
16 Mc 1:32; Lc 4:40; Lc 4:41
17 Is 53:4; 1Pe 2:24
19 Lc 9:57; Lc 9:58
21 Lc 9:59; Lc 9:60; 1Rs 19:20
24 Mc 4:37; Lc 8:23; At 12:6-7
26 Sl 65:7; Sl 89:9; Sl 107:29
28 Mc 5:1; Lc 8:26
34 Dt 5:25; 1Rs 17:18; Lc 5:8; At 16:39

8 Viu anjos pela fé. O centurião viu pelos olhos da fé que os anjos de Deus estavam todos à volta de Jesus, e que Sua palavra poderia comissionar um anjo a aproximar-se do sofredor (VA 185.3).

19, 20. Foi Judas. Enquanto Jesus estava preparando os discípulos para sua ordenação, um que não fora chamado se esforçou para ser contado entre eles. Foi Judas Iscariotes, que professava ser seguidor de Cristo. Adiantou-se então, solicitando um lugar nesse círculo mais íntimo de discípulos. Com grande veemência e aparente sinceridade, declarou: “Senhor, seguir-Te-ei para onde quer que fores.” Jesus nem o repeliu, nem o acolheu com mostras de agrado, mas proferiu apenas as tristes palavras: [v. 20] (DTN 200.3).