Neemias 2

Almeida Antiga - IBC

Artaxerxes permite a Neemias ir a Jerusalém
1 Sucedeu, pois, no mês de nisã, no ano vigésimos do rei Artaxerxes, quando o vinho estava posto diante dele, que eu apanhei o vinho e o dei ao rei. Ora, eu nunca estivera triste na sua presença.
2 E o rei me disse: Por que está triste o teu rosto, visto que não estás doente? Não é isto senão tristeza de coração. Então temi sobremaneira.
3 E disse ao rei: Viva o rei para sempre! Como não há de estar triste o meu rosto, estando na cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, assolada, e tendo sido consumidas as suas portas pelo fogo?
4 Então o rei me perguntou: Que me pedes agora? Orei, pois, ao Deus do céu,
5 e disse ao rei: Se for do agrado do rei, e se teu servo tiver achado graça diante de ti, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a reedifique.
6 Então o rei, estando a rainha assentada junto a ele, me disse: Quanto durará a tua viagem, e quando voltarás? E aprouve ao rei enviar-me, apontando-lhe eu certo prazo.
7 Eu disse ainda ao rei: Se for do agrado do rei, deem-se-me cartas para os governadores dalém do Rio, para que me permitam passar até que eu chegue a Judá;
8 como também uma carta para Asafe, guarda da floresta do rei, a fim de que me dê madeira para as vigas das portas do castelo que pertence à casa, e para o muro da cidade, e para a casa que eu houver de ocupar. E o rei mas deu, graças à mão benéfica do meu Deus sobre mim.
9 Então fui ter com os governadores dalém do Rio, e lhes entreguei as cartas do rei. Ora, o rei tinha enviado comigo oficiais do exército e cavaleiros.
10 O que ouvindo Sambalate, o horonita, e Tobias, o servo amonita, ficaram extremamente agastados de que alguém viesse a procurar o bem dos filhos de Israel.
11 Cheguei, pois, a Jerusalém, e estive ali três dias.
12 Então de noite me levantei, eu e uns poucos homens comigo; e não declarei a ninguém o que o meu deus pusera no coração para fazer por Jerusalém. Não havia comigo animal algum, senão aquele que eu montava.
13 Assim saí de noite pela porta do vale, até a fonte do dragão, e até a porta do monturo, e contemplei os muros de Jerusalém, que estavam demolidos, e as suas portas, que tinham sido consumidas pelo fogo.
14 E passei adiante até a porta da fonte, e à piscina do rei; porém não havia lugar por onde pudesse passar o animal que eu montava.
15 Ainda de noite subi pelo ribeiro, e contemplei o muro; e virando, entrei pela porta do vale, e assim voltei.
16 E não souberam os magistrados aonde eu fora nem o que eu fazia; pois até então eu não havia declarado coisa alguma, nem aos judeus, nem aos sacerdotes, nem aos nobres, nem aos magistrados, nem aos demais que faziam a obra.
17 Então eu lhes disse: Bem vedes vós o triste estado em que estamos, como Jerusalém está assolada, e as suas portas queimadas a fogo; vinde, pois, e edifiquemos o muro de Jerusalém, para que não estejamos mais em opróbrio.
18 Então lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, e bem assim as palavras que o rei me tinha dito. Eles disseram: Levantemo-nos, e edifiquemos. E fortaleceram as mãos para a boa obra.
19 O que ouvindo Sambalate, o horonita, e Tobias, o servo amonita, e Gesem, o arábio, zombaram de nós, desprezaram-nos e disseram: O que é isso que fazeis? Quereis rebelar-vos contra o rei?
20 Então lhes respondi: O Deus do céu é que nos fará prosperar; e nós, seus servos, nos levantaremos e edificaremos: mas vós não tendes parte, nem direito, nem memorial em Jerusalém.

Referências Cruzadas

1 Ed 7:1; Ne 1:11
2 Pv 15:13
3 1Rs 1:31; Dn 2:4; Dn 5:10; Dn 6:6; Dn 6:21; Ne 1:3
5 Rm 8:34; Mt 12:20
6 Ne 5:14; Ne 13:6
8 Ne 3:7; Ne 2:18; Ed 5:5; Ed 7:6; Ed 7:9; Ed 7:28
11 Ed 8:32
13 2Cr 26:9; Ne 3:13; Ne 2:17; Ne 1:3
14 Ne 3:15
15 2Sm 15:23; Jr 31:40
17 Ne 1:3; Sl 44:13; Sl 79:4; Jr 24:9; Ez 5:14; Ez 5:15; Ez 22:4
18 Ne 2:8; 2Sm 2:7
19 Sl 44:13; Sl 79:4; Sl 80:6; Ne 6:6
20 Ed 4:3

1 Oportunidade favorável. Neemias esperara quatro meses por uma oportunidade favorável de apresentar seu pedido ao rei. Durante este tempo, embora o seu coração estivesse carregado de dor, ele procurou mostrar-se alegre na presença real. Nas salas de luxo e esplendor, todos deviam parecer alegres e felizes. A tristeza não devia lançar sua sombra sobre a face de qualquer assistente da realeza. Mas no período de retraimento de Neemias, ocultas da vista dos homens, muitas foram as orações, as confissões, as lágrimas, ouvidas e testemunhadas por Deus e os anjos (VA 146.1).
4 Perseverantes na oração. Deus, em Sua providência, não nos permite conhecer o fim desde o princípio, mas nos dá a luz de Sua Palavra para nos guiar enquanto avançamos, e ordena que mantenhamos a mente fixa em Jesus. Onde quer que estejamos, qualquer que seja nossa ocupação, nosso coração deve se elevar a Deus em prece. É isso que significa ser perseverante na oração. Para orar, não precisamos esperar até podermos nos colocar de joelhos. Em certa ocasião, quando Neemias foi à presença do rei, este lhe perguntou por que seu semblante estava tão triste e que pedido ele tinha a fazer. Neemias não ousou responder imediatamente. Importantes interesses estavam em jogo. O destino de uma nação dependia da impressão que devia então ser feita na mente do monarca; e Neemias elevou uma urgente oração ao Deus do Céu antes de ousar responder ao rei. O resultado foi que ele obteve tudo o que pediu e desejou (HS, 144).
8 Solicitar donativos dos mundanos. Os que labutam pelos interesses da causa de Deus devem apresentar as necessidades da obra em _____ diante dos homens ricos do mundo. Fazei isto judiciosamente. Dizei-lhes o que estais procurando fazer. Solicitai-lhes donativos. O que eles possuem pertence a Deus e são bens que devem ser usados para o esclarecimento do mundo (Ev 88.2).
8, 18 O reconhecimento da boa mão de Deus. O Senhor requer que escondamos o eu em Jesus Cristo e deixemos toda a glória para Deus. Nossa vida é do Senhor e está investida de uma responsabilidade que não compreendemos plenamente. As fibras do eu foram entretecidas na trama, e isto desonrou a Deus. Neemias alcançou grande influência sobre o monarca em cuja corte vivia e sobre seu povo em Jerusalém. Mas em vez de atribuir o louvor a seus próprios traços excelentes de caráter e à sua notável aptidão e energia, ele apresentou a questão exatamente como era: declarou que seu sucesso se devia à boa mão de Deus sobre ele. Entesourava a verdade de que Deus era sua salvaguarda em todas as posições importantes que ocupava. Cada traço de caráter mediante o qual obtinha favores era motivo para que ele louvasse o poder de Deus que atuava por meio de Seus agentes invisíveis. E Deus lhe deu sabedoria porque ele não se exaltou. O Senhor o ensinou a usar os dons que lhe foram confiados da melhor forma possível, e, sob a supervisão de Deus, esses talentos ganharam outros talentos. Este agente humano podia ser usado por agentes divinos (Carta 83, 1898).
12-15 Os anjos veem a igreja como Neemias viu Jerusalém . Com o coração tomado de dor, o visitante que chegara de longe contemplou as arruinadas defesas de sua amada Jerusalém. E não é assim que os anjos do Céu inspecionam a condição da igreja de Cristo? Como os habitantes de Jerusalém, habituamo-nos aos males existentes e, muitas vezes, ficamos satisfeitos, sem fazer nenhum esforço para remediá-los. Como, porém, são esses males considerados pelos seres iluminados divinamente? Como Neemias, não olham eles com o coração pesaroso para os muros derribados e as portas queimadas? (VF [MM 1971], 264)
Não estão visíveis por toda parte os vergonhosos sinais da apostasia contra Deus e da conformidade com um mundo que ama o pecado e odeia a verdade? Nesses dias de escuridão e perigo, quem é capaz de se levantar em defesa de Sião e mostrar a ela algum bem? Sua condição espiritual e suas perspectivas futuras não estão de acordo com a luz e com os privilégios concedidos por Deus (The Southern Watchman, 22/03/1904).
17, 18 Precisa-se de Neemias. Carecemos hoje de pessoas como Neemias na igreja, não de homens capazes de pregar e orar apenas, mas de homens cujas orações e sermões sejam animados de firme e sincero propósito. O procedimento seguido por esse patriota hebreu na realização de seus planos devia ser ainda adotado pelos pastores e dirigentes. Havendo eles delineado seus planos, deveriam expô-los perante a igreja de maneira que lhes atraísse o interesse e a cooperação. Fazei que o povo compreenda os planos e tome parte na obra, e hão de se interessar pessoalmente em sua prosperidade. O êxito que acompanhou os esforços de Neemias mostra o que podem realizar a oração, a fé e uma ação sábia e enérgica. A fé viva impele para a ação enérgica. O povo refletirá em alto grau o espírito manifestado pelo dirigente. Se os dirigentes que professam crer nas solenes e importantes verdades que devem provar o mundo hoje não manifestam zelo ardente em preparar um povo que subsista no dia de Deus, podemos esperar que a igreja seja descuidada, indolente e amante dos prazeres (SC, 177).
Procura-se Neemias da vida. Nesta época do mundo, precisamos de homens como Neemias que despertem o povo para ver quão longe estão de Deus por causa da transgressão de Sua lei. Neemias foi um reformador, um grande homem suscitado para um tempo importante. Quando teve de enfrentar o mal e toda sorte de oposição, despertaram-se nele nova coragem e novo zelo. Sua energia e determinação inspiraram o povo de Jerusalém, e a força e a coragem tomaram o lugar da fraqueza e do desânimo. Seu santo propósito, sua elevada esperança e a alegre consagração à obra foram contagiantes. As pessoas foram tomadas pelo entusiasmo de seu líder, e em sua esfera cada um se tornou como Neemias e ajudou a fortalecer as mãos e o coração de seu companheiro. Aqui está uma lição para os ministros de nossos dias. Se eles forem indiferentes, inativos e destituídos de piedoso zelo, o que se poderá esperar das pessoas a quem eles ministram? (The Southern Watchman, 28/06/1904).