Números 16

Almeida Antiga - IBC

A rebelião de Coré, Datã e Abirão
1 Ora, Corá, filho de Izar, filho de Coate, filho de Levi, juntamente com Datã e Abirão, filhos de Eliabe, e Om, filho de Pelete, filhos de Rúben, tomando certos homens,
2 levantaram-se perante Moisés, juntamente com duzentos e cinquenta homens dos filhos de Israel, príncipes da congregação, chamados à assembleia, varões de renome;
3 e ajuntando-se contra Moisés e contra Arão, disseram-lhes: Demais é o que vos arrogais a vós, visto que toda a congregação é santa, todos eles são santos, e o Senhor está no meio deles; por que, pois, vos elevais sobre a assembleia do Senhor?
4 Quando Moisés ouviu isso, caiu com o rosto em terra;
5 depois falou a Corá e a toda a sua companhia, dizendo: Amanhã pela manhã o Senhor fará saber quem é seu, e quem é o santo, ao qual ele fará chegar a si; e aquele a quem escolher fará chegar a si.
6 Fazei isto: Corá e toda a sua companhia, tomai para vós incensários;
7 e amanhã, pondo fogo neles, sobre eles deitai incenso perante o Senhor; e será que o homem a quem o Senhor escolher, esse será o santo; demais é o que vos arrogais a vós, filhos de Levi.
8 Disse mais Moisés a Corá: Ouvi agora, filhos de Levi!
9 Acaso é pouco para vós que o Deus de Israel vos tenha separado da congregação de Israel, para vos fazer chegar a si, a fim de fazerdes o serviço do tabernáculo do Senhor e estardes perante a congregação para ministrar-lhe,
10 e te fez chegar, e contigo todos os teus irmãos, os filhos de Levi? Procurais também o sacerdócio?
11 Pelo que tu e toda a tua companhia estais congregados contra o Senhor; e Arão, quem é ele, para que murmureis contra ele?
12 Então Moisés mandou chamar a Datã e a Abirão, filhos de Eliabe; eles porém responderam: Não subiremos.
13 É pouco, porventura, que nos tenhas feito subir de uma terra que mana leite e mel, para nos matares no deserto, para que queiras ainda fazer-te príncipe sobre nós?
14 Ademais, não nos introduziste em uma terra que mana leite e mel, nem nos deste campos e vinhas em herança; porventura cegarás os olhos a estes homens? Não subiremos.
15 Então Moisés irou-se grandemente, e disse ao Senhor: Não atentes para a sua oferta; nem um só jumento tenho tomado deles, nem a nenhum deles tenho feito mal.
16 Disse mais Moisés a Corá: Comparecei amanhã tu e toda a tua companhia perante o Senhor; tu e eles, e Arão.
17 Tome cada um o seu incensário, e ponha nele incenso; cada um traga perante o Senhor o seu incensário, duzentos e cinquenta incensários; também tu e Arão, cada qual o seu incensário.
18 Tomou, pois, cada qual o seu incensário, e nele pôs fogo, e nele deitou incenso; e se puseram à porta da tenda da revelação com Moisés e Arão.
19 E Corá fez ajuntar contra eles toda o congregação à porta da tenda da revelação; então a glória do Senhor apareceu a toda a congregação.
20 Então disse o Senhor a Moisés e a Arão:
21 Apartai-vos do meio desta congregação, para que eu, num momento, os possa consumir.
22 Mas eles caíram com os rostos em terra, e disseram: Ó Deus, Deus dos espíritos de toda a carne, pecará um só homem, e indignar-te-ás tu contra toda esta congregação?
23 Respondeu o Senhor a Moisés:
24 Fala a toda esta congregação, dizendo: Subi do derredor da habitação de Corá, Datã e Abirão.
25 Então Moisés levantou-se, e foi ter com Datã e Abirão; e seguiram-nos os anciãos de Israel.
26 E falou à congregação, dizendo: Retirai-vos, peço-vos, das tendas desses homens ímpios, e não toqueis nada do que é seu, para que não pereçais em todos os seus pecados.
27 Subiram, pois, do derredor da habitação de Corá, Datã e Abirão. E Datã e Abirão saíram, e se puseram à porta das suas tendas, juntamente com suas mulheres, e seus filhos e seus pequeninos.
28 Então disse Moisés: Nisto conhecereis que o Senhor me enviou a fazer todas estas obras; pois não as tenho feito de mim mesmo.
29 Se estes morrerem como morrem todos os homens, e se forem visitados como são visitados todos os homens, o Senhor não me enviou.
30 Mas, se o Senhor criar alguma coisa nova, e a terra abrir a boca e os tragar com tudo o que é deles, e vivos descerem à cova, então compreendereis que estes homens têm desprezado o Senhor.
31 E aconteceu que, acabando ele de falar todas estas palavras, a terra que estava debaixo deles se fendeu;
32 e a terra abriu a boca e os tragou com as suas famílias, como também a todos os homens que pertenciam a Corá, e a toda a sua fazenda.
33 Assim eles e tudo o que era seu desceram vivos à cova; e a terra os cobriu, e pereceram do meio da congregação.
34 E todo o Israel, que estava ao seu redor, fugiu ao clamor deles, dizendo: não suceda que a terra nos trague também a nós.
35 Então saiu fogo do Senhor, e consumiu os duzentos e cinquenta homens que ofereciam o incenso.
36 Então disse o Senhor a Moisés:
37 Dize a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote, que tire os incensários do meio do incêndio; e espalha tu o fogo longe; porque se tornaram santos
38 os incensários daqueles que pecaram contra as suas almas; deles se façam chapas, de obra batida, para cobertura do altar; porquanto os trouxeram perante o Senhor, por isso se tornaram santos; e serão por sinal aos filhos de Israel.
39 Eleazar, pois, o sacerdote, tomou os incensários de bronze, os quais aqueles que foram queimados tinham oferecido; e os converteram em chapas para cobertura do altar,
40 para servir de memória aos filhos de Israel, a fim de que nenhum estranho, ninguém que não seja da descendência de Arão, se chegue para queimar incenso perante o Senhor, para que não seja como Corá e a sua companhia; conforme o Senhor dissera a Eleazar por intermédio de Moisés.
41 Mas no dia seguinte toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Arão, dizendo: Vós matastes o povo do Senhor.
42 E tendo-se sublevado a congregação contra Moisés e Arão, dirigiu-se para a tenda da revelação, e eis que a nuvem a cobriu, e a glória do Senhor apareceu.
43 Vieram, pois, Moisés e Arão à frente da tenda da revelação.
44 Então disse o Senhor a Moisés:
45 Levantai-vos do meio desta congregação, para que eu, num momento, a possa consumir. Então caíram com o rosto em terra.
46 Depois disse Moisés a Arão: Toma o teu incensário, põe nele fogo do altar, deita incenso sobre ele e leva-o depressa à congregação, e faze expiação por eles; porque grande indignação saiu do Senhor; já começou a praga.
47 Tomou-o Arão, como Moisés tinha falado, e correu ao meio da congregação; e eis que já a praga havia começado entre o povo; e deitando o incenso no incensário, fez expiação pelo povo.
48 E pôs-se em pé entre os mortos e os vivos, e a praga cessou.
49 Ora, os que morreram da praga foram catorze mil e setecentos, além dos que morreram no caso de Corá.
50 E voltou Arão a Moisés à porta da tenda da revelação, pois cessara a praga.

Referências Cruzadas

1 Ex 6:21; Nm 26:9; Nm 27:3; Jd 11; Nm 3:12
2 Nm 26:9
3 Sl 106:16; Ex 19:6; Ex 29:45; Nm 14:14; Nm 35:34
4 Nm 14:5; Nm 20:6
5 Nm 16:3; Lv 21:6; Lv 21:7; Lv 21:8; Lv 21:12; Lv 21:15; Ex 28:1; Nm 17:5; 1Sm 2:28; Sl 105:26; Nm 3:10; Lv 10:3; Ez 21:17; Ez 21:18; Ez 44:15; Ez 44:16
9 1Sm 18:23; Is 7:13; Nm 3:41; Nm 3:45; Nm 8:14; Dt 10:8; Nm 3:12; Nm 4:4
10 Hb 5:4
11 Ex 16:8; 1Co 3:5; Ex 7:1-2
13 Nm 16:9; Ex 2:14; At 7:27; At 7:35
14 Ex 3:8; Lv 20:24
15 Gn 4:4; Gn 4:5; 1Sm 12:3; At 20:33; 2Co 7:2
16 Nm 16:6; Nm 16:7; 1Sm 12:3; 1Sm 12:7
19 Nm 16:42; Ex 16:7; Ex 16:10; Lv 9:6; Lv 9:23; Nm 14:10
21 Nm 16:45; Gn 19:17; Gn 19:22; Jr 51:6; At 2:40; Ap 18:4; Nm 16:45; Ex 32:10; Ex 33:5
22 Nm 16:45; Nm 14:5; Jó 27:10; Ec 12:7; Is 57:16; Zc 12:1; Hb 12:9
26 Gn 19:12; Gn 19:14; Is 52:11; 2Co 6:17; Ap 18:4
28 Ex 3:12; Dt 18:22; Zc 2:9; Zc 2:11; Zc 4:9; Jo 5:36; Nm 24:13; Jr 23:16; Ez 13:17; Jo 5:30; Jo 6:38
29 Ex 20:5; Ex 32:34; Jó 35:15; Is 10:3; Jr 5:9
30 Is 45:7; Jó 31:3; Is 28:21; Nm 16:33; Sl 55:15
31 Nm 26:10; Nm 27:3; Dt 11:6; Sl 106:17
32 Nm 16:17; Nm 26:11; 1Cr 6:22; 1Cr 6:37
35 Lv 10:2; Nm 11:1; Sl 106:18; Nm 16:17
37 Lv 27:28
38 Pv 20:2; Hb 2:10; Nm 17:10; Nm 26:10; Ez 14:8
40 Nm 3:10; 2Cr 26:18
41 Nm 14:2; Sl 106:25
42 Ex 40:34; Nm 16:19; Nm 20:6
45 Nm 16:21; Nm 16:24; Nm 16:22; Nm 20:6
46 Lv 10:6; Nm 1:53; Nm 8:19; Nm 11:33; Nm 18:5; 1Cr 27:24; Sl 106:29

Errata

4 + 3 =

1-50 Rebelião contra a liderança. Esses homens de Israel reclamaram e influenciaram o povo a se colocar junto a eles em sua rebelião. E, mesmo depois de Deus ter estendido Sua mão e tragado os malfeitores, e de o povo ter fugido para suas tendas horrorizado, sua rebelião não foi curada. A profundidade de sua desafeição foi manifestada mesmo sob o juízo do Senhor. Na manhã seguinte à destruição de Corá, Datã e Abirão e de seus aliados, o povo veio a Moisés e a Arão, dizendo: “Vós matastes o povo do Senhor” [Nm 16:41]. Por essa falsa acusação contra os servos de Deus, morreram outros milhares, pois neles havia pecado, arrogância e maldade presunçosa (Carta 12a, 1893).
Lições da rebelião. Ponho em dúvida se a verdadeira rebelião será jamais curável. Estudai em Patriarcas e Profetas a rebelião de Corá, Datã e Abirão. Essa rebelião se estendeu, incluindo mais de dois homens. Foi movida por duzentos e cinquenta príncipes da congregação, homens de renome. Chamai a rebelião por seu verdadeiro nome e a apostasia pelo nome real, e então considerai que o ocorrido ao antigo povo de Deus com todos os seus traços objetáveis foi fielmente registrado para passar à história. Declaram as Escrituras que “estas coisas foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado” [1Co 10:11], E se homens e mulheres que têm o conhecimento da verdade estão separados de seu grande Líder a ponto de tomar o líder da apostasia e o chamarem “Cristo, justiça nossa”, é porque não se aprofundaram muito nas minas da verdade. Não são capazes de discernir entre o ouro precioso e o material ordinário. […]
O Senhor permitiu que questões dessa natureza se desenvolvessem no passado a fim de mostrar quão facilmente Seu povo será desviado se confiar nas palavras de homens em vez de examinarem por si mesmos as Escrituras, como fizeram os nobres bereanos, para ver se as coisas são mesmo assim. […]
A rebelião e a apostasia se encontram no próprio ar que respiramos. Seremos afetados por elas, a menos que, pela fé, façamos nossa alma desamparada segurar-se em Cristo. Se as pessoas são tão facilmente transviadas agora, como subsistirão elas quando Satanás personificar a Cristo e operar milagres? Quem ficará inabalado então por suas deturpações, quando ele professar ser Cristo, mas sendo apenas Satanás assumindo a forma da pessoa de Cristo e operando aparentemente as obras do próprio Cristo? Que impedirá o povo de Deus de prestar obediência a falsos cristos? “Não vades nem os sigais” (Lc 17:23).
As doutrinas têm de ser compreendidas com clareza. Os seres humanos aceitos para pregar a verdade precisam estar ancorados; então sua nau resistirá a tempestades e temporais, porque a âncora os segura firmemente. Os enganos aumentarão; e devemos chamar a rebelião pelo seu próprio nome. Devemos estar revestidos de toda a armadura. Nesse conflito, não enfrentamos unicamente homens, mas principados e potestades. Não lutamos contra a carne e o sangue. Leia-se cuidadosamente e de maneira impressiva em nossas igrejas Efésios 6:10-18 (ME2, 393-395).
Extensão de Satanás. Cristo veio ao nosso mundo não para ajudar Satanás a intensificar a rebelião, mas para pôr fim à rebelião. Onde quer que as pessoas comecem a se rebelar, vão agir secretamente e nas trevas, pois não irão, como Cristo lhes disse que fizessem, àqueles contra quem têm alguma coisa. Na verdade, levarão a outros sua quota de mentiras, inimizade, suspeitas malignas e dramatizações satânicas, e assim obterão a simpatia deles por falsas declarações, assim como Satanás fez com os anjos que lhe eram subalternos (Carta 156, 1897).
1-3 Príncipes alistados na rebelião. Aqueles homens em Israel estavam determinados a resistir a todas as evidências que demonstrassem que estavam errados e foram prosseguindo em sua conduta de deslealdade até que muitos foram levados a se unir a eles. Quem eram esses? Não os fracos, não os ignorantes, não os faltos de esclarecimento. Naquela rebelião havia 20 príncipes famosos na congregação, homens de renome (Carta 2a, 1892).
3 Moisés acusado de obstruir o progresso. Acusaram Moisés de ser a causa de não entrarem na terra prometida. Disseram que Deus não os havia tratado daquela forma. Ele não havia dito que deviam morrer no deserto. Nunca acreditariam que Ele havia falado isso; mas que Moisés o havia dito, e que tudo havia sido arranjado por Moisés para nunca levá-los à terra de Canaã (SG4, 30).
Corá enganou-se a si mesmo. Corá tinha alimentado sua inveja e rebelião até ter enganado a si mesmo, e ele realmente pensava que a congregação era um povo muito justo e que Moisés era um dirigente tirânico, continuamente insistindo sobre a necessidade de a congregação ser santa, quando não havia necessidade disso, pois eram santos (T3, 349).
19 O povo se enganou a si mesmo. Os israelitas pensaram que, se Corá pudesse os guiar e encorajar, demorando-se nos seus atos bons em vez de lembrá-los de suas faltas, teriam uma viagem pacífica e próspera. Ele sem dúvida os guiaria, não de um lado para outro no deserto, mas para a terra prometida. Disseram que Moisés havia dito que não podiam entrar na terra, e que o Senhor não havia declarado tal coisa. Corá, em sua exaltada autoconfiança, fez ajuntar toda a congregação contra Moisés e Arão, “à porta da tenda da congregação” [Nm 16-19] (SG4, 31).

[featured_products per_page="4" orderby="menu_order" columns="0" order="ASC"]