Números 21

Almeida Antiga - IBC

Os israelitas destroem os cananeus
1 Ora, ouvindo o cananeu, rei de Arade, que habitava no Negebe, que Israel vinha pelo caminho de Atarim, pelejou contra Israel, e levou dele alguns prisioneiros.
2 Então Israel fez um voto ao Senhor, dizendo: Se na verdade entregares este povo nas minhas mãos, destruirei totalmente as suas cidades.
3 O Senhor, pois, ouviu a voz de Israel, e entregou-lhe os cananeus; e os israelitas os destruíram totalmente, a eles e às suas cidades; e chamou-se aquele lugar Horma.

As serpentes ardentes e a serpente de bronze

4 Então partiram do monte Hor, pelo caminho que vai ao Mar Vermelho, para rodearem a terra de Edom; e a alma do povo impacientou-se por causa do caminho.
5 E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito, para morrermos no deserto? Pois aqui não há pão e não há água: e a nossa alma tem fastio deste miserável pão.
6 Então o Senhor mandou entre o povo serpentes abrasadoras, que o mordiam; e morreu muita gente em Israel.
7 Pelo que o povo veio a Moisés, e disse: Pecamos, porquanto temos falado contra o Senhor e contra ti; ora ao Senhor para que tire de nós estas serpentes. Moisés, pois, orou pelo povo.
8 Então disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente de bronze, e põe-na sobre uma haste; e será que todo mordido que olhar para ela viverá.
9 Fez, pois, Moisés uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, tendo uma serpente mordido a alguém, quando esse olhava para a serpente de bronze, vivia.

Jornadas dos israelitas

10 Partiram, então, os filhos de Israel, e acamparam-se em Obote.
11 Depois partiram de Obote, e acamparam-se em Ije-Abarim, no deserto que está defronte de Moabe, para o nascente.
12 Dali partiram, e acamparam-se no vale de Zerede.
13 E, partindo dali, acamparam-se além do Arnom, que está no deserto e sai dos termos dos amorreus; porque o Arnom é o termo de Moabe, entre Moabe e os amorreus.
14 Pelo que se diz no livro das guerras do Senhor: Vaebe em Sufa, e os vales do Arnom,
15 e o declive dos vales, que se inclina para a situação Ar, e se encosta aos termos de Moabe
16 Dali vieram a Beer; esse é o poço do qual o Senhor disse a Moisés: Ajunta o povo, e lhe darei água.
17 Então Israel cantou este cântico: Brota, ó poço! E vós, entoai-lhe cânticos!
18 Ao poço que os príncipes cavaram, que os nobres do povo escavaram com o bastão, e com os seus bordões. Do deserto vieram a Matana;
19 de Matana a Naaliel; de Naaliel a Bamote;
20 e de Bamote ao vale que está no campo de Moabe, ao cume de Pisga, que dá para o deserto.

Os israelitas ferem os reis de Moabe e de Baal

21 Então Israel mandou mensageiros a Siom, rei dos amorreus, a dizer-lhe:
22 Deixa-me passar pela tua terra; não nos desviaremos para os campos nem para as vinhas; as águas dos poços não beberemos; iremos pela estrada real até que tenhamos passado os teus termos.
23 Siom, porém, não deixou Israel passar pelos seus termos; pelo contrário, ajuntou todo o seu povo, saiu ao encontro de Israel no deserto e, vindo a Jaza, pelejou contra ele.
24 Mas Israel o feriu ao fio da espada, e apoderou-se da sua terra, desde o Arnom até o Jaboque, até os amonitas; porquanto a fronteira dos amonitas era fortificada.
25 Assim Israel tomou todas as cidades dos amorreus e habitou nelas, em Hesbom e em todas as suas aldeias.
26 Porque Hesbom era a cidade de Siom, rei dos amorreus, que pelejara contra o precedente rei de Moabe, e tomara da mão dele toda a sua terra até o Arnom.
27 Pelo que dizem os que falam por provérbios: Vinde a Hesbom! Edifique-se e estabeleça-se a cidade de Siom!
28 Porque fogo saiu de Hesbom, e uma chama da cidade de Siom; e devorou a Ar de Moabe, aos senhores dos altos do Arnom.
29 Ai de ti, Moabe! Perdido estás, povo de Quemós! Entregou seus filhos como fugitivos, e suas filhas como cativas, a Siom, rei dos amorreus.
30 Nós os asseteamos; Hesbom está destruída até Dibom, e os assolamos até Nofá, que se estende até Medeba.
31 Assim habitou Israel na terra dos amorreus.
32 Depois Moisés mandou espiar a Jazer, e tomaram as suas aldeias e expulsaram os amorreus que ali estavam.
33 Então viraram-se, e subiram pelo caminho de Basã. E Ogue, rei de Basã, saiu-lhes ao encontro, ele e todo o seu povo, para lhes dar batalha em Edrei.
34 Disse, pois, o Senhor a Moisés: Não o temas, porque eu to entreguei na mão, a ele, a todo o seu povo, e à sua terra; e far-lhe-ás como fizeste a Siom, rei dos amorreus, que habitava em Hesbom.
35 Assim o feriram, a ele e seus filhos, e a todo o seu povo, até que nenhum lhe ficou restando; também se apoderaram da terra dele.

Referências Cruzadas

1 Nm 33:40; Jz 1:16; Nm 13:21
2 Gn 28:20; Jz 11:30; Lv 27:28
4 Nm 20:22; Nm 33:41; Jz 11:18; Ex 6:9
5 Sl 78:19; Ex 16:3; Ex 17:3; Nm 11:6
6 1Co 10:9; Dt 8:15
7 Sl 78:34; Nm 21:5; Ex 8:8; Ex 8:28; 1Sm 12:19; 1Rs 13:6; At 8:24
9 2Rs 18:4; Jo 3:14-15; Jo 12:32-33
10 Nm 33:43
11 Nm 33:44
12 Dt 2:13
13 Nm 22:36; Jz 11:18
15 Dt 2:18; Dt 2:29
16 Jz 9:21
17 Ex 15:1; Sl 105:2; Sl 106:12
18 Is 33:22
20 Nm 23:28
21 Dt 2:26; Dt 2:27; Jz 11:19
22 Nm 20:17
23 Dt 29:7; Dt 2:32; Jz 11:20
24 Dt 2:33; Dt 29:7; Js 12:1; Js 12:2; Js 24:8; Ne 9:22; Sl 135:10; Sl 135:11; Sl 136:19; Am 2:9
28 Jr 48:45; Jr 48:46; Dt 2:9; Dt 2:18; Is 15:1
29 Jz 11:24; 1Rs 11:7; 1Rs 11:33; 2Rs 23:13; Jr 48:7; Jr 48:13
30 Jr 48:18; Jr 48:22; Is 15:2
32 Nm 32:1; Jr 48:32
33 Dt 3:1; Dt 29:7; Js 13:12
34 Dt 3:2; Nm 21:24; Sl 135:10; Sl 135:11; Sl 136:20
35 Dt 3:3; Dt 3:4

5 Os efeitos negativos da carne. Deus não reteve a “…carne dos hebreus no deserto simplesmente para mostrar Sua autoridade, mas para benefício deles, para que conservassem a resistência física e moral. Sabia que o uso de alimento animal fortalece as paixões animais e enfraquece o intelecto. Ele sabia que a satisfação do apetite dos hebreus para os alimentos cárneos, enfraquecer-lhes-ia as faculdades morais, e induziria a tão irritável disposição, que o grande exército ficaria insubordinado, que perderiam o elevado senso de suas obrigações morais, e se recusariam a ser controlados pelas sábias leis de Jeová (Te 160).

6 Haviam sido miraculosamente preservados. Para puni-los pela ingratidão e pela reclamação contra Deus, o Senhor permitiu que serpentes abrasadoras os mordessem. Eram chamadas de abrasadoras porque sua picada produzia dolorosa inflamação e morte rápida. Os israelitas, até esse momento, haviam sido preservados dessas serpentes no deserto, por um contínuo milagre; pois o deserto através do qual viajavam era infestado de serpentes venenosas (SG4, 41).
Uma decisão fatal. Houve quem se detivesse para arrazoar sobre a tolice de buscar alívio dessa forma. O fato de que deviam ser curados ao olhar para um objeto de bronze era, para mente desses, absurdo. Disseram: Não olharemos! Essa decisão foi fatal, e todos os que não quiseram aceitar a provisão feita pereceram.
A serpente de bronze foi levantada no deserto para que todos que olhassem com fé pudessem ser curados. Da mesma forma, Deus envia uma mensagem de restauração e cura para os seres humanos, chamando-os a desviar os olhos do homem e das coisas terrenas e a colocar sua confiança em Deus. Ele deu a Seu povo a verdade com poder por meio do Espírito Santo. Abriu Sua palavra a quem estava buscando a verdade e orando por ela. Mas, quando esses mensageiros deram às pessoas a verdade que haviam recebido, elas foram tão incrédulas como os israelitas. Muitos zombam da verdade que lhes é apresentada por mensageiros humildes (Ms 75, 1899).