Provérbios 12

Almeida Antiga - IBC

1 O que ama a correção ama o conhecimento; mas o que aborrece a repreensão é insensato.
2 O homem de bem alcançará o favor do Senhor; mas ao homem de perversos desígnios ele condenará.
3 O homem não se estabelece pela impiedade; a raiz dos justos, porém, nunca será removida.
4 A mulher virtuosa é a coroa do seu marido; porém a que procede vergonhosamente é como apodrecimento nos seus ossos.
5 Os pensamentos do justo são retos; mas os conselhos do ímpio são falsos.
6 As palavras dos ímpios são emboscadas para derramarem sangue; a boca dos retos, porém, os livrará.
7 Transtornados serão os ímpios, e não serão mais; porém a casa dos justos permanecerá.
8 Segundo o seu entendimento é louvado o homem; mas o perverso de coração é desprezado.
9 Melhor é o que é estimado em pouco e tem serviço, do que quem se honra a si mesmo e tem falta de pão.
10 O justo olha pela vida dos seus animais; porém as entranhas dos ímpios são cruéis.
11 O que lavra a sua terra se fartará de pão; mas o que segue os ociosos é falto de entendimento.
12 Deseja o ímpio o despojo dos maus; porém a raiz dos justos produz o seu próprio fruto.
13 Pela transgressão dos lábios se enlaça o mau; mas o justo escapa da angústia.
14 Do fruto das suas palavras o homem se farta de bem; e das obras das suas mãos se lhe retribui.
15 O caminho do insensato é reto aos seus olhos; mas o que dá ouvidos ao conselho é sábio.
16 A ira do insensato logo se revela; mas o prudente encobre a afronta.
17 Quem fala a verdade manifesta a justiça; porém a testemunha falsa produz a fraude.
18 Há palrador cujas palavras ferem como espada; porém a língua dos sábios traz saúde.
19 O lábio veraz permanece para sempre; mas a língua mentirosa dura só um momento.
20 Engano há no coração dos que maquinam o mal; mas há gozo para os que aconselham a paz.
21 Nenhuma desgraça sobrevém ao justo; mas os ímpios ficam cheios de males.
22 Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite.
23 O homem prudente encobre o conhecimento; mas o coração dos tolos proclama a estultícia.
24 A mão dos diligentes dominará; mas o indolente será tributário servil.
25 A ansiedade no coração do homem o abate; mas uma boa palavra o alegra.
26 O justo é um guia para o seu próximo; mas o caminho dos ímpios os faz errar.
27 O preguiçoso não apanha a sua caça; mas o bem precioso do homem é para o diligente.
28 Na vereda da justiça está a vida; e no seu caminho não há morte.

Referências Cruzadas

2 Pv 8:35
3 Pv 10:25
4 Pv 31:23; 1Co 11:7; Pv 14:30
6 Pv 1:11; Pv 1:18; Pv 14:3
7 Sl 37:36; Sl 37:37; Pv 11:21; Mt 7:24; Mt 7:25; Mt 7:26; Mt 7:27
8 2Sm 25:17
9 Pv 13:7
10 Dt 25:4
11 Gn 3:19; Pv 28:19; Pv 6:32
13 Pv 18:7; 2Pe 2:9
14 Pv 13:2; Pv 18:20; Is 3:10; Is 3:11
15 Pv 3:7; Lc 18:11
16 Pv 29:11
17 Pv 14:5
18 Sl 57:4; Sl 59:7; Sl 64:3
19 Sl 52:5; Pv 19:9
22 Pv 6:17; Pv 11:20; Ap 22:15
23 Pv 13:16; Pv 15:2
24 Pv 10:4
25 Pv 15:13; Is 50:4

18 A força das palavras. A voz e a língua são dons de Deus e, quando devidamente empregadas, são uma força em favor da causa de Deus. As palavras significam muito. Podem exprimir amor, devoção, louvor e melodia para Deus, ou ódio e vingança. As palavras revelam os sentimentos do coração. Podem ser um cheiro de vida para vida ou de morte para morte. A língua é uma fonte de bênção ou de iniquidade (FF [MM 2005/1956], 180).
Granizo desolador ou sementes de amor? Alguns saem da comunhão diária com Deus revestidos da mansidão de Cristo. Suas palavras não são como granizo desolador, esmagando tudo que encontra pela frente; antes brotam docemente de seus lábios. Espalham sementes de amor e bondade por todo o caminho, e tudo isso inconscientemente, porque Cristo mora no seu coração. Sente-se mais do que se vê a sua influência (ibid.).
19 Os honestos são joias divinas para sempre. Veracidade e franqueza devem ser sempre nutridas por todos os que pretendem seguir a Cristo. Deus e o direito devem ser seu lema. Procedam de forma honesta e justa neste mundo mau. Alguns são honestos só quando veem que a honestidade não lhes prejudicará os interesses terrenos; mas o nome de todos quantos agirem segundo esses princípios serão apagados do livro da vida.
Importa cultivar estrita honestidade. Não podemos passar pelo mundo senão uma vez; não nos é possível voltar para retificar quaisquer erros. Portanto, todo passo deve ser dado em piedoso temor e cuidadosa consideração. A honestidade e a astúcia não se harmonizam; ou a astúcia será dominada, e a verdade e a honestidade tomarão as rédeas do governo, ou a astúcia tomará as rédeas, e a honestidade ficará fora. Não poderão ambas agir juntamente; elas jamais estarão de acordo. Quando Deus recolher Suas joias, os verdadeiros, os francos e os honestos serão os Seus escolhidos, os Seus tesouros. Os anjos estão preparando coroas para esses; e desses diademas crivados de estrelas se refletirá, em seu esplendor, a luz do trono de Deus (NAV [MM 1962], 224).