Provérbios 16

Almeida Antiga - IBC

1 Ao homem pertencem os planos do coração; mas a resposta da língua é do Senhor.
2 Todos os caminhos do homem são limpos aos seus olhos; mas o Senhor pesa os espíritos.
3 Entrega ao Senhor as tuas obras, e teus desígnios serão estabelecidos.
4 O Senhor fez tudo para um fim; sim, até o ímpio para o dia do mal.
5 Todo homem arrogante é abominação ao Senhor; certamente não ficará impune.
6 Pela misericórdia e pela verdade expia-se a iniquidade; e pelo temor do Senhor os homens se desviam do mal.
7 Quando os caminhos do homem agradam ao Senhor, faz que até os seus inimigos tenham paz com ele.
8 Melhor é o pouco com justiça, do que grandes rendas com injustiça.
9 O coração do homem propõe o seu caminho; mas o Senhor lhe dirige os passos.
10 Nos lábios do rei acham-se oráculos; em juízo a sua boca não prevarica.
11 O peso e a balança justos são do Senhor; obra sua são todos os pesos da bolsa.
12 Abominação é para os reis o praticarem a impiedade; porque com justiça se estabelece o trono.
13 Lábios justos são o prazer dos reis; e eles amam aquele que fala coisas retas.
14 O furor do rei é mensageiro da morte; mas o homem sábio o aplacará.
15 Na luz do semblante do rei está a vida; e o seu favor é como a nuvem de chuva serôdia.
16 Quanto melhor é adquirir a sabedoria do que o ouro! E quanto mais excelente é escolher o entendimento do que a prata!
17 A estrada dos retos desvia-se do mal; o que guarda o seu caminho preserva a sua vida.
18 A soberba precede a destruição, e a altivez do espírito precede a queda.
19 Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos.
20 O que atenta prudentemente para a palavra prosperará; e feliz é aquele que confia no Senhor.
21 O sábio de coração será chamado prudente; e a doçura dos lábios aumenta o saber.
22 O entendimento, para aquele que o possui, é uma fonte de vida, porém a estultícia é o castigo dos insensatos.
23 O coração do sábio instrui a sua boca, e aumenta o saber nos seus lábios.
24 Palavras suaves são como favos de mel, doçura para a alma e saúde para o corpo.
25 Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele conduz à morte.
26 O apetite do trabalhador trabalha por ele, porque a sua fome o incita a isso.
27 O homem vil suscita o mal; e nos seus lábios há como que um fogo ardente.
28 O homem perverso espalha contendas; e o difamador separa amigos íntimos.
29 O homem violento alicia o seu vizinho, e guia-o por um caminho que não é bom.
30 Quando fecha os olhos fá-lo para maquinar perversidades; quando morde os lábios, efetua o mal.
31 Coroa de honra são as cãs, a qual se obtém no caminho da justiça.
32 Melhor é o longânimo do que o valente; e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade.
33 A sorte se lança no regaço; mas do Senhor procede toda a disposição dela.

Referências Cruzadas

1 Pv 16:9; Pv 19:21; Pv 20:24; Jr 10:23; Mt 10:19; Mt 10:20
2 Pv 21:2; 1Sm 16:7
3 Sl 37:5; Sl 55:22; Lc 12:22
4 Is 43:7; Rm 11:36; Jó 21:30; Rm 9:22
5 Pv 6:17; Pv 8:13; Pv 11:21
6 Dn 4:27; Pv 14:16
8 Sl 37:16; Pv 15:16
9 Pv 16:1; Pv 19:21; Sl 37:23
11 Lv 19:36
12 Pv 25:5; Pv 29:14
13 Pv 14:35; Pv 22:11
14 Pv 19:12; Pv 20:2
15 Pv 19:12; Jó 29:23; Zc 10:1
16 Pv 8:11; Pv 8:19
18 Pv 11:2; Pv 17:19; Pv 18:12
20 Sl 2:12; Sl 34:8; Sl 125:1
22 Pv 13:14; Pv 14:27
23 Sl 37:30
25 Pv 14:12
26 Pv 9:12
28 Pv 6:14; Pv 6:19; Pv 15:18; Pv 26:21; Pv 29:22; Pv 17:9
29 Pv 1:10
31 Pv 20:29
32 Pv 19:11; Pv 18:19

15 Deus lê os planos secretos. Para seu interesse eterno, todos devem examinar o próprio coração e desenvolver todas as faculdades concedidas por Deus. Lembrem-se de que não há um só motivo no coração de qualquer pessoa que o Senhor não veja claramente. Os motivos de cada um são pesados tão cuidadosamente como se o destino de cada ser humano dependesse unicamente desse resultado. Precisamos de uma conexão com o poder divino para que possamos ver a luz mais claramente e ter uma compreensão de como raciocinar da causa para o efeito. Precisamos cultivar as faculdades da compreensão, sendo co-participantes da natureza divina e nos livrando da corrupção das paixões que há no mundo. Que todos considerem cuidadosamente esta solene verdade: Deus, no Céu, é verdadeiro, e não há um único propósito, por mais complicado que seja, um único motivo, por mais cuidadosamente oculto que esteja, que Ele não compreenda claramente. Ele lê os planos secretos de todo coração. Os seres humanos podem tramar atos tortuosos para o futuro, achando que Deus não os conhece; mas naquele grande dia em que os livros forem abertos e todos forem julgados pelas coisas neles escritas, esses atos vão aparecer como são. […] [ver SI 139:1-5, 11, 12].
O Senhor vê e entende toda desonestidade no planejamento, toda apropriação de propriedade ou meios que tenha algum grau de ilegalidade, toda injustiça no trato do ser humano com seu próximo [ver Dn 5:27] (RH, 08/03/1906).
11 A religião com balanças enganosas é abominação. A fraude em qualquer transação é um grave pecado à vista de Deus; pois os bens que as pessoas negociam pertencem a Ele e devem ser usados para a glória do Seu nome, caso os seres humanos desejem ser considerados puros e limpos aos Seus olhos. A religião que leva na mão a medida adulterada e a balança enganosa é uma abominação diante de Deus. Aquele que nutre essa religião será confundido, pois o Senhor é um Deus zeloso (Carta 8, 1901).
28 Ver Ellen G. White sobre Pv 26:20-22.
32 Como ser mais forte que reis e conquistadores. Cristo está usando palavras cortantes, críticas severas e suspeitas cruéis em relação a Seu povo que comete faltas? Não. Ele leva em conta toda enfermidade e age com discernimento. Conhece cada um de nossos fracassos, mas usa de paciência; se assim não fosse, há muito já teríamos perecido por causa do mau tratamento que Lhe dispensamos. O maior insulto que podemos cometer para com Ele é fingir sermos Seus discípulos enquanto manifestamos o espírito de Satanás nas palavras, no temperamento e nos atos. Não convém que aqueles de quem Jesus suporta tanta coisa no que diz respeito a suas falhas e a suas perversidades, constantemente se importem com insultos ou com ofensas reais ou imaginárias. Contudo, há os que estão sempre suspeitando dos motivos dos que os rodeiam. Veem ofensas e insultos onde não houve essa intenção por parte da outra pessoa. Tudo isso é obra de Satanás no coração humano. Um coração cheio do amor que não suspeita mal (1Co 13:5) não procura descortesias e injustiças que talvez lhe tenham sido dirigidas. A vontade de Deus é que o amor feche os olhos, ouvidos e o coração a todas essas provocações e a todas as sugestões com as quais Satanás deseja tentá-los. Há uma nobre majestade no silêncio daquele que é exposto a más suspeitas ou ultrajes. Saber dominar o espírito é ser mais forte do que reis ou conquistadores. Um cristão leva os outros a pensar em Cristo. Ele será afável, bondoso, paciente, humilde e, ao mesmo tempo, corajoso e firme em vindicar a verdade e o nome de Cristo.
Não devemos considerar como nossos inimigos todos que não nos recebem com um sorriso nos lábios e com demonstrações de amor. É muito mais fácil agir como mártir do que vencer o mau gênio.
Precisamos dar a outros o exemplo, não nos detendo em cada mínima ofensa para vindicar nossos direitos. Podemos esperar que circulem falsos rumores sobre nós; mas se seguirmos uma conduta reta, se permanecermos indiferentes a essas coisas, os outros também ficarão indiferentes a elas. Deixemos que Deus cuide de nossa reputação. E assim, como filhos e filhas de Deus, mostraremos que temos domínio próprio, que somos guiados pelo Espírito de Deus e que somos tardios em ira. A calúnia pode ser gradualmente anulada por nossa maneira de viver, mas não pode ser anulada por palavras de indignação. Que nossa grande ansiedade seja agir no temor de Deus e mostrar, por nossa conduta, que esses rumores são falsos. Ninguém pode manchar nosso caráter tanto quanto nós mesmos. São as árvores fracas e as casas que estão caindo que precisam ser constantemente escoradas. Quando nos mostramos tão ansiosos para proteger a reputação contra ataques externos, damos a impressão de que ela não é irrepreensível diante de Deus e que, portanto, precisa ser continuamente reforçada (Ms 24, 1887).
Refrear a língua. Há pessoas que cresceram sem domínio de si mesmas; não refrearam o temperamento nem a língua; e algumas dessas pretendem ser seguidoras de Cristo, mas não são. Jesus não lhes deu tal exemplo. Quando tiverem a mansidão e a humildade do Salvador, não darão lugar aos impulsos do coração natural, pois isso procede de Satanás. Alguns são nervosos e, se começam a perder o domínio na palavra e no espírito, quando provocados, ficam tão embriagados de ira como os ébrios o ficam com a bebida alcoólica. Perdem a razão, e não se persuadem facilmente nem se convencem. Ficam insanos; nesse momento, Satanás tem todo o domínio. Cada uma dessas manifestações de ira enfraquece o sistema nervoso e as faculdades morais e torna difícil refrear a raiva na provocação seguinte.
Para essas pessoas não há senão um remédio: positivo domínio próprio em todas as circunstâncias. O esforço de se colocar em situação favorável, em que não seja contrariado, pode dar bom resultado por algum tempo; mas Satanás sabe onde encontrar essas pobres almas e tentará repetidamente em seus pontos fracos. Estarão continuamente perturbada enquanto pensarem tanto em si mesmas. Carregam o mais pesado fardo que um mortal possa erguer, isto é, o próprio eu não santificado nem subjugado. Há, porém esperança para elas. Seja esta vida, tão assolada por conflitos e ansiedades, posta em ligação com Cristo, e então não mais o próprio eu clamará pela supremacia (FF [MM 2005/1956], 142; YI, 10/11/1886).