Romanos 13

Almeida Antiga - IBC

Submissão às autoridades civis
1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus.
2 Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
3 Porque os magistrados não são motivo de temor para os que fazem o bem, mas para os que fazem o mal. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela;
4 porquanto ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador em ira contra aquele que pratica o mal.
5 Pelo que é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa da ira, mas também por causa da consciência.
6 Por esta razão também pagais tributo; porque são ministros de Deus, para atenderem a isso mesmo.
7 Dai a cada um o que lhe é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.

Amor mútuo. Vigilância e pureza

8 A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama ao próximo tem cumprido a lei.
9 # Com efeito: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; não cobiçarás; e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
10 O amor não faz mal ao próximo. De modo que o amor é o cumprimento da lei.
11 E isso digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.
12 A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos pois as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz.
13 Andemos honestamente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja.
14 Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.

Referências Cruzadas

1 Tt 3:1; 1Pe 2:13; Pv 8:15; Dn 2:21; Jo 19:11
2 Tt 3:1
3 1Pe 2:14
5 Ec 8:2; 1Pe 2:19
7 Mt 22:21; Mc 12:17; Lc 20:25
8 Rm 13:10; Gl 5:14; Cl 3:14; 1Tm 1:5; Tg 2:8
9 Ex 20:13; Dt 5:17; Mt 19:18; Lv 19:18; Mt 22:39; Mc 12:31; Gl 5:14; Tg 2:8
10 Rm 13:8; Mt 22:40
11 1Co 15:34; Ef 5:14; 1Ts 5:5; 1Ts 5:6
12 Ef 5:11; Cl 3:8; Ef 6:13; 1Ts 5:8
13 Fp 4:8; 1Ts 4:12; 1Pe 2:12; Pv 23:20; Lc 21:34; 1Pe 4:3; 1Co 6:9; Ef 5:5; Tg 3:14
14 Gl 3:27; Ef 4:24; Cl 3:10; Gl 5:16; 1Pe 2:11

1 Deus, o Soberano de todas as nações. Quem, então, deve ser considerado como o Soberano das nações? — O Senhor Deus Onipotente. Todos os reis, todos os governadores, todas as nações, são Seus e estão sob Seu domínio e autoridade (FEC, 505).
1-7 Os governantes são servos de Deus. Uma das coisas mais deploráveis do mundo é o fato de que há governantes coléricos e juízes injustos. Eles se esquecem de que estão sob a autoridade do grande Governante, o Deus todo-sábio, e que Ele está acima de todo governante, príncipe, soberano ou rei.
Os governantes são servos de Deus, e devem exercer o cargo como Seus aprendizes. É para seu bem que devem seguir fielmente um claro “Assim diz o Senhor”, observando o caminho do Senhor para fazer justiça e juízo. Devem exercer seus poderes sem parcialidade e sem hipocrisia, recusando-se a ser comprados ou a se vender, rechaçando todo suborno e permanecendo em independência e dignidade moral diante de Deus. Não devem ser coniventes com um só ato de desonestidade ou injustiça. Não devem praticar, eles próprios, uma só ação vil ou injusta, nem apoiar outros em atos de opressão. Os governantes sábios não permitirão que o povo seja oprimido por causa da inveja e do ciúme daqueles que desrespeitam a lei de Deus. […] Todos precisam manter a eternidade em vista, e não devem agir de tal forma que Deus não possa ratificar as decisões deles nas cortes do Céu (RH, 01/10/1895).
8 Não ser extremista em não dever nada. É direito tomar dinheiro emprestado para levar avante uma obra que sabemos que Deus deseja ver realizada. Não devemos esperar demais, e tornar o trabalho muito mais árduo, porque não queremos tomar dinheiro emprestado. Têm-se cometido erros ao incorrer em dívida para fazer o que poderia ter esperado até um tempo qualquer no futuro. Mas há perigo em ir ao outro extremo. Não nos devemos colocar numa posição que ponha em perigo a saúde, e torne nosso trabalho fatigante. Devemos agir sensatamente. Devemos fazer o trabalho que precisa ser feito, mesmo que tenhamos de tomar dinheiro emprestado e de pagar juros (Carta 111, 1903. CM 169.1).
14 Entre os verdadeiros crentes não há piedade duvidosa. Os cristãos sinceros não têm uma piedade duvidosa. Revestiram-se do Senhor Jesus Cristo e nada dispõem para a carne no tocante a suas concupiscências. Estão constantemente olhando para Jesus e atentos às Suas ordens, assim como um servo olha para o seu senhor, ou uma serva para a sua senhora. Onde quer que a providência de Deus possa levar, estão prontos a ir. Não tomam glória alguma para si mesmos. Não consideram como seu nada que possuem: saber, talentos, propriedades; mas se consideram apenas como despenseiros da multiforme graça de Cristo e servos da igreja por amor a Cristo. Estes são mensageiros do Senhor, uma luz em meio às trevas. O coração deles pulsa em uníssono com o grande coração de Cristo (Ms 1a, 1890).