Salmos 106

Almeida Antiga - IBC

A rebelião de Israel e a misericórdia de Deus
1 Louvai ao Senhor. Louvai ao Senhor, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre.
2 Quem pode referir os poderosos feitos do Senhor, ou anunciar todo o seu louvor?
3 Bem-aventurados os que observam o direito, que praticam a justiça em todos os tempos.
4 Lembra-te de mim, Senhor, quando mostrares favor ao teu povo; visita-me com a tua salvação,
5 para que eu veja a prosperidade dos teus escolhidos, para que me alegre com a alegria da tua nação, e me glorie juntamente com a tua herança.
6 Nós pecamos, como nossos pais; cometemos a iniquidade, andamos perversamente.
7 Nossos pais não atentaram para as tuas maravilhas no Egito, não se lembraram da multidão das tuas benignidades; antes foram rebeldes contra o Altíssimo junto ao Mar Vermelho.
8 Não obstante, ele os salvou por amor do seu nome, para fazer conhecido o seu poder.
9 Pois repreendeu o Mar Vermelho e este se secou; e os fez caminhar pelos abismos como pelo deserto.
10 Salvou-os da mão do adversário, livrou-os do poder do inimigo.
11 As águas, porém, cobriram os seus adversários; nem um só deles ficou.
12 Então creram nas palavras dele e cantaram-lhe louvor.
13 Cedo, porém, se esqueceram das suas obras; não esperaram pelo seu conselho;
14 mas deixaram-se levar pela cobiça no deserto, e tentaram a Deus no ermo.
15 E ele lhes deu o que pediram, mas fê-los definhar de doença.
16 Tiveram inveja de Moisés no acampamento, e de Arão, o santo do Senhor.
17 Abriu-se a terra, e engoliu a Datã, e cobriu a companhia de Abirão;
18 ateou-se um fogo no meio da congregação; e chama abrasou os ímpios.
19 Fizeram um bezerro em Horebe, e adoraram uma imagem de fundição.
20 Assim trocaram a sua glória pela figura de um boi que come erva.
21 Esqueceram-se de Deus seu Salvador, que fizera grandes coisas no Egito,
22 maravilhas na terra de Cão, coisas tremendas junto ao Mar Vermelho.
23 Pelo que os teria destruído, como dissera, se Moisés, seu escolhido, não se tivesse interposto diante dele, para desviar a sua indignação, a fim de que não os destruísse.
24 Também desprezaram a terra aprazível; não confiaram na sua promessa;
25 antes murmuraram em suas tendas e não deram ouvidos à voz do Senhor.
26 Pelo que levantou a sua mão contra eles, afirmando que os faria cair no deserto;
27 que dispersaria também a sua descendência entre as nações, e os espalharia pelas terras.
28 Também se apegaram a Baal-Peor, e comeram sacrifícios oferecidos aos mortos.
29 Assim o provocaram à ira com as suas ações; e uma praga rebentou entre eles.
30 Então se levantou Fineias, que executou o juízo; e cessou aquela praga.
31 E isto lhe foi imputado como justiça, de geração em geração, para sempre.
32 Indignaram-no também junto às águas de Meribá, de sorte que sucedeu mal a Moisés por causa deles;
33 porque amarguraram o seu espírito; e ele falou imprudentemente com seus lábios.
34 Não destruíram os povos, como o Senhor lhes ordenara;
35 antes se misturaram com as nações, e aprenderam as suas obras.
36 Serviram aos seus ídolos, que vieram a ser-lhes um laço;
37 sacrificaram seus filhos e suas filhas aos demônios;
38 e derramaram sangue inocente, o sangue de seus filhos e de suas filhas, que eles sacrificaram aos ídolos de Canaã; e a terra foi manchada com sangue.
39 Assim se contaminaram com as suas obras, e se prostituíram pelos seus feitos.
40 Pelo que se acendeu a ira do Senhor contra o seu povo, de modo que abominou a sua herança;
41 entregou-os nas mãos das nações, e aqueles que os odiavam dominavam sobre eles.
42 Os seus inimigos os oprimiram, e debaixo das mãos destes foram eles humilhados.
43 Muitas vezes os livrou; mas eles foram rebeldes nos seus desígnios, e foram abatidos pela sua iniquidade.
44 Contudo, atentou para a sua aflição, quando ouviu o seu clamor;
45 e a favor deles lembrou-se do seu pacto, e aplacou-se, segundo a abundância da sua benignidade.
46 Por isso fez com que obtivessem compaixão da parte daqueles que os levaram cativos.
47 Salva-nos, Senhor, nosso Deus, e congrega-nos dentre as nações, para que louvemos o teu santo nome, e nos gloriemos no teu louvor.
48 Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, de eternidade em eternidade! E diga todo o povo: Amém. Louvai ao Senhor.

Referências Cruzadas

1 1Cr 16:34; Sl 107:1; Sl 118:1; Sl 136:1
2 Sl 40:5
3 Sl 15:2; At 24:16; Gl 6:9
4 Sl 119:132
6 Lv 26:40
7 Ex 14:11; Ex 14:12
8 Ez 20:14; Ex 9:16
9 Ex 14:21; Is 63:11
10 Ex 14:30
11 Ex 14:27
12 Ex 14:31
13 Ex 15:24
14 Nm 11:4
15 Nm 11:31; Is 10:16
16 Nm 16:1
17 Nm 16:31
18 Nm 16:35; Nm 16:46
19 Ex 32:4
20 Jr 2:11
21 Sl 78:11; Sl 78:12
22 Sl 78:51
23 Ex 32:10, 30-32; Ez 13:5
24 Dt 8:7; Hb 3:18
25 Nm 14:2
26 Nm 14:28; Ex 6:8
27 Lv 26:33
28 Nm 25:2; Ap 2:14; Dt 23:4
30 Nm 25:7; Nm 25:8
31 Nm 25:11; Nm 25:12; Nm 25:13
32 Nm 20:3; Nm 20:13; Sl 81:7; Nm 20:12; Dt 1:37; Dt 3:26
33 Nm 20:10
34 Jz 1:21; Jz 1:27; Jz 1:28; Jz 1:29; Dt 7:2; Dt 7:16; Jz 2:2
35 Jz 2:2; Jz 3:5; Jz 3:6; Is 2:6; 1Co 5:6
36 Jz 2:12; Jz 2:13; Jz 2:17; Jz 2:19; Jz 3:6; Jz 3:7; Ex 23:33; Dt 7:16; Jz 2:3
37 2Rs 16:3; Is 57:5; Ez 16:20; Ez 20:26; Lv 17:7; Dt 32:17; 2Cr 11:15; 1Co 10:20
38 Nm 35:33
39 Ez 20:18; Ez 20:30; Ez 20:31; Lv 17:7; Nm 15:39; Ez 20:30
40 Jz 2:14; Sl 78:59; Sl 78:62; Dt 9:29
41 Jz 2:14; Ne 9:27
43 Jz 2:16; Ne 9:27
44 Jz 3:9; Jz 4:3; Jz 6:7; Jz 10:10; Ne 9:27
45 Lv 26:41; Lv 26:42; Jz 2:18; Sl 51:1; Sl 69:16; Is 63:7; Lm 3:32
46 Ed 9:9; Jr 42:12
47 1Cr 16:35; 1Cr 16:36
48 Sl 41:13

Ler pelo menos uma vez por semana. A experiência de Israel narrada nas palavras acima pelo apóstolo [1Co 10:1-5], está registrada nos Salmos 105 e 106 e contêm lições de advertência que o povo de Deus nesses últimos dias precisa estudar de forma especial. Eu apelo para que esses capítulos sejam lidos pelo menos uma vez por semana (19MR, 108.1).

1, 2 Trabalho missionário impróprio. Somos companheiros de peregrinação e buscamos uma pátria superior, isto é, celestial. Deus nunca nos dirá, no final de nossa jornada: “Muito bem, servo bom e fiel [Mt 25:21]” se agora acariciamos um espírito que almeja ter mais sucesso que outros e suplantá-los. Malícia, engano, hipocrisia, inveja e maledicência são coisas que Deus aborrece, e ninguém que revele esses frutos em sua vida entrará no reino dos céus. […]
Aqueles que se dedicam à obra de criticar podem parecer estar constantemente preocupados e interessados no bem-estar de outros. Podem parecer ativamente empenhados numa boa obra. Mas sua obra é nociva, e é considerada pelo Senhor como sem valor. É sussurrado aqui e ali um “Dizem por aí”; por sugestões obscuras, outras mentes se enchem de suspeita e desconfiança, e é criado um desconforto. Os que prestaram atenção a um “Dizem por aí” se recordam de algo que observaram em seus irmãos e que poderia estar errado, e se dá muita importância a algo que merece pouca atenção. Essas palavras aparentemente inocentes lançam raízes longas e fortes na mente daqueles que as ouvem, e se produz um dano indescritível. São plantadas sementes de amargura. As más sugestões causam ressentimento no coração, e a semente brota e dá abundante colheita.
O inimigo de toda justiça coloca em operação esse tipo de obra missionária objetável. Alguém que professa trabalhar para Cristo é tentado por Satanás a perguntar O que outros pensam e a pedir a opinião deles sobre palavras que foram ditas. Dessa forma, suspeita e inveja são plantadas em muitos corações. Se aqueles que realizam essa obre missionária pudessem vê-la da forma como ela é considerada pelo Senhor; se por um dia pudessem rastrear o curso de sua obra e ver seus funestos resultado, se arrependeriam.
Fazer o bem a todos, realizar fielmente nossos deveres domésticos, devotar tempo a comparar nossa vida com a vida de Cristo e orar por uma mente humilde e santificada – esta é a obra missionária que o Senhor quer que façamos. Anjos do Céu não podem trabalhar com o agente humano que lança sementes de discórdia e contenda, mas os anjos maus o acompanham onde quer que vá (Ms 47, 1896).
2 Alimentar-se da verdade. O ato de ir a Deus inspira confiança e estimula a pessoa à ação. O corpo morrerá se for privado de adequada nutrição, e o mesmo ocorre com a mente. A fim de ter força ou mesmo vida espiritual ela precisa ser nutrida pela Palavra, que é espírito e é vida. Deve ser constantemente alimentada pela verdade que liga a pessoa Aquele em quem vivemos, nos movemos e existimos (Ms 16, 1890).
4, 5 Ver Ellen G. White sobre Ef 2:19-21.
5 Ver Ellen G. White sobre SI 144:12.
11 Ver Ellen G. White sobre 1Co 9:24-27.
12 Ver Ellen G. White sobre Rm 12:17.
Bolas pretas. As bolas pretas que eram atiradas às costas dos santos, eram as falsidades difamatórias postas em circulação contra o povo de Deus, por aqueles que amam e praticam a mentira. Devemos ter o máximo cuidado em viver vida irrepreensível, e abster-nos de toda a aparência do mal; e então é nosso dever avançar destemidamente, sem dar atenção às falsidades degradantes dos ímpios. Enquanto os justos mantiverem os olhares fixos no incalculável tesouro celeste, tornar-se-ão mais e mais semelhantes a Cristo, e assim serão transformados e dispostos para a trasladação (T1 353).
21 Ver Ellen G. White sobre Ap 14:4.
24 Resistência aos maus hábitos. Cristo é representado como quem levou as dores e tristezas causadas pelo pecado, e Ele faz isso, não só como nosso compassivo amigo, mas como nosso substituto. Portanto, os pecados de egoísmo, de temperamento desagradável, de indolência e de hábitos e práticas errôneas devem ser positiva e firmemente eliminados. Aquele que rompe com Satanás não deve dar lugar às suas tentações. Que as pessoas que vão a Cristo considerem que Ele é o portador de pecados. […] Que a pessoa arrependida lance mão, pela fé, da provisão feita para salvá-la, não em seu pecado, mas de seu pecado. Cristo, como o portador de pecados, precisa tirar o pecado e resgatar o pecador de sua mórbida condição espiritual (Ms 56, 1900).
Ponte sobre o abismo. Pela transgressão o ser humano se separou de Deus, e a comunhão entre eles foi rompida. Mas Jesus Cristo morreu na cruz do Calvário, levando em Seu corpo os pecados do mundo todo, e o abismo entre o Céu e a Terra foi transposto por essa cruz. Cristo leva os homens até o abismo e mostra a ponte que liga as duas extremidades, dizendo: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me [Mt 16:24]” (Ms 21, 1895).