Salmos 25

Almeida Antiga - IBC

Confiança de Davi na oração // Salmo de Davi
1 A ti, Senhor, elevo a minha alma.
2 Deus meu, em ti confio; não seja eu envergonhado; não triunfem sobre mim os meus inimigos.
3 Não seja envergonhado nenhum dos que em ti esperam; envergonhados sejam os que sem causa procedem traiçoeiramente.
4 Faze-me saber os teus caminhos, Senhor; ensina-me as tuas veredas.
5 Guia-me na tua verdade, e ensina-me; pois tu és o Deus da minha salvação; por ti espero o dia todo.
6 Lembra-te, Senhor, da tua compaixão e da tua benignidade, porque elas são eternas.
7 Não te lembres dos pecado da minha mocidade, nem das minhas transgressões; mas, segundo a tua misericórdia, lembra-te de mim, pela tua bondade, ó Senhor.
8 Bom e reto é o Senhor; pelo que ensina o caminho aos pecadores.
9 Guia os mansos no que é reto, e lhes ensina o seu caminho.
10 Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade para aqueles que guardam o seu pacto e os seus testemunhos.
11 Por amor do teu nome, Senhor, perdoa a minha iniquidade, pois é grande.
12 Qual é o homem que teme ao Senhor? Este lhe ensinará o caminho que deve escolher.
13 Ele permanecerá em prosperidade, e a sua descendência herdará a terra.
14 O segredo do Senhor é para aqueles que o temem, e ele lhes faz saber o seu pacto.
15 Os meus olhos estão postos continuamente no Senhor, pois ele tirará do laço os meus pés.
16 Olha para mim, e tem misericórdia de mim, porque estou desamparado e aflito.
17 Alivia as tribulações do meu coração; tira-me das minhas angústias.
18 Olha para a minha aflição e para a minha dor, e perdoa todos os meus pecados.
19 Olha para os meus inimigos, porque são muitos e me odeiam com ódio cruel.
20 Guarda a minha alma, e livra-me; não seja eu envergonhado, porque em ti me refugio.
21 A integridade e a retidão me protejam, porque em ti espero.
22 Redime, ó Deus, a Israel de todas as suas angústias.

Referências Cruzadas

1 Sl 86:3; Lm 3:41
2 Sl 22:5; Sl 31:1; Sl 34:8; Is 28:16; Rm 10:11; Sl 13:4
4 Ex 33:13; Sl 5:8
6 Sl 103:17; Is 63:15; Jr 33:11
7 Jó 13:26; Jr 3:25; Sl 51:1
11 Sl 31:3; Sl 79:9; Sl 109:21; Sl 143:11; Rm 5:20
12 Sl 37:23
13 Pv 19:23; Sl 37:11; Sl 37:22; Sl 37:29
14 Pv 3:32; Jo 7:17
15 Sl 141:8
16 Sl 69:16; Sl 86:16
18 2Sm 16:12
20 Sl 25:2
22 Sl 130:8

18 Um homem forte na tempestade. Davi nunca foi mais digno de admiração do que na hora da adversidade. Nunca foi este cedro de Deus maior do que quando enfrentou a tempestade e a tormenta. Ele era um homem de temperamento agressivo, que poderia explodir para as mais fortes expressões de ressentimento. Ele foi ferido sob acusação de um erro não cometido. O opróbrio, diz ele, havia quebrado seu coração. E não teria sido surpreendente se, num ataque de loucura, ele tivesse dado vazão a sentimentos de irritação incontrolável, que explode em veemente ira e em atitudes de vingança. Mas nada disso seria naturalmente esperado de um homem com o seu perfil de caráter. Com espírito quebrado e em copiosas lágrimas, mas sem qualquer expressão de murmuração, ele vira as costas para as cenas de sua glória e também de seu crime e prossegue seu voo para a vida (Carta 6,1880).
1,2 Davi se reconverteu. A transgressão de Davi foi perdoada porque ele humilhou o coração perante Deus em arrependimento e contrição de alma e creu que se cumpriria a promessa do perdão de Deus. Confessou seu pecado, arrependeu-se e se reconverteu No enlevo da segurança do perdão, exclamou- “Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo” (SI 32:1,2). A bênção vem por causa do perdão; o perdão vem mediante a fé em que o grande Portador de pecados assume o pecado confessado. Todas as nossas bênçãos provêm, assim, de Cristo. Sua morte é o sacrifício expiatório por nossos pecados. É Ele o grande meio por meio do qual recebemos a misericórdia e o favor de Deus. Ele é na realidade, então, o Originador Autor, bem como o Consumador de nossa fé (CT [MM 2002], 150).