Salmos 51

Almeida Antiga - IBC

Davi confessa seu pecado // Salmo de Davi para o músico-mor, quando o profeta Natã veio a ele, depois dele ter possuído a Bate-Seba
1 Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.
2 Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado.
3 Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.
4 Contra ti, contra ti somente, pequei, e fiz o que é mau diante dos teus olhos; de sorte que és justificado em falares, e inculpável em julgares.
5 Eis que eu nasci em iniquidade, e em pecado me concedeu minha mãe.
6 Eis que desejas que a verdade esteja no íntimo; faze-me, pois, conhecer a sabedoria no secreto da minha alma.
7 Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve.
8 Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que se regozijem os ossos que esmagaste.
9 Esconde o teu rosto dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniquidades.
10 Cria em mim, ó Deus, um coração limpo, e renova em mim um espírito reto.
11 Não me lances fora da tua presença, e não retire de mim o teu santo espírito.
12 Restitui-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com teu espírito de liberdade.
13 Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e pecadores se converterão a ti.
14 Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua cantará alegremente a tua justiça.
15 Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca proclamará o teu louvor.
16 Pois tu não te comprazes em sacrifícios; se eu te oferecesse holocaustos, tu não te deleitarias.
17 Os sacrifícios de Deus são um espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.
18 Faze o bem a Sião, segundo a tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém.
19 Então te agradarás de sacrifícios de justiça dos holocaustos e das ofertas queimadas; então serão oferecidos novilhos sobre o teu altar.

Referências Cruzadas

2Sm 12:1; 2Sm 11:2; 2Sm 11:4; Sl 32
1 Sl 51:9; Is 43:25; Cl 2:14
2 Hb 9:14; 1Jo 1:7; 1Jo 1:9; Ap 1:5
3 Sl 32:5
4 Gn 20:6; Lv 5:19; 2Sm 12:13
5 Jó 14:4; Sl 58:3; Jo 3:6; Sl 119:5
6 Jó 38:36
7 Lv 14:4; Nm 19:18; Hb 9:19
8 Mt 5:4
9 Jr 16:17; Sl 51:1
10 At 15:9; Ef 2:10
11 Gn 4:14; 2Rs 13:23; Rm 8:9
12 2Co 3:17
14 2Sm 11:17; 2Sm 12:9
16 Nm 15:27; Nm 15:30; Sl 40:6; Sl 50:8; Is 1:11; Jr 7:22; Sl 40:6
17 Sl 34:18; Is 57:15
19 Sl 4:5; Ml 3:3

1-17 O caminho de volta para Deus. Apresento-lhes o Salmo 51, um salmo cheio de lições preciosas. Dele podemos aprender que procedimento seguir caso tenhamos nos afastado do Senhor. Por Seu profeta, o Senhor enviou ao rei de Israel, exaltado e honrado, uma mensagem de repreensão. Davi confessou seu pecado e humilhou o coração, declarando que Deus é justo em todo o Seu proceder (Ms 147, 1903).
A principal culpa é o pecado contra Deus. Pecado é pecado, quer seja cometido por quem ocupa um trono ou por quem está na posição mais humilde. Vem o dia em que todos os que cometeram pecado farão confissões, embora seja então tarde demais para receberem perdão. Deus espera longamente que o pecador se arrependa. Ele manifesta uma tolerância maravilhosa, mas finalmente precisa chamar o transgressor de Sua lei para o acerto de contas.
Um homem se torna culpado quando prejudica o próximo, mas sua principal culpa é o pecado que comete contra o Senhor e a má influência que seu exemplo exerce sobre outros.
O sincero filho de Deus não considera levianamente nenhum de Seus requisitos (Ms 147, 1903).
3 Uma consciência viva leva à confissão. Davi muitas vezes triunfou com Deus e, no entanto, refletiu muito sobre sua indignidade e pecaminosidade. Não tinha a consciência adormecida ou morta. “Meu pecado”, lamentou ele, “está sempre diante de mim” (SI 51:3). Não se lisonjeava, concluindo que o pecado fosse coisa com que nada tivesse a ver e que não lhe dissesse respeito. Ao ver em seu coração as profundezas do engano, ele sentiu profunda repulsa por si mesmo e orou para que Deus por Seu poder o guardasse dos pecados de presunção e o purificasse das faltas ocultas.
Não é seguro fechar os olhos e endurecer a consciência de modo a não ver nem reconhecer os pecados. Devemos refletir sobre as instruções que temos em relação ao caráter odioso do pecado, a fim de poder verdadeiramente nos arrepender de nossas transgressões e confessá-las (PC [MM 1965], 242).
5 Herança por nascimento. Muitos têm de lutar contra fortes tendências hereditárias para o mal. Fortes desejos não naturais, impulsos sensuais, eis a herança que por nascimento receberam. Contra os mesmos devem ser cuidadosamente guardados. Interior e exteriormente, estão o bem e o mal em luta pelo domínio. Os que nunca passaram por tais experiências não podem conhecer o quase avassalador poder do apetite, ou o feroz conflito entre os hábitos de condescendência consigo mesmo e a decisão de ser temperante em todas as coisas. Essa batalha deve ser travada uma e muitas vezes (CBV 173.3).