Salmos 91

Almeida Antiga - IBC

A segurança daquele que se acolhe em Deus
1 Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Todo-Poderoso descansará.
2 Direi do Senhor: Ele é o meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio.
3 Porque ele te livra do laço do passarinho, e da peste perniciosa.
4 Ele te cobre com as suas penas, e debaixo das suas asas encontras refúgio; a sua verdade é escudo e broquel.
5 Não temerás os terrores da noite, nem a seta que voe de dia,
6 nem peste que anda na escuridão, nem mortandade que assole ao meio-dia.
7 Mil poderão cair ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas tu não serás atingido.
8 Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios.
9 Porquanto fizeste do Senhor o teu refúgio, e do Altíssimo a tua habitação,
10 nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.
11 Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.
12 Eles te susterão nas suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra.
13 Pisarás o leão e a áspide; calcarás aos pés o filho do leão e o dragão.
14 Pois que tanto me amou, eu o livrarei; pô-lo-ei num alto retiro, porque ele conhece o meu nome.
15 Quando ele me invocar, eu lhe responderei; estarei com ele na angústia, livrá-lo-ei, e o honrarei.
16 Com longevidade de dias fartá-lo-ei, e lhe mostrarei a minha salvação.

Referências Cruzadas

1 Sl 27:5; Sl 31:20; Sl 32:7; Sl 17:8
2 Sl 142:5
3 Sl 124:7
4 Sl 17:8; Sl 57:1; Sl 16:4
5 Jó 5:19; Sl 112:7; Sl 121:6; Pv 3:23; Pv 3:24; Is 43:2
8 Sl 37:34; Ml 1:5
9 Sl 91:2; Sl 71:3; Sl 90:1
10 Pv 12:21
11 Sl 34:7; Sl 71:3; Mt 4:6; Lc 4:10; Lc 4:11; Hb 1:14
12 Jó 5:23; Sl 37:24
14 Sl 9:10
15 Sl 50:15; Is 43:2; 1Sm 2:30
16 Pv 3:2

A perda sofrida pelos ímpios. No Salmo 91 se encontra uma descrição maravilhosa da vinda do Senhor para pôr fim à iniquidade dos ímpios e para dar àqueles que O escolheram como seu redentor a certeza de Seu amor e de Seu cuidado protetor.
Os justos compreendem o governo de Deus e triunfarão com santa alegria na eterna proteção e salvação que Cristo, por Seus méritos, lhes garantiu. Que todos se lembrem disso e não se esqueçam de que os ímpios, que não recebem Cristo como seu Salvador pessoal, não entendem Sua providência. Não escolheram o caminho da justiça e não conhecem a Deus. Apesar de todos os benefícios que Ele tão graciosamente lhes concedeu, abusaram de Sua misericórdia ao negligenciar reconhecer Sua bondade e clemência ao lhes dispensar esses favores.
A qualquer momento pode Deus retirar do impenitente os sinais de Seu maravilhoso amor e misericórdia. Quem dera que os seres humanos considerassem quais serão os resultados seguros de sua ingratidão para com Ele e de sua desconsideração para com o infinito dom de Cristo ao mundo! Se continuarem a amar a transgressão mais do que a obediência, as presentes bênçãos e a grande misericórdia de Deus que agora desfrutam, mas não apreciam, acabarão por se tornar a causa de sua ruína eterna (CT [MM 2002], 16).
Pode ser que por um tempo escolham se entregar a diversões mundanas e prazeres pecaminosos, em vez de refrearem sua conduta de pecado e viverem para Deus e para a honra da Majestade do Céu. Mas, quando for tarde demais para verem e compreenderem o que consideraram como de pouca importância, saberão o que significa estar sem Deus e sem esperança. Então, perceberão o que perderam ao escolher ser desleais a Deus e permanecer em rebelião contra Seus mandamentos. No passado, desafiaram Seu poder e rejeitaram Suas ofertas de misericórdia; no final, Seus juízos cairão sobre eles. Então compreenderão que perderam a felicidade — a vida, a vida eterna nas cortes celestiais. […]
Na ocasião em que os juízos de Deus estiverem caindo sem misericórdia, oh! quão invejável para os ímpios será a posição dos que habitam “no esconderijo do Altíssimo” — o pavilhão em que o Senhor esconde todos os que O têm amado e têm obedecido a Seus mandamentos! Em tal tempo como esse, a condição dos justos será realmente invejável aos que estiverem sofrendo por causa de seus pecados. Mas a porta da graça estará fechada para os ímpios. Depois que terminar o tempo da graça não serão mais oferecidas orações em seu favor (EF, 235).
Mas esse tempo ainda não chegou. A doce voz de misericórdia ainda pode ser ouvida. O Senhor está agora chamando os pecadores para que venham a Ele (Ms 151, 1901).
9-10. Cenas finais. A Bíblia, e a Bíblia só, dá-nos uma perspectiva correta destas coisas. Ali estão reveladas as grandes cenas finais da história de nosso mundo, acontecimentos que já estão projetando suas sombras diante de si, fazendo o ruído de sua aproximação com que a Terra trema e o coração dos homens desmaie de temor. [Isaías 24:1, 5, 8; Joel 1:15, 17, 18, 12; Jeremias 4:19, 20, 23-26; 30:7; Isaías 26:20; v. 9, 10; 50:1-3, 4, 6; Miqueias 4:10-12; Jeremias 30:17, 18; Isaías 25:9, 8; 33:20, 22; 11:4].
Então se cumprirá o propósito de Deus; os princípios do Seu reino serão honrados por todos debaixo do Sol. [Isaías 60:18; 54:14].
Os profetas a quem foram reveladas estas grandes cenas, anelavam compreender sua significação. Eles “inquiriram e trataram diligentemente,… indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava. … Aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas;… para as quais coisas os anjos desejam bem atentar”. 1 Pedro 1:10-12.
A nós, que nos achamos nas vésperas do seu cumprimento, de quão profunda importância, de quão vívido interesse, são estes delineamentos de coisas vindouras — fatos pelos quais, desde que nossos primeiros pais se retiraram do Éden, têm os filhos de Deus vigiado e esperado, ansiado e orado! (Ed 180-183).