Tito 2

Almeida Antiga - IBC

A sã doutrina e a conduta cristã
1 Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.
2 Exorta os velhos a que sejam temperantes, sérios, sóbrios, sãos na fé, no amor, e na constância;
3 as mulheres idosas, semelhantemente, que sejam reverentes no seu viver, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras do bem,
4 para que ensinem as mulheres novas a amarem aos seus maridos e filhos,
5 a serem moderadas, castas, operosas donas de casa, bondosas, submissas a seus maridos, para que a palavra de Deus não seja blasfemada.
6 Exorta semelhantemente os moços a que sejam moderados.
7 Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra integridade, sobriedade,
8 linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se confunda, não tendo nenhum mal que dizer de nós.
9 Exorta os servos a que sejam submissos a seus senhores em tudo, sendo-lhes agradáveis, não os contradizendo
10 nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador.

A graça de Deus manifestada

11 Porque a graça de Deus, que traz a salvação, se manifestou a todos os homens,
12 ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, e justa, e piamente,
13 aguardando a bem-aventurada esperança e o glorioso aparecimento de nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus,
14 que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.
15 Fala estas coisas, exorta e repreende com toda autoridade. Ninguém te despreze.

Referências Cruzadas

1 1Tm 1:10
2 Tt 1:13
3 1Tm 2:9; 2Tm 3:3
4 1Tm 5:14
5 1Co 14:34; Rm 2:24
7 1Tm 4:12; Ef 6:24
8 1Tm 6:3; Ne 5:9; 2Ts 3:14
9 Ef 6:5; Ef 5:24
10 Mt 5:16
11 Rm 5:15; Lc 3:6; Rm 1:5; Hb 10:26
12 Lc 1:75; 1Pe 4:2
13 1Co 1:7; At 24:15; Cl 3:4
14 Gl 1:4; Hb 9:14; Ex 15:16; Ef 2:10
15 2Tm 4:2; 1Tm 4:12

8 Ver Ellen G. White sobre Cl 4:6.
10 Adornando a doutrina. Para ornar a doutrina de Cristo, nosso Salvador, precisamos ter a mesma mente que em Cristo. Nossos gostos, as aversões e o desejo de favorecer o eu às expensas de outros devem ser vencidos. Que a paz de Deus reine em nosso coração. Cristo deve ser em nós um poder vivo e operante (Ms 39, 1896).
11 Ver Ellen G. White sobre Ef 4:7; 1Pe 1:22.
14 Ver Ellen G. White sobre Lc 17:10; Rm 3:20-31; Gl 5:6.